Avançar para o conteúdo principal

se o dia a dia é "nhac",é bom ter memoria

Há quem reze. Ha quem medito (ja nao o faço ha uns tempos..., shame on me).

Eu vou fazer uma viagem pelas boas memorias da minha infância / adolescencia, coisas que me deixavam alegre:

- as idas ao Domingo de manhã ao antigo Estádio da Luz para ir á piscina e o pai deixar o carro a limpar nas bombas da Shell. Depois regressavamos dos mergulhos com o carro a cheirar a lavado e eu a tropeçar quase sempre no cabo do aspirador;

- o dia inteiro na praia da Foz do Arelho com água gelada, sol ou nuvens, ou frio, com sandes de queijo e caprisone

- os livros da condessa de ségur lidos em tardes solitárias em casa;

- os verões com os meus padrinhos e a minha irmã;

-as broas castelares caseiras feitas no dia do Natal dos Hospitais;

- o bacalhau com natas da mãe;

- a 1ª vez que furei as orelhas (presente de 10º aniversário, achei que ia estourar de felicidade);

- o baptizado da minha afilhada (que já tem 18 anos);

- os concertos dos Xutos e dos Trovante desde miuda;

- A roda da Sorte acompanhada pelo batido de chocolate home made no copo laranja da Tupperware;

- as conversas nocturnas com o Sérgio quando se pagava à noite apenas 1 impulso dentro da zona de residencia (não havia telemovel);

- sempre que via, vezes sem conta, o Rei dos Gazeteiros e o Regresso ao Futuro;

- o cheiro dos livros que descobria nas prateleiras lá de casa e que lia sem restrições ou o dia de chegada dos livros do Circulo de Leitores;

- a minha carteira que escolhi, da Benetton, com riscas verdes e azuis;

- a mochila azul da Chevignon, da qual nao me desfaço;

- os fins de dia na praia no Algarve até às 8H da noite e o gelado pós jantar;

- a manha de dia 25 de Dezembro (presentes!!!!!!!!!!!!!!!!!)

- andar atras da minha irmã como se fosse uma fã mas ela era tão gira e os rapazes passavam-se todos com ela; ela era tão "cool"

- as idas ao Sempre em Festa em Setembro para comprar o dossier, o estojo e o porta documentos da colecção nova, todos iguais;

- a companhia do Agora Escolha quando estive 3 meses de cama com a perna partida (ultimo periodo de aulas em casa...) e ganhava sempre ou o Barco do Amor ou o Remington Steele;

- almoçar na Tia Matilde (cabrito, off course);

- quando me disseram que eu nao era obrigada ir à Igreja, que nao tinha que ler a Biblia Ilustrada que me tinham oferecido e à qual achei uma idiotice e que podia escolher em acreditar no que quisesse ou nao acreditar sequer.

- andar ao colo do pai;

- o 1º dia de aulas, a descoberta de pessoas novas, os cadernos vazios à espera que as canetas coloridas derrapassem com saberes novos (esta foi-me passando...);

- quando me dedicaram o Blue Eyes (do Elton John) no programa nocturno da Radio Cidade (que coisa pirosa!!!)

- as sestas em criança, aquele soninho retemperador que não há igual;

- quando me diziam que ia ser alguem especial (deixava-me vaidosa, foi o que se viu! estas pessoas mentem para caraças às crianças);

- as ferias com a Filomena com mousses de chocolate feitas com Baileys, e enquanto comiamos divagavamos como tontas sobre como seria a nossa vida;

- o sentir-me o centro do universo, amada, mimada e ter a ideia que a vida ia ser como o meu sorriso cheio de alegria. E dizerem-me que eu era gira!!!

Back to Life, tentar superar dia a dia. Como nos AA's

Comentários

bpadinha disse…
O que mostra que não é que a vida tenha piorado: temos é a mania de abandonar a capacidade de ficar feliz com coisas pequenas. Por isso é que eu gosto da frase:

"The idea is to die young, as late as possible." -- Ashley Montague
João Dias de Pires disse…
O Rei dos Gazeteiros era muito bom.

Quem é que nunca quis ser como o Ferris Bueller?
Tigrão disse…
Grande Padinha! Essa é A frase! Manter aquele brilho traquinas nos olhos...
Por acaso nunca quis ser um qualquer Ferris desta vida. Mais um David Addison, e acho que à minha maneira até vou sendo...
Dia-a-dia é certo, mas sempre com um sorriso nos lábios enquanto se enfrenta os perigos/males desta vida (in Duarte & Companhia)
EduardoMata disse…
Muito bom!!!!

Rei dos Gazeteiros...xiiiiiiiiiii...
Luisinho disse…
Nem mais Bruno!
Há anos que te vejo carregar esse lema, o qual eu próprio tento fazer dele o meu modo de vida!
Mónica disse…
padinha da la uns cursos
q me sinto mt cansada / sem idade definida

Mensagens populares deste blogue

gaja à beira da loucura

Isto pode paracer a demência absoluta mas já estou por tudo. A Alexandra Solnado (isso mesmo, este post vai por esse caminho...) dizia numa entrevista, há umas semanas, ao promover o seu mais recente "livro" que a maioria das pessoas que lhe aparecem para consultas, são pessoas doentes - jura?!
Agora, a sério, as pessoas padecem de doenças fisicas e, no seu desespero, que nem é discutivel porque cada um saberá o que se sente quando se chega a esse patamar, procuram ajuda ou conforto no projecto da Alexandra Solnado (é assim que se chama). Posto isto, explicava a Alexandra Solnado que as doenças são, não obstante, reflexos de outros problemas mais antigos ou e a outros níveis. Não me recordo dos exemplos que ela dava mas era algo como pessoas que tinham tido muitos desgostos e uma vida marcada pela tristeza, desenvolviam uma doença grave em especifico, localizada numa área do corpo em particular. 
Ora, e dando o beneficio da duvida a esta teoria (pois que temos a perder?), gosta…

Inesperadamente, a semana passada

Uns dias bons.
O  25 de Abril. Comer caracóis, os primeiros deste ano. Passear e trabalhar no Porto, deambular nos Clérigos. Diariamente, sessões de The Newsroom e Melhor do Que Falecer. O Pedro Mexia e os ferrinhos na emissão especial do Governo Sombra (e a banda sonora e a Manuela Azevedo e as citações certeiras de Salazar bem seleccionadas por Ricardo Araujo Pereira). O Benfica, tão grande! Opá, o Benfica ❤️

A importância de se chamar Candidato

Numa altura em que as empresas recorrem cada vez mais às redes sociais para procurar candidatos a postos de trabalho (89%) e que 65% por cento é bem-sucedida, conseguindo contratações satisfatórias (Fonte: PR Comunicácion) convinha que as empresas de recrutamento e de executive search pensassem um bocadinho mais sobre o seu modus operandi.


Falo por experiência, por conhecimento e por não ter conseguido efectivar mudanças. 

O headhunter da velha guarda, armado em doutrina maquiavélica, que nunca leu, perspectiva o candidato como um meio para atingir um fim: facturar.  O candidato só serve enquanto servir os interesses do projecto. A satisfação do cliente é posta à frente de tudo e todos. Esta sobranceira linha de raciocínio,  a frio, tem alguma razão de ser. Quem paga as contas são os clientes. Como metodologia, é um erro crasso.
Num mercado concorrencial, um factor claramente diferenciador é a relação que se estabelece entre um consultor e os seus candidatos, pelo menos com aqueles que a…