Avançar para o conteúdo principal

se o dia a dia é "nhac",é bom ter memoria

Há quem reze. Ha quem medito (ja nao o faço ha uns tempos..., shame on me).

Eu vou fazer uma viagem pelas boas memorias da minha infância / adolescencia, coisas que me deixavam alegre:

- as idas ao Domingo de manhã ao antigo Estádio da Luz para ir á piscina e o pai deixar o carro a limpar nas bombas da Shell. Depois regressavamos dos mergulhos com o carro a cheirar a lavado e eu a tropeçar quase sempre no cabo do aspirador;

- o dia inteiro na praia da Foz do Arelho com água gelada, sol ou nuvens, ou frio, com sandes de queijo e caprisone

- os livros da condessa de ségur lidos em tardes solitárias em casa;

- os verões com os meus padrinhos e a minha irmã;

-as broas castelares caseiras feitas no dia do Natal dos Hospitais;

- o bacalhau com natas da mãe;

- a 1ª vez que furei as orelhas (presente de 10º aniversário, achei que ia estourar de felicidade);

- o baptizado da minha afilhada (que já tem 18 anos);

- os concertos dos Xutos e dos Trovante desde miuda;

- A roda da Sorte acompanhada pelo batido de chocolate home made no copo laranja da Tupperware;

- as conversas nocturnas com o Sérgio quando se pagava à noite apenas 1 impulso dentro da zona de residencia (não havia telemovel);

- sempre que via, vezes sem conta, o Rei dos Gazeteiros e o Regresso ao Futuro;

- o cheiro dos livros que descobria nas prateleiras lá de casa e que lia sem restrições ou o dia de chegada dos livros do Circulo de Leitores;

- a minha carteira que escolhi, da Benetton, com riscas verdes e azuis;

- a mochila azul da Chevignon, da qual nao me desfaço;

- os fins de dia na praia no Algarve até às 8H da noite e o gelado pós jantar;

- a manha de dia 25 de Dezembro (presentes!!!!!!!!!!!!!!!!!)

- andar atras da minha irmã como se fosse uma fã mas ela era tão gira e os rapazes passavam-se todos com ela; ela era tão "cool"

- as idas ao Sempre em Festa em Setembro para comprar o dossier, o estojo e o porta documentos da colecção nova, todos iguais;

- a companhia do Agora Escolha quando estive 3 meses de cama com a perna partida (ultimo periodo de aulas em casa...) e ganhava sempre ou o Barco do Amor ou o Remington Steele;

- almoçar na Tia Matilde (cabrito, off course);

- quando me disseram que eu nao era obrigada ir à Igreja, que nao tinha que ler a Biblia Ilustrada que me tinham oferecido e à qual achei uma idiotice e que podia escolher em acreditar no que quisesse ou nao acreditar sequer.

- andar ao colo do pai;

- o 1º dia de aulas, a descoberta de pessoas novas, os cadernos vazios à espera que as canetas coloridas derrapassem com saberes novos (esta foi-me passando...);

- quando me dedicaram o Blue Eyes (do Elton John) no programa nocturno da Radio Cidade (que coisa pirosa!!!)

- as sestas em criança, aquele soninho retemperador que não há igual;

- quando me diziam que ia ser alguem especial (deixava-me vaidosa, foi o que se viu! estas pessoas mentem para caraças às crianças);

- as ferias com a Filomena com mousses de chocolate feitas com Baileys, e enquanto comiamos divagavamos como tontas sobre como seria a nossa vida;

- o sentir-me o centro do universo, amada, mimada e ter a ideia que a vida ia ser como o meu sorriso cheio de alegria. E dizerem-me que eu era gira!!!

Back to Life, tentar superar dia a dia. Como nos AA's

Comentários

bpadinha disse…
O que mostra que não é que a vida tenha piorado: temos é a mania de abandonar a capacidade de ficar feliz com coisas pequenas. Por isso é que eu gosto da frase:

"The idea is to die young, as late as possible." -- Ashley Montague
João Dias de Pires disse…
O Rei dos Gazeteiros era muito bom.

Quem é que nunca quis ser como o Ferris Bueller?
Tigrão disse…
Grande Padinha! Essa é A frase! Manter aquele brilho traquinas nos olhos...
Por acaso nunca quis ser um qualquer Ferris desta vida. Mais um David Addison, e acho que à minha maneira até vou sendo...
Dia-a-dia é certo, mas sempre com um sorriso nos lábios enquanto se enfrenta os perigos/males desta vida (in Duarte & Companhia)
EduardoMata disse…
Muito bom!!!!

Rei dos Gazeteiros...xiiiiiiiiiii...
Luisinho disse…
Nem mais Bruno!
Há anos que te vejo carregar esse lema, o qual eu próprio tento fazer dele o meu modo de vida!
Mónica disse…
padinha da la uns cursos
q me sinto mt cansada / sem idade definida

Mensagens populares deste blogue

Da alegria

Gosto desses olhos que se iluminam e que pausam em mim como se nada mais existisse naquele longo momento. Esse olhar decidido, seguro, revelador de um modo de estar ciente do que se quer e descomplicado.
Fazes-me rir. Como se o mundo fosse fácil. Como se salvar-me das trevas não fosse uma missão mas sim manter-me saciada, livre, às gargalhadas, serena e em silencio, a ler com as pernas esticadas sobre ti.

Gosto das madrugadas de surf, mesmo ao frio. Dos beijos salgados e daquele teu cheiro misturado com água gelada. O cheiro que ainda hoje me faz ficar apreensiva, receosa, quando acordo a meio da noite e te ouço a respirar devagarinho e aquele cheiro está encostado a mim. E como aquele cheiro me apareceu e inundou de alegria.

A importância de se chamar Candidato

Numa altura em que as empresas recorrem cada vez mais às redes sociais para procurar candidatos a postos de trabalho (89%) e que 65% por cento é bem-sucedida, conseguindo contratações satisfatórias (Fonte: PR Comunicácion) convinha que as empresas de recrutamento e de executive search pensassem um bocadinho mais sobre o seu modus operandi.


Falo por experiência, por conhecimento e por não ter conseguido efectivar mudanças. 

O headhunter da velha guarda, armado em doutrina maquiavélica, que nunca leu, perspectiva o candidato como um meio para atingir um fim: facturar.  O candidato só serve enquanto servir os interesses do projecto. A satisfação do cliente é posta à frente de tudo e todos. Esta sobranceira linha de raciocínio,  a frio, tem alguma razão de ser. Quem paga as contas são os clientes. Como metodologia, é um erro crasso.
Num mercado concorrencial, um factor claramente diferenciador é a relação que se estabelece entre um consultor e os seus candidatos, pelo menos com aqueles que a…

I shine

Kiss me before you break my heart. There is still room to be damaged for every breath I take on myself and for myself. I regain confidence on me on every touch of you, even those that will be lost. 
The shivers running down on my spine awaken me and allow me to make you feel stronger, bolder, in love with life. 
I expand my senses while you will torn my world apart. We are under the same sky but I am meant to be a trail of light rather than a guiding star. 
I will burn your soul and you will break my heart. Yet I shine. So, kiss me and let's pretend.