Avançar para o conteúdo principal

silly season

Não falo nem do Chão da Lagoa nem da Festa do Pontal; nem da Maya em TODO o lado (a mulher é omnipresente). Irei apresentar os meus achados da silly season:

1. apesar do tradicional menor transito em Lisboa na 1ª quinzena de Agosto, todos os dias vi 2 a 3 acidentes... não, não somos nada maus a conduzir. Marques de Pombal e Entrecampos, imbativeis na liderança do ranking;

2. O Liedson conseguiu a legalização em tempo recorde. Milhares de outros desgraçados em condições precárias esperam e desesperam pela legalização para conseguirem endireitar a vida no novo pais, e aquele cabrão consegue num ápice. Só mesmo neste país virado para o futebol, que se escandaliza pelo amarelo ao Vujkevic (quando é uma regra, estupida, mas é 1 regra do trabalho dele). É por estas coisas que a Selecção Nacional me é perfeitamente indiferent.

Mas já que se aplicam estas naturalizações rápidas, dá para aplicar criterios relevantes tipo, o aspecto? É que para gente feia e no Sporting já basta o Djalózinho e a Manicure Lucy;

3. O CR) teve virus gripal (vi num cartoon CR9NI) o que não é de espantar dado que quando se lida com porcas. Quelle surprise;

4. o Funchal é uma das cidades europeias com melhor qualidade de vida. Relembro que os cubanos pagam parte dessa qualidade de vida. Também concordo que se está bem no Funchal apesar do AJJ e de alguma tendencia para o showoff. No entanto, no Funchal o cartão de utente que funciona em TODO Portugal não é aceite nas farmácias. Independentizaram-se e nós não demos por nada por entre os incomios rasgados (por quanto tempo) do AJJ á Srª do Colar de Perolas? Sendo assim, são europeus? Ou apenas madeirenses?

5. Last but not least... as mamas novas da Matilde Mourinho como capa de revista.

Yo go, Girl! Admito, com mtª pena, a inveja daquele corpinho todo jeitoso. Dispensava o silicone mas há que reconhecer que a "Choco Frrito " está papável.

'Miga, fizeste muitissimo bem. Estas um bom pedaço (sem o ar ordinarote da Claudia Jacques), caso te divorcies as mamas ele já não tas leva (vide Filipa DE Castro), o trabalho aparentemente ficou bem feito e caso ele te traia, podes sempre arranjar um italiano giraço que te suspire ao ouvido; "Mamma mia, que donna!"

Comentários

Tigrão disse…
Tammy girl = o dobro da prateleira, o dobro do charme.
Monica disse…
ora aí está, mai nada!!!

Mensagens populares deste blogue

gaja à beira da loucura

Isto pode paracer a demência absoluta mas já estou por tudo. A Alexandra Solnado (isso mesmo, este post vai por esse caminho...) dizia numa entrevista, há umas semanas, ao promover o seu mais recente "livro" que a maioria das pessoas que lhe aparecem para consultas, são pessoas doentes - jura?!
Agora, a sério, as pessoas padecem de doenças fisicas e, no seu desespero, que nem é discutivel porque cada um saberá o que se sente quando se chega a esse patamar, procuram ajuda ou conforto no projecto da Alexandra Solnado (é assim que se chama). Posto isto, explicava a Alexandra Solnado que as doenças são, não obstante, reflexos de outros problemas mais antigos ou e a outros níveis. Não me recordo dos exemplos que ela dava mas era algo como pessoas que tinham tido muitos desgostos e uma vida marcada pela tristeza, desenvolviam uma doença grave em especifico, localizada numa área do corpo em particular. 
Ora, e dando o beneficio da duvida a esta teoria (pois que temos a perder?), gosta…

Inesperadamente, a semana passada

Uns dias bons.
O  25 de Abril. Comer caracóis, os primeiros deste ano. Passear e trabalhar no Porto, deambular nos Clérigos. Diariamente, sessões de The Newsroom e Melhor do Que Falecer. O Pedro Mexia e os ferrinhos na emissão especial do Governo Sombra (e a banda sonora e a Manuela Azevedo e as citações certeiras de Salazar bem seleccionadas por Ricardo Araujo Pereira). O Benfica, tão grande! Opá, o Benfica ❤️

A importância de se chamar Candidato

Numa altura em que as empresas recorrem cada vez mais às redes sociais para procurar candidatos a postos de trabalho (89%) e que 65% por cento é bem-sucedida, conseguindo contratações satisfatórias (Fonte: PR Comunicácion) convinha que as empresas de recrutamento e de executive search pensassem um bocadinho mais sobre o seu modus operandi.


Falo por experiência, por conhecimento e por não ter conseguido efectivar mudanças. 

O headhunter da velha guarda, armado em doutrina maquiavélica, que nunca leu, perspectiva o candidato como um meio para atingir um fim: facturar.  O candidato só serve enquanto servir os interesses do projecto. A satisfação do cliente é posta à frente de tudo e todos. Esta sobranceira linha de raciocínio,  a frio, tem alguma razão de ser. Quem paga as contas são os clientes. Como metodologia, é um erro crasso.
Num mercado concorrencial, um factor claramente diferenciador é a relação que se estabelece entre um consultor e os seus candidatos, pelo menos com aqueles que a…