Avançar para o conteúdo principal

Totalmente politicamente incorrecto, mas não me calarei!

Lembro-me de há uns anos ler numa revista daquelas à séria uma entrevista a um reputado ginecologista / obstectra brasileiro (daqueles mesmo famosos) que dizia que a Natureza era particularmente cruel com a fêmea e que o parto, na sua forma "natural" era uma violencia para a femea e para a cria. E dava exemplos de animais cujos processos de parto são mesmo algo tremendamente doloroso e torturador. Escusado será dizer que este médico advogava coisas como a epidural ou as cesarianas, para as mulheres.

Passado uns tempos, num late zapping vi numa das edições de resumo do Big Brother dos Famosos um qualquer animal que eles tinham a parir (vaca, porca?) e juro que os 15 segundos que vi me deram pesadelos durante dias, tamanha era a violencia dos berros da pobre criatura em parto há dias!

Tudo isto para dizer que não entendo, jamais entenderei, a decisão (louca?) de uma apresentadora de TV, já com idade para gravidez de risco, em ter parto natural em casa...

Ok, a medicina parou no tempo?

É algum ritual de comunhão com a natureza (não nos esqueçamos que a Floribella falava com as árvores [agora fala (???) com Djalózinho, mas isso sao outros temas] e que passam 40 anos desde Woodstock pode ser uma forma de celebração)?

É querer ser diferente (adoptar crianças do 3º Mundo já está fora de moda?)?

Ah, é uma opção pessoal... ok, já entendi...

O que aconteceu é que essa opção pessoal se traduziu em 40 horas de parto -QUARENTA!!! - (bem feita), acabando a mãe na MAC para uma cesariana. Dada a sensibilidade da situação, deve ter passado á frente de outras que já lá estavam. Mas, ei, viva a opçao pessoal.

Em "n" partes do mundo, há mulheres que davam tudo o que tivessem e viessem a ter para conseguir um parto com menos riscos e menos dores e mais segurança para quem vai nascer. Esta gaja quis ser diferente. Há coisas que nunca vou entender. Juro!


PS. mães e futuras mães que achem lindo o parto natural de 40 horas, esqueçam, pois qualquer comentario que possam fazer NÃO me fará mudar de ideias. É uma idiotice. Sobretudo pelo sacrifico que imputa ao bébé.

Comentários

Eduardo Mata disse…
Eu diria mais, é uma verdadeira idiotice, mas o curioso disto tudo é que essas mesmas mulheres que agora aderem ou têm pretensão a aderir ao parto natural, são as primeiras a tomar um medicamento para dores de dentes, ou menstruais, ou dores de cabeça, ou outra dor qualquer... Com os avanços da medicina, não faz qualquer sentido!

A água também é natural no entanto muitas pessoas morrem afogadas! :-)

Mensagens populares deste blogue

gaja à beira da loucura

Isto pode paracer a demência absoluta mas já estou por tudo. A Alexandra Solnado (isso mesmo, este post vai por esse caminho...) dizia numa entrevista, há umas semanas, ao promover o seu mais recente "livro" que a maioria das pessoas que lhe aparecem para consultas, são pessoas doentes - jura?!
Agora, a sério, as pessoas padecem de doenças fisicas e, no seu desespero, que nem é discutivel porque cada um saberá o que se sente quando se chega a esse patamar, procuram ajuda ou conforto no projecto da Alexandra Solnado (é assim que se chama). Posto isto, explicava a Alexandra Solnado que as doenças são, não obstante, reflexos de outros problemas mais antigos ou e a outros níveis. Não me recordo dos exemplos que ela dava mas era algo como pessoas que tinham tido muitos desgostos e uma vida marcada pela tristeza, desenvolviam uma doença grave em especifico, localizada numa área do corpo em particular. 
Ora, e dando o beneficio da duvida a esta teoria (pois que temos a perder?), gosta…

Inesperadamente, a semana passada

Uns dias bons.
O  25 de Abril. Comer caracóis, os primeiros deste ano. Passear e trabalhar no Porto, deambular nos Clérigos. Diariamente, sessões de The Newsroom e Melhor do Que Falecer. O Pedro Mexia e os ferrinhos na emissão especial do Governo Sombra (e a banda sonora e a Manuela Azevedo e as citações certeiras de Salazar bem seleccionadas por Ricardo Araujo Pereira). O Benfica, tão grande! Opá, o Benfica ❤️

A importância de se chamar Candidato

Numa altura em que as empresas recorrem cada vez mais às redes sociais para procurar candidatos a postos de trabalho (89%) e que 65% por cento é bem-sucedida, conseguindo contratações satisfatórias (Fonte: PR Comunicácion) convinha que as empresas de recrutamento e de executive search pensassem um bocadinho mais sobre o seu modus operandi.


Falo por experiência, por conhecimento e por não ter conseguido efectivar mudanças. 

O headhunter da velha guarda, armado em doutrina maquiavélica, que nunca leu, perspectiva o candidato como um meio para atingir um fim: facturar.  O candidato só serve enquanto servir os interesses do projecto. A satisfação do cliente é posta à frente de tudo e todos. Esta sobranceira linha de raciocínio,  a frio, tem alguma razão de ser. Quem paga as contas são os clientes. Como metodologia, é um erro crasso.
Num mercado concorrencial, um factor claramente diferenciador é a relação que se estabelece entre um consultor e os seus candidatos, pelo menos com aqueles que a…