Avançar para o conteúdo principal

começar o fim de semana a RIR

1º, é sexta feira logo o mood anda mais para o espirituoso

  • Acabei de ver o Marco Caneira na sua apresentaçao como candidato a presidente da junta de freguesia de almargem do bispo... nada contra, a sério. Até simpatizo com o gajo. Juro. Mas alguem que lhe explique que nao pode falar em contexto politico com as mesmas palavras saidas de um flash interview após jogo... "Estamos a dar o nosso melhor", "equipa vencedora"? HELLO... 'migo, nao estás todo suado depois de andares atrás do esférico, a falar com um idiota qualquer que faz sempre as mesmas más perguntas.... Um esforcinho, vale? Não é a SportTV é uma Junta de Freguesia. Percebeste, Marco? Ou o mister faz um desenho?

  • Ainda em futebol, os Dinamarqueses estão bem mais à frente mas sao muito politicamente correctos. O "capitão" da Dinamarca, Jon Dahl Tomasson, provocou hoje Portugal, ao acusar, em tom de brincadeira, a equipa das "quinas" de "comprar" à pressa o Liedson no Brasil para suprir a necessidade de um ponta-de-lança. Teve piada e é verdade, porque raio há-de vir a federaçao dinamarquesa pedir desculpa? Nao se pode dizer a verdade?

  • Mantendo-me no futebol, hoje estou mesmo pra aí virada, o Pedro Ribeiro disse hoje que uma das potenciais razoes do amuo do Rochemback foi o aumento do preço da picanha... muito bom. Nao tão bom como as piadas ao Angulo na Benfica TV mas felizmente o Pedro Ribeiro nao é o inanarrável Quimbé, logo também não vai pelo caminho ordinarote (mas com piada, admito apesar de achar que o Quimbé devia ir ali ao burkina faso e não voltar)

  • as autoridades reguladoras, a associaçao de jornalistas, os criticos, os especialistas, os outros jornalistas, de outros canais, onde estava esta cambada toda quando a linha informativa da TVI era continuadamente sensacionalista, pouco informativa e especulativa, culminando com o Jornal de Sexta que deveria violar umas quantas regras deontologicas da profissao de jornalista? Tipo reportar, informar, expor factos vs. criticar, julgar, denegrir? senhores, nao ha jornalismo de investigaçao em Portugal, muito menos na TVI (até a imprensa local é melhor). A MMG devia ter um programa dela tipo cronicas para desabafar e dizer o que lhe apetecesse. Como pivot de um jornal nacional tem a OBRIGAÇAO de ser profissional. Não o era. Emitia opinioes, acusava tudo e todos, e sempre com discurso de que era o "beacon" da verdade.

Como a MMG era o meu idolo de meninice (foi por causa dela que 1 dia queria ser jornalista), decepciona-me muito. Mas é de rir as reacções e o escandalo. Aquilo era uma merda. Livra, é dificil de perceber? E mesmo a riqueza de informaçóes que podem durante anos ter descoberto perde credibilidade quando depois elas são expostas assim.

  • and now for someting completely different... a mulher do Cabeleira, capa da FHM deste mês... ja é tema da semana passada mas ainda me dá vontade de rir. Durante muitos concertos dos Xutos achei que o Cabeleira se passara para o lado do Senhor e ninguem o avisara; ou estava num estado de morto-vivo. Ele nao se deve ter apercebido da existencia de telemoveis, da Internet, da TV Cabo, de que o santana lopes foi 1º ministro por uns dias... De repente, acordou, passou a mexer-se em palco e, bum, casou com uma louraça com 2 piercings (1 deles num sitio "fonte de vida e prazer"), de sua profissão dançarina de espaços nocturnos e concentrações motards e também do varão, que humildemente assume que limpa a casa toda nua só com saltos altos (trabalhadeira a moça para os seus 24 anos, não???). Conclusão: o Cabeleira passou do Rock para as Drugs e, por fim, encontrou a luz e entregou-se ao Sex. Como pode não se venerar uma banda assim?

Comentários

Tigrão disse…
Gostei!
Espirituoso, avassalador, contundente.
Tigrão disse…
A equipa tá a dar a volta por cima. Tivémos uma primeira parte menos conseguida, mas mormente derivado dos passes de ruptura penso que está a ser dada uma resposta cabal a todos quantos criticavam o nosso trabalho.
Mónica disse…
é tudo uma questão técnico táctica... Em linguagem Machadez "Diziamos eu"...

Mensagens populares deste blogue

Do acosso

Este calor que se abateu com uma força agressiva consome qualquer resistência. O suor clandestino esbate vergonha e combate qual sabre as dúvidas. 
A noite feita à medida de libertinos cancela as vozes interiores que alertam para mais uma queda dolorosa. A brisa quente atordoa, embriaga no contacto com a pele. O tempo pára, as palavras suspendem entre olhares que sustentam no ar tórrido toda a narrativa; qual pornografia sem mácula, mas plena de pecado. A lua cheia transborda e dá luz à ausência de sanidade que percorre no corpo. Tudo parece possível, uma corrente de liberdade atravessa-nos com o sabor do quente esmagado.
E, mesmo assim, pulsa algo mais intenso. Mais derradeiro. Mais dominador. Mais perverso que o toque dos dedos. Mais agressivo que a temperatura irrespirável. O freio da impossibilidade. 
A intuição luta com o medo e na arena o medo mesmo que picado tem sempre muita força. O medo acossa-nos.

Das pequenas coisas

Talvez sejam as pequenas coisas. Como uma música que se ouve por acaso e se torna uma descoberta que nos marca um trânsito. Como um gelado fora de horas e com o sabor simplesmente certo de caramelo tal qual na nossa infância. Como aquele instante rápido entre fazer-nos à onda e o mar que nos toma por completo, nos restitui a energia e nos devolve ao mundo.
Terão que ser as pequenas coisas. A partir delas, tudo se enreda e o equilibro pesa para o complicado. Sinuosos os caminhos para que nos encontremos. Doloroso o andamento que faz que nos afastemos mais do que estejamos próximos mesmo quando tudo aponta para que haja uma cumplicidade e uma ligação súbita mas forte e consistente.
O toque é denunciador. Desmantela as forças e faz sucumbir com tamanho ardor. O beijo que transporta silêncio, paz, meta. O abraço que acolhe uma gargalhada e o estranho sentido de que tudo está bem.
São estas pequenas coisas. Que são fáceis e leves e perenes. Tão frágeis. Acabam tão depressa. Nada há-de ser …

Dos maldiitos

via boudoir photography

Agora acordo com mensagens que iluminam o telemóvel e em que dás conta de como pensas em mim antes de dormir. E que o queres partilhar comigo porque agora sentes saudades minhas. Agora recebo telefonemas sem hora nem expectativa e a voz é meiga e quente. Não ouço nada do que dizes, as palavras apenas são ditas mas há muito que já não têm peso ou impacto.
Antes foi a indecisão. O jogo dos que não se comprometem, que querem atalhos facilitados para um espaço confortável de repouso, salvação emocional momentânea, ilusão de pertença. Egoísta forma de ser que suga o querer dos outros para se sustentar, para sentir uma rede rápida de carinho e abraço mas que reclama para si a indisponibilidade de reciprocidade. Para quê? Se vos é dado grátis um sentimento para que serve o esforço de lutar por ele, qual o propósito de envolvimento, de estar, dar a mão, partilhar silêncios e perder a possibilidade de ter mais e mais, melhor, diferente, sempre mais, outras.
Era assim, ante…