Avançar para o conteúdo principal

Dá para calar estas gajas???

A politica anda a envergonhar o gajedo ou melhor há aí umas quantas gajas (tipo eu) que gostariam de ver umas putativas gajas bem caladinhas porque o nivel de debate politico neste país já é a tristeza franciscana que se sabe:

Razões:
  • a falta de qualidade dos so called politicos,
  • a pobreza das ideias,
  • e os jornalistas a perguntarem o expectável... (às vezes o efeito surpresa podia ser giro... aqueles debates são uma seca pq os temas são sempre os mesmos...)

Mas voltando às gajas ...

1) a MFL fala e fala da asfixia e depois quase se auto-asfixia (será que é algum fetiche erótico?) com o tema Madeira... Como ela própria disse, "os madeirenses são pessoas como nós, não são estranhos!" e na Madeira não há "defice democratico" ... Drª MFL, a sua coerência espanta-me. O AJJ não é estranho? Ai, new look, o mesmo colar, o mesmo disparate

2) a Joana Amaral Dias, com o seu ar de superioridade intelectual, aquela pose de quem se vivesse em Paris usaria boina, baguette debaixo do braço e recitaria poesia de baixo nivel... ofendida que nem virgem pelo aproveitamento politico que o presidente do partido que ela milita fez do putativo convite do PS à dama loura... Mas a "senhora" esqueceu-se que quem veio falar dessa merda foi ela? É assim tão parva que achava que em momento eleitoral, o Louçã não ia aproveitar isso? Ela está na politica ou a brincar às Barbies? Ou somente, fazer o pessoal de parvo, atirando o peito pra frente (piadinha.........) com esta lata toda ...

3) não sei o que se passa com o PS. Mas algo vai mal no Rato.

É que se o PSD tem a MMF e seu colar de perolas, netos e o Antonio Preto ... o PS arrojou e vai buscar como mandatária uma rapariga mais comnhecida pelo nalguedo e pelos caroços das cerejas e, PIOR, o drama TOTAL... Pró Seixal, a Mandatária da Juventude do candidato à camara é a FILIPA DE CASTRO (ver aqui).

Belisquem-me, deem-me estalos... há politicos movidos pela influencia e poder e dinheiro... este deve ser pela pila. Atentemos às perolas da mandatária:

- não sabe as datas das eleições (!!!). O candidato, Samuel Cruz, defendeu-a: 'O mandatário da juventude representa-nos perante uma camada da população, portanto, quem tem obrigação de responder àquelas perguntas mais complicadas [data eleições= complicado], como quantos habitantes tem o concelho do Seixal."

- no 5 pra Meia Noite da semana passada foi literalmente gozada pelo Alvim e por um porteiro de discoteca chamado D' Artagnan: nao entendia as piadas, nao sabia quais os bares do BA (ate eu sei) mas conhecia o Gallery, e, fantastico, "sobre o seu casamento foi simples, seguido de um almoço e o marido foi treinar". Pergunta do Alvim: "Contigo?"... Acham que ela percebeu?

Resumidamente, 2 questões:

- Socrates mandou calar a MMG mas depois deixa à solta estas cabeças povoadas de ar rarefeito. Fizeram um casting tipo Morangos com Açucar pra Mandatária? Quem virá a seguir, a Ana Malhoa? A loura suburbana do programa do Goucha? A Liliana Queiros?

- ja nao bastava o santana lopes pro disparate e pra incoerencia politica, ainda temos que ter estas tipas a dar maus exemplos??? CALEM-SE, sff.

Voto em branco, lá está!!!

Comentários

João Dias de Pires disse…
De facto, ao Sócrates já não lhe bastava ele próprio. Depois veio a Carolina Patrocinio. Agora, Filipa de Castro. Ana Malhoa seria a cereja no topo do bolo.

A julgar pela "amostra" imagino onde vai ser a comemoração da (possível) vitória...

Ah, já agora: não se esqueçam do Sá Leão.
Tigrão disse…
Concordo!
Mas em vez da Malhoa, metia as 24 rosas no meio do farto peitoral da Liliana Queirós e juntando-a às outras e ao palhacito (elogio) de lenço na tola, seguia-se para o Night&Day que me parece adequar-se mais aos perfis...
A coisa estava a piorar com as inclusões das meninas licenciadas e politizadas (Drago + Amaral Dias), mas agora melhorou e de que maneira!
:)

Mensagens populares deste blogue

Dos maldiitos

via boudoir photography

Agora acordo com mensagens que iluminam o telemóvel e em que dás conta de como pensas em mim antes de dormir. E que o queres partilhar comigo porque agora sentes saudades minhas. Agora recebo telefonemas sem hora nem expectativa e a voz é meiga e quente. Não ouço nada do que dizes, as palavras apenas são ditas mas há muito que já não têm peso ou impacto.
Antes foi a indecisão. O jogo dos que não se comprometem, que querem atalhos facilitados para um espaço confortável de repouso, salvação emocional momentânea, ilusão de pertença. Egoísta forma de ser que suga o querer dos outros para se sustentar, para sentir uma rede rápida de carinho e abraço mas que reclama para si a indisponibilidade de reciprocidade. Para quê? Se vos é dado grátis um sentimento para que serve o esforço de lutar por ele, qual o propósito de envolvimento, de estar, dar a mão, partilhar silêncios e perder a possibilidade de ter mais e mais, melhor, diferente, sempre mais, outras.
Era assim, ante…

Do arrebatamento

O vestido caiu facilmente. Estava apenas preso pelas alças nos ombros magros e deslizou com vontade declarada pelo corpo, até ao chão, enquanto ela acendia uma única luz de presença.

Beijou-lhe o ventre. Sentiu-o a tremer. Antecipação. Expectativa. Sentia-lhe o calor sem sequer tocar. Era como uma fonte inesgotável de desejo prestes a desmoronar-se com um toque. Os dedos enfiaram-se entre a pele e a linha das cuecas de renda fazendo-as sair com mestria. Estava liberta, da máscara de tecidos, não das demais camadas de protecção. Tal não a impedia de arfar baixinho e com satisfação sob um rosto que perdia vergonha a cada caída da cabeça para trás.


Nua, encostada à parede fria, costas arqueadas, totalmente exposta viu-a a desmontar-se com cuidado ao primeiro beijo que se colou à boca como dali não houvera saída. Era intenso, forte, penetrante o modo como ela o arrastava para si com a língua e uma perna em torno da cintura.


Todo aquele momento era primário, selvagem, sem travões ainda que, e…

Das razões

Quero-te pela desarrumação incompreensível que somos. Quero-te pela forma como me procuras à noite na cama, ainda a dormir, de modo instintivo, apenas para te recostares do mundo e amaciares no meu calor. Quero-te (tanto) quando sais do mar, feliz e salgado, qual criança livre agarrado à prancha como se fosse o teu bem mais precioso, a tua melhor amiga, a porta para o teu refúgio. Quero-te pelos beijos inesperados, lentos, que invadem qual descarga eléctrica, e afirmam sem hesitações desejo e amor. Quero-te pela forma como te afundas num livro e tudo à volta entra em pause-still e, mesmo assim, de repente tocas-me no joelho, no cabelo, dás-me a mão. Quero-te porque sei que acreditas em mim e não me questionas, crês que posso mudar o mundo. Quero-te pela tesão, confiança, cumplicidade e pelas saudades que temos, ainda, sempre, um do outro. Quero-te por te rires quando começo a cantar músicas que gosto e ouço a tocar, esteja onde esteja. Quero-te por dançarmos na rua se preciso entre ga…