Avançar para o conteúdo principal

O meu sobrinho, o sócio 188 e qualquer coisa...

Primeiro, o choque. Ía morrendo com uma pipoca entalada na garganta quando soube, naquela fatidica noite do SLB - Academica época 2008/2009 (não recapitulemos o resultado!).

Soube, assim, como quem me comenta que está frio, que ía nascer mais um membro da nação benfiquista. Nem me lembro da segunda parte do jogo (também é para esquecer), tamanha foi a dimensão da noticia. O meu melhor amigo, de há 18 anos, ía ser pai. Demasiado adulto. Não, não, não. Os 30 anos são os novos 20. Ter um filho é para pessoas mais velhas. Mas eu sou mais velha que o futuro pai. E não tenho relógio biológico (deve ser por isso que gosto tanto de relogios normais!!!).

Depois, a alegria. Afinal é uma coisa boa. Uma criança (desde que não seja uma peste barulhenta e mimada) é sempre um elemento adorável. E foi giro ver a barriga crescer (ok, também não cresceu muito... estas mães modernas que ficam elegantes!!! RAIVA) e aproximar-se o dia.

E comprar coisas para o feto que se transforma num puto com um putativo nome que não lembrava ao Diabo (ainda hoje voto em Vicente ou Vasco!). A primeira vez que entrei numa loja para bébés, assustei-me. Ir ás compras e sentir-me perdida não é o meu género. Compras são o meu habitat natural. Não para bébés, pelo que me apercebi. Mas foi-me habituando e há coisas lindas de morrer, que apetece comprar, comprar, comprar!!!

Por fim, a paixão.

O Pedro nasceu. O Pedro é o máximo. É saudável, bem disposto, calminho, dá turras, dá mimos e passeia de colo em colo como se nada fosse. É adorável.

Quando chora (quando sai do banho, por exemplo) parece mesmo um mini-buda. É tão parecido com o pai no seu orientalismo. Quando está sério a observar e a descobrir coisas, é igual à mãe. Quando se ri, parece o Tio Luis.

O Pedro é fantástico. Adora comer (livra!). Já descobriu que tenho cabelos compridos, colares, pulseiras e relogios para puxar.

Tê-lo nos braços é como ter uma parte da minha vida ao vivo e a cores. Porque o pai do Pedro é um capitulo da minha vida que continua a ser escrito.

O Pedro fica tão bem com o cachecol do SLB, vai amar Xutos, vai-me chamar Tia. Vai dizer que gosta de mim (nem qe«ue sej á força de excesso de presentes) e dar-me abracinhos.

O Pedro foi das poucas coisas boas que me aconteceram neste ultimo ano.

O Pedro faz hoje 10 meses. E eu fico tão feliz só de olhar para ele.

Comentários

Rita disse…
Querida tia Mónica:

Obrigada por gostares tanto de mim! Eu também gosto muito de ti. É por isso que te puxo os cabelos, os colares, sorrio e me babo tanto para ti. Sinto-me feliz quando vou ao teu colo e me trazes presentes. Obrigada por seres minha tia. Agora fico à espera do post do meu 1.º aniversário.

Beijinhos.

Pedro

PS: Quando é que me arranjas uma Maria do Carmo para brincar? :-)
Anónimo disse…
Depois de ler este post fiquei com a certeza de 2 coisas:

a primeira é que és uma pessoa linda, linda e que mereces tudo de bom (nada de novo, claro!)

a segunda, é que afinal o teu relógio biológico existe e está a dar sinal ;)

Bjinhos grandes
IL
Anónimo disse…
O pai do Pedro agradece o post! :-) E convoca desde já a tia Mónica para ir festejar com o sobrinho o título de campeão do Glorioso lá mais para Maio de 2010 ;-)

Selbo

Mensagens populares deste blogue

A importância de se chamar Candidato

Numa altura em que as empresas recorrem cada vez mais às redes sociais para procurar candidatos a postos de trabalho (89%) e que 65% por cento é bem-sucedida, conseguindo contratações satisfatórias (Fonte: PR Comunicácion) convinha que as empresas de recrutamento e de executive search pensassem um bocadinho mais sobre o seu modus operandi.


Falo por experiência, por conhecimento e por não ter conseguido efectivar mudanças. 

O headhunter da velha guarda, armado em doutrina maquiavélica, que nunca leu, perspectiva o candidato como um meio para atingir um fim: facturar.  O candidato só serve enquanto servir os interesses do projecto. A satisfação do cliente é posta à frente de tudo e todos. Esta sobranceira linha de raciocínio,  a frio, tem alguma razão de ser. Quem paga as contas são os clientes. Como metodologia, é um erro crasso.
Num mercado concorrencial, um factor claramente diferenciador é a relação que se estabelece entre um consultor e os seus candidatos, pelo menos com aqueles que a…

Da alegria

Gosto desses olhos que se iluminam e que pausam em mim como se nada mais existisse naquele longo momento. Esse olhar decidido, seguro, revelador de um modo de estar ciente do que se quer e descomplicado.
Fazes-me rir. Como se o mundo fosse fácil. Como se salvar-me das trevas não fosse uma missão mas sim manter-me saciada, livre, às gargalhadas, serena e em silencio, a ler com as pernas esticadas sobre ti.

Gosto das madrugadas de surf, mesmo ao frio. Dos beijos salgados e daquele teu cheiro misturado com água gelada. O cheiro que ainda hoje me faz ficar apreensiva, receosa, quando acordo a meio da noite e te ouço a respirar devagarinho e aquele cheiro está encostado a mim. E como aquele cheiro me apareceu e inundou de alegria.

I shine

Kiss me before you break my heart. There is still room to be damaged for every breath I take on myself and for myself. I regain confidence on me on every touch of you, even those that will be lost. 
The shivers running down on my spine awaken me and allow me to make you feel stronger, bolder, in love with life. 
I expand my senses while you will torn my world apart. We are under the same sky but I am meant to be a trail of light rather than a guiding star. 
I will burn your soul and you will break my heart. Yet I shine. So, kiss me and let's pretend.