Avançar para o conteúdo principal

O meu sobrinho, o sócio 188 e qualquer coisa...

Primeiro, o choque. Ía morrendo com uma pipoca entalada na garganta quando soube, naquela fatidica noite do SLB - Academica época 2008/2009 (não recapitulemos o resultado!).

Soube, assim, como quem me comenta que está frio, que ía nascer mais um membro da nação benfiquista. Nem me lembro da segunda parte do jogo (também é para esquecer), tamanha foi a dimensão da noticia. O meu melhor amigo, de há 18 anos, ía ser pai. Demasiado adulto. Não, não, não. Os 30 anos são os novos 20. Ter um filho é para pessoas mais velhas. Mas eu sou mais velha que o futuro pai. E não tenho relógio biológico (deve ser por isso que gosto tanto de relogios normais!!!).

Depois, a alegria. Afinal é uma coisa boa. Uma criança (desde que não seja uma peste barulhenta e mimada) é sempre um elemento adorável. E foi giro ver a barriga crescer (ok, também não cresceu muito... estas mães modernas que ficam elegantes!!! RAIVA) e aproximar-se o dia.

E comprar coisas para o feto que se transforma num puto com um putativo nome que não lembrava ao Diabo (ainda hoje voto em Vicente ou Vasco!). A primeira vez que entrei numa loja para bébés, assustei-me. Ir ás compras e sentir-me perdida não é o meu género. Compras são o meu habitat natural. Não para bébés, pelo que me apercebi. Mas foi-me habituando e há coisas lindas de morrer, que apetece comprar, comprar, comprar!!!

Por fim, a paixão.

O Pedro nasceu. O Pedro é o máximo. É saudável, bem disposto, calminho, dá turras, dá mimos e passeia de colo em colo como se nada fosse. É adorável.

Quando chora (quando sai do banho, por exemplo) parece mesmo um mini-buda. É tão parecido com o pai no seu orientalismo. Quando está sério a observar e a descobrir coisas, é igual à mãe. Quando se ri, parece o Tio Luis.

O Pedro é fantástico. Adora comer (livra!). Já descobriu que tenho cabelos compridos, colares, pulseiras e relogios para puxar.

Tê-lo nos braços é como ter uma parte da minha vida ao vivo e a cores. Porque o pai do Pedro é um capitulo da minha vida que continua a ser escrito.

O Pedro fica tão bem com o cachecol do SLB, vai amar Xutos, vai-me chamar Tia. Vai dizer que gosta de mim (nem qe«ue sej á força de excesso de presentes) e dar-me abracinhos.

O Pedro foi das poucas coisas boas que me aconteceram neste ultimo ano.

O Pedro faz hoje 10 meses. E eu fico tão feliz só de olhar para ele.

Comentários

Rita disse…
Querida tia Mónica:

Obrigada por gostares tanto de mim! Eu também gosto muito de ti. É por isso que te puxo os cabelos, os colares, sorrio e me babo tanto para ti. Sinto-me feliz quando vou ao teu colo e me trazes presentes. Obrigada por seres minha tia. Agora fico à espera do post do meu 1.º aniversário.

Beijinhos.

Pedro

PS: Quando é que me arranjas uma Maria do Carmo para brincar? :-)
Anónimo disse…
Depois de ler este post fiquei com a certeza de 2 coisas:

a primeira é que és uma pessoa linda, linda e que mereces tudo de bom (nada de novo, claro!)

a segunda, é que afinal o teu relógio biológico existe e está a dar sinal ;)

Bjinhos grandes
IL
Anónimo disse…
O pai do Pedro agradece o post! :-) E convoca desde já a tia Mónica para ir festejar com o sobrinho o título de campeão do Glorioso lá mais para Maio de 2010 ;-)

Selbo

Mensagens populares deste blogue

gaja à beira da loucura

Isto pode paracer a demência absoluta mas já estou por tudo. A Alexandra Solnado (isso mesmo, este post vai por esse caminho...) dizia numa entrevista, há umas semanas, ao promover o seu mais recente "livro" que a maioria das pessoas que lhe aparecem para consultas, são pessoas doentes - jura?!
Agora, a sério, as pessoas padecem de doenças fisicas e, no seu desespero, que nem é discutivel porque cada um saberá o que se sente quando se chega a esse patamar, procuram ajuda ou conforto no projecto da Alexandra Solnado (é assim que se chama). Posto isto, explicava a Alexandra Solnado que as doenças são, não obstante, reflexos de outros problemas mais antigos ou e a outros níveis. Não me recordo dos exemplos que ela dava mas era algo como pessoas que tinham tido muitos desgostos e uma vida marcada pela tristeza, desenvolviam uma doença grave em especifico, localizada numa área do corpo em particular. 
Ora, e dando o beneficio da duvida a esta teoria (pois que temos a perder?), gosta…

A importância de se chamar Candidato

Numa altura em que as empresas recorrem cada vez mais às redes sociais para procurar candidatos a postos de trabalho (89%) e que 65% por cento é bem-sucedida, conseguindo contratações satisfatórias (Fonte: PR Comunicácion) convinha que as empresas de recrutamento e de executive search pensassem um bocadinho mais sobre o seu modus operandi.


Falo por experiência, por conhecimento e por não ter conseguido efectivar mudanças. 

O headhunter da velha guarda, armado em doutrina maquiavélica, que nunca leu, perspectiva o candidato como um meio para atingir um fim: facturar.  O candidato só serve enquanto servir os interesses do projecto. A satisfação do cliente é posta à frente de tudo e todos. Esta sobranceira linha de raciocínio,  a frio, tem alguma razão de ser. Quem paga as contas são os clientes. Como metodologia, é um erro crasso.
Num mercado concorrencial, um factor claramente diferenciador é a relação que se estabelece entre um consultor e os seus candidatos, pelo menos com aqueles que a…

Inesperadamente, a semana passada

Uns dias bons.
O  25 de Abril. Comer caracóis, os primeiros deste ano. Passear e trabalhar no Porto, deambular nos Clérigos. Diariamente, sessões de The Newsroom e Melhor do Que Falecer. O Pedro Mexia e os ferrinhos na emissão especial do Governo Sombra (e a banda sonora e a Manuela Azevedo e as citações certeiras de Salazar bem seleccionadas por Ricardo Araujo Pereira). O Benfica, tão grande! Opá, o Benfica ❤️