Avançar para o conteúdo principal

"Estão cá todos os que me amam" (in Nine, Guido Contini)

Fui ver o Nine. Daniel Day Lewis, lá estou eu, claro!

Contrariamente às demais criticas, eu gostei

Prova que o grande problema dos homens são demasiadas mulheres à sua volta. Guido (o realizador em crise) tem esse drama. Não é 1 comentário machista (gajas, baixem os machados!), é uma constatação. É muito complicado para um homem gerir tantos cosmos quando o seu universo é muito mais linear.
Curioso que existam ainda tantos homens que acham que viver saltitando de mulher em mulher, num processo de "let's bang", mentindo, manipulando, criando falsas ilusões, é algo fácil. São gajos que na verdade não gostam assim tanto de mulheres porque não as sabem apreciar, apenas as querem comer. Mas mesmo assim, deve ser uma canseira viver em prol de algo que não se percebe.
Guido Contini é diferente. Tem de facto um problema e custa-lhe a perceber. Entendo a sua necessidade de um café e um cigarro e nem sequer sou eu que tenho que lidar com a questão existencial de ser um gajo no meio de tantas mulheres.
O Tiger Woods aprendeu isso, à bruta, com USD 290 milhões a menos na conta bancária. Lamentamos, é chato perder metade da fortuna, mas hellas o karma é uma chatice.
No caso de Guido, entre uma voluptuosa com "ar de cama" Penelope Cruz, uma fashionable liberal Kate Hudson até apetecivel, uma pouco brilhante e apagadita Nicole "Botox" Kidman, e uma Sofia Louren que só pode viver numa câmara de oxigenio em permanência, emerge uma Marion Cotillard brilhante, na sua beleza tranquila, sofredora mas cheia de classe, uma mulher a quem parecem ter oferecido todas as infâmias sob o discurso "Amo-te". Como se perdoar se resumisse a uma palavra.
E a sua Luisa Contini é o expoente da incompreensão dos homens perante a capacidade de amar de uma mulher, sem ser lamechas ou chata ou lapa; a cena em que ela tenta explicar como se destroi a ilusao de que se é especial para alguém (neste caso, o marido), é de uma beleza tremenda para lá das lágrimas e uma lição.
Apesar de tudo, Guido Contini é uma personagem impressionante. É um quadro em movimento de como quando a vida está em caos, se está perdido, vazio de inspiração, triste de conteúdo, e mesmo assim se vai aguentando, se pode sorrir e fingir que se leva a vida com segurança. Mente-se a quem rodeia, dissimula-se, escondem-se e fecham-se as palavras, as dores e o desarrumo no interior de cada um.
Pede-se ajuda, ninguem entende. Foge-se e aparecem "(... ) todos os que [nos] amam", obrigando a que se ande pra' frente porque pause-still não é opção quando o filme está a decorrer. Mesmo quando parecemos "nervosos" e é evidente "que não queremos acordar no dia seguinte".
Isto é o Guido. Ou outro qualquer. Ou eu. Alguém que "quer mais, [então] para quê contentar-se com menos?"
Mas como alguém diz no filme, "não se pode deixar de ser quem é."
Resumo: gostei muito do serão: filme e companhia foram os factores criticos de sucesso para tal!

Comentários

Mensagens populares deste blogue

gaja à beira da loucura

Isto pode paracer a demência absoluta mas já estou por tudo. A Alexandra Solnado (isso mesmo, este post vai por esse caminho...) dizia numa entrevista, há umas semanas, ao promover o seu mais recente "livro" que a maioria das pessoas que lhe aparecem para consultas, são pessoas doentes - jura?!
Agora, a sério, as pessoas padecem de doenças fisicas e, no seu desespero, que nem é discutivel porque cada um saberá o que se sente quando se chega a esse patamar, procuram ajuda ou conforto no projecto da Alexandra Solnado (é assim que se chama). Posto isto, explicava a Alexandra Solnado que as doenças são, não obstante, reflexos de outros problemas mais antigos ou e a outros níveis. Não me recordo dos exemplos que ela dava mas era algo como pessoas que tinham tido muitos desgostos e uma vida marcada pela tristeza, desenvolviam uma doença grave em especifico, localizada numa área do corpo em particular. 
Ora, e dando o beneficio da duvida a esta teoria (pois que temos a perder?), gosta…

Inesperadamente, a semana passada

Uns dias bons.
O  25 de Abril. Comer caracóis, os primeiros deste ano. Passear e trabalhar no Porto, deambular nos Clérigos. Diariamente, sessões de The Newsroom e Melhor do Que Falecer. O Pedro Mexia e os ferrinhos na emissão especial do Governo Sombra (e a banda sonora e a Manuela Azevedo e as citações certeiras de Salazar bem seleccionadas por Ricardo Araujo Pereira). O Benfica, tão grande! Opá, o Benfica ❤️

A importância de se chamar Candidato

Numa altura em que as empresas recorrem cada vez mais às redes sociais para procurar candidatos a postos de trabalho (89%) e que 65% por cento é bem-sucedida, conseguindo contratações satisfatórias (Fonte: PR Comunicácion) convinha que as empresas de recrutamento e de executive search pensassem um bocadinho mais sobre o seu modus operandi.


Falo por experiência, por conhecimento e por não ter conseguido efectivar mudanças. 

O headhunter da velha guarda, armado em doutrina maquiavélica, que nunca leu, perspectiva o candidato como um meio para atingir um fim: facturar.  O candidato só serve enquanto servir os interesses do projecto. A satisfação do cliente é posta à frente de tudo e todos. Esta sobranceira linha de raciocínio,  a frio, tem alguma razão de ser. Quem paga as contas são os clientes. Como metodologia, é um erro crasso.
Num mercado concorrencial, um factor claramente diferenciador é a relação que se estabelece entre um consultor e os seus candidatos, pelo menos com aqueles que a…