Avançar para o conteúdo principal

Ir ou não ir... p'los ares!!!!

Como parece que o casamento gay (c-a-s-a-m-e-n-t-o, isso mesmo, leram bem! não há discriminações no meu blog, pelo menos hoje) já está assim mais para o assumido que vai acontecer apesar do acréscimo de pais nossos rezados pelo pais inteiro, eis senão quando a sociedade se depara com outra grande questão fracturante: RX ou não RX nos aeroportos!
Não tem piada (a discriminação entre cidadãos também não, já agora, e sem querer parecer a Câncio!). Estou a escrever mesmo a sério. Anda pra' aí uma algarviada cá e noutros países da Europa sobre o abuso da liberdade dos cidadãos e sobre a histeria em massa do povo ignorante lá dos States e dos previdentes ingleses por causa dos scanners corporais nos aeroportos.
A questão é que quando algo nos cair à porta, depois lá vem a vox populi armada em treinador de bancada, depois do jogo acabar, dizer "ah e tal devia se ter feito assim ou assado"...
Meus senhores, no meu humilde entendimento (que é um bom entendimento, esclarecendo desde já!) está tudo doido dos cornos com estas discussões da treta.
"Isto" (este estado de coisas, as bombas terroristas) não se combate afincadamente com o argumento da protecção de liberdades individuais porque o outro lado joga por outras regras, ou isso não é já claro? Borrifando-se para o conceito de liberdade, ponto. Seja individual ou colectiva.
Defendo os direitos civis e as liberdades individuais como um bem final, mas prefiro 1000 vezes passar num scanner a morrer nos ares. Não são os EUA que são paranóicos, são os terroristas é que tem uma noção da realidade distorcida e cruel, para ser soft.
Prefiro ceder parte da minha liberdade para que todos tenhamos uma sociedade livre e não "fundamentalisticamente" assassinada; e não acho em nada que o Estado deva ser omnipresente e controlador.
Porém, ó gente, tenhamos consciência da velha "frase batida" que a liberdade de um termina onde começa a do outro (e isto aplica-se a todos aqueles que nos transportes públicos acham que podem ouvir música em altos berros saída do telemóvel mas sem recurso a phones... Por norma kizomba ou martelos - foi pra isso que se criaram os auscultadores!!! É uma clara violação da liberdade dos outros, punível com um merecido par de estalos, se possível).
Admito que não me aborrecem nada câmaras de vigilância nas ruas, por exemplo. Qual big brother e afirmações de há 2 séculos sobre sociedades que cedem a sua liberdade em prol da segurança são sociedades que não merecem ser livres!. O mundo mudou em 2 séculos. Ficamos estáticos em considerações filosóficas?
Quem não deve não teme e nem que seja porque num atropelamento e fuga a câmara pode apanhar o meliante, só por isso é compensador que elas existam.
O que aprendi na universidade é que o terrorismo é uma multi-forma difusa de actuação que não respeita regras de guerra (triste ironia!) e que age perante o inesperado para gerar o maior impacto possível. Quando se metem fanatismos religiosos à mistura, a coisa pia ainda mais fino.
Vamos pôr as coisas assim: se eu vivesse nos tempos idos da Santa Inquisição tinha um extintor em casa. Tem que se contextualizar a realidade e ver the big picture nesta perspectiva.
Infelizmente, o fundamentalista islâmico, transversal a países, estratos sociais e a cor de pele, não respeita o inimigo porque nem exactamente sabe o porquê de ser o inimigo. Disseram-lhe, rezaram-lhe ao ouvido enquanto virado pra' Meca esperava a benção de Alá. O poder e a cegueira tomam a forma da palavra do Profeta.
Mostrar medo é dar-lhes vitoria? Talvez. Mas é irresponsável não ter medo. Não devemos condicionar a nossa vida por isso nem olhar por cima do ombro a cada passo. No entanto, prevenir-mo-nos não é uma má ideia. Aliás é criminoso não minimizarmos os riscos, quanto mais não seja porque inocentes ou "pecadores"*, todos comem pela mesma bitola enviesada.
É uma forma de impedir que quem não nos quer entender, ou aceitar e mata sem consciência nem espírito nos vença, de facto. É como os mosquitos: não se deixa de ir de férias para sítios em que eles existam no calor, mas leva-se o repelente. Não vá o bicho morder. Ou não vá o avião tremer.
* NA: sendo agnóstica não acredito no conceito de pecado.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

gaja à beira da loucura

Isto pode paracer a demência absoluta mas já estou por tudo. A Alexandra Solnado (isso mesmo, este post vai por esse caminho...) dizia numa entrevista, há umas semanas, ao promover o seu mais recente "livro" que a maioria das pessoas que lhe aparecem para consultas, são pessoas doentes - jura?!
Agora, a sério, as pessoas padecem de doenças fisicas e, no seu desespero, que nem é discutivel porque cada um saberá o que se sente quando se chega a esse patamar, procuram ajuda ou conforto no projecto da Alexandra Solnado (é assim que se chama). Posto isto, explicava a Alexandra Solnado que as doenças são, não obstante, reflexos de outros problemas mais antigos ou e a outros níveis. Não me recordo dos exemplos que ela dava mas era algo como pessoas que tinham tido muitos desgostos e uma vida marcada pela tristeza, desenvolviam uma doença grave em especifico, localizada numa área do corpo em particular. 
Ora, e dando o beneficio da duvida a esta teoria (pois que temos a perder?), gosta…

Inesperadamente, a semana passada

Uns dias bons.
O  25 de Abril. Comer caracóis, os primeiros deste ano. Passear e trabalhar no Porto, deambular nos Clérigos. Diariamente, sessões de The Newsroom e Melhor do Que Falecer. O Pedro Mexia e os ferrinhos na emissão especial do Governo Sombra (e a banda sonora e a Manuela Azevedo e as citações certeiras de Salazar bem seleccionadas por Ricardo Araujo Pereira). O Benfica, tão grande! Opá, o Benfica ❤️

A importância de se chamar Candidato

Numa altura em que as empresas recorrem cada vez mais às redes sociais para procurar candidatos a postos de trabalho (89%) e que 65% por cento é bem-sucedida, conseguindo contratações satisfatórias (Fonte: PR Comunicácion) convinha que as empresas de recrutamento e de executive search pensassem um bocadinho mais sobre o seu modus operandi.


Falo por experiência, por conhecimento e por não ter conseguido efectivar mudanças. 

O headhunter da velha guarda, armado em doutrina maquiavélica, que nunca leu, perspectiva o candidato como um meio para atingir um fim: facturar.  O candidato só serve enquanto servir os interesses do projecto. A satisfação do cliente é posta à frente de tudo e todos. Esta sobranceira linha de raciocínio,  a frio, tem alguma razão de ser. Quem paga as contas são os clientes. Como metodologia, é um erro crasso.
Num mercado concorrencial, um factor claramente diferenciador é a relação que se estabelece entre um consultor e os seus candidatos, pelo menos com aqueles que a…