Avançar para o conteúdo principal

Sherlock Holmes e o nosso entendimento!

Cinema Londres, domingo cinzento como a cidade de Londres que aparece no ecrã.
Não sendo fã da conhecida série Sherlock Holmes com aquele senhor com ar antipatico (Jeremy Brett) e um Watson cinzentão, fui com zero preconceitos. Só li um ou dois livros, também não tinha uma ideia fechada de como é a personagem.
Ora, para minha surpresa os €5,80 do bilhete renderam. Este Sherlock Holmes é uma mistura do Dr. House, mas com um Watson que é um Dr. Wilson muito menos "enconado", com algum CSI adequado à época, e a assinatura do estilo Guy Richtie.
É um Sherlock Holmes mais divertido, mais cínico, alucinado. Mais físico (como descreveu um amigo) do que lógico mas com mais vigor e emocionante. Robert Downey Junior rouba todas as cenas, a cenografia está irrepreensivel e a cidade industrial está vibrante. O filme não aborrece, tem piadas inteligentes e deixa a porta aberta ao franchising (claro está!).
Para os fanáticos do Mr. Holmes, o filme deve ser um sacrilégio. Lamento, prefiro humor corrosivo e as tiradas irónicas, ao ar apático e a atitude opiácia dos "originais" Basil Rathbone, considerado o melhor Holmes de cinema, ou do Jeremy Brett.
Duas notas:
1) O Robert Downey Jr., de facto, é um actor que merece "palco". Seria uma pena que se perdesse. É contagiante o modo como as personagens são por ele agarradas.
2) O Guy Ritchie deixou, definitivamente, de ser o ex-marido da Madonna, com ar rude e de passageiro frequente em bares, que fazia uns filmes. Realiza (e bem) um filme não alternativo, meio caminho andado para o blockbuster, no seu registo muito próprio ... alternativo.
Reflexão de Domingo: no inicio do filme, a personagem Sherlock Holmes afirma que a sua "mente se rebela contra a estagnação".
Para mim, este é o grande momento do filme, ganhou-me a partir dali.
De facto, uma mente acomodada, em sossego, sem desafios, sem vontade de saber mais, de consumir em doses grandes o que há por ai por aprender ou por ver ou por ler, uma mente contente por existir mas sem ambicionar a algo mais, é uma scarlet letter cosida na pessoa; é (para mim) um factor de rejeição automático.
O meu desassossego foi validado. Yes! Por uma personagem. De um filme. Durante 124 minutos. Oh, santissima qualquer coisa, estou mesmo mal!

Comentários

Mensagens populares deste blogue

gaja à beira da loucura

Isto pode paracer a demência absoluta mas já estou por tudo. A Alexandra Solnado (isso mesmo, este post vai por esse caminho...) dizia numa entrevista, há umas semanas, ao promover o seu mais recente "livro" que a maioria das pessoas que lhe aparecem para consultas, são pessoas doentes - jura?!
Agora, a sério, as pessoas padecem de doenças fisicas e, no seu desespero, que nem é discutivel porque cada um saberá o que se sente quando se chega a esse patamar, procuram ajuda ou conforto no projecto da Alexandra Solnado (é assim que se chama). Posto isto, explicava a Alexandra Solnado que as doenças são, não obstante, reflexos de outros problemas mais antigos ou e a outros níveis. Não me recordo dos exemplos que ela dava mas era algo como pessoas que tinham tido muitos desgostos e uma vida marcada pela tristeza, desenvolviam uma doença grave em especifico, localizada numa área do corpo em particular. 
Ora, e dando o beneficio da duvida a esta teoria (pois que temos a perder?), gosta…

Inesperadamente, a semana passada

Uns dias bons.
O  25 de Abril. Comer caracóis, os primeiros deste ano. Passear e trabalhar no Porto, deambular nos Clérigos. Diariamente, sessões de The Newsroom e Melhor do Que Falecer. O Pedro Mexia e os ferrinhos na emissão especial do Governo Sombra (e a banda sonora e a Manuela Azevedo e as citações certeiras de Salazar bem seleccionadas por Ricardo Araujo Pereira). O Benfica, tão grande! Opá, o Benfica ❤️

A importância de se chamar Candidato

Numa altura em que as empresas recorrem cada vez mais às redes sociais para procurar candidatos a postos de trabalho (89%) e que 65% por cento é bem-sucedida, conseguindo contratações satisfatórias (Fonte: PR Comunicácion) convinha que as empresas de recrutamento e de executive search pensassem um bocadinho mais sobre o seu modus operandi.


Falo por experiência, por conhecimento e por não ter conseguido efectivar mudanças. 

O headhunter da velha guarda, armado em doutrina maquiavélica, que nunca leu, perspectiva o candidato como um meio para atingir um fim: facturar.  O candidato só serve enquanto servir os interesses do projecto. A satisfação do cliente é posta à frente de tudo e todos. Esta sobranceira linha de raciocínio,  a frio, tem alguma razão de ser. Quem paga as contas são os clientes. Como metodologia, é um erro crasso.
Num mercado concorrencial, um factor claramente diferenciador é a relação que se estabelece entre um consultor e os seus candidatos, pelo menos com aqueles que a…