Avançar para o conteúdo principal

Sherlock Holmes e o nosso entendimento!

Cinema Londres, domingo cinzento como a cidade de Londres que aparece no ecrã.
Não sendo fã da conhecida série Sherlock Holmes com aquele senhor com ar antipatico (Jeremy Brett) e um Watson cinzentão, fui com zero preconceitos. Só li um ou dois livros, também não tinha uma ideia fechada de como é a personagem.
Ora, para minha surpresa os €5,80 do bilhete renderam. Este Sherlock Holmes é uma mistura do Dr. House, mas com um Watson que é um Dr. Wilson muito menos "enconado", com algum CSI adequado à época, e a assinatura do estilo Guy Richtie.
É um Sherlock Holmes mais divertido, mais cínico, alucinado. Mais físico (como descreveu um amigo) do que lógico mas com mais vigor e emocionante. Robert Downey Junior rouba todas as cenas, a cenografia está irrepreensivel e a cidade industrial está vibrante. O filme não aborrece, tem piadas inteligentes e deixa a porta aberta ao franchising (claro está!).
Para os fanáticos do Mr. Holmes, o filme deve ser um sacrilégio. Lamento, prefiro humor corrosivo e as tiradas irónicas, ao ar apático e a atitude opiácia dos "originais" Basil Rathbone, considerado o melhor Holmes de cinema, ou do Jeremy Brett.
Duas notas:
1) O Robert Downey Jr., de facto, é um actor que merece "palco". Seria uma pena que se perdesse. É contagiante o modo como as personagens são por ele agarradas.
2) O Guy Ritchie deixou, definitivamente, de ser o ex-marido da Madonna, com ar rude e de passageiro frequente em bares, que fazia uns filmes. Realiza (e bem) um filme não alternativo, meio caminho andado para o blockbuster, no seu registo muito próprio ... alternativo.
Reflexão de Domingo: no inicio do filme, a personagem Sherlock Holmes afirma que a sua "mente se rebela contra a estagnação".
Para mim, este é o grande momento do filme, ganhou-me a partir dali.
De facto, uma mente acomodada, em sossego, sem desafios, sem vontade de saber mais, de consumir em doses grandes o que há por ai por aprender ou por ver ou por ler, uma mente contente por existir mas sem ambicionar a algo mais, é uma scarlet letter cosida na pessoa; é (para mim) um factor de rejeição automático.
O meu desassossego foi validado. Yes! Por uma personagem. De um filme. Durante 124 minutos. Oh, santissima qualquer coisa, estou mesmo mal!

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Da alegria

Gosto desses olhos que se iluminam e que pausam em mim como se nada mais existisse naquele longo momento. Esse olhar decidido, seguro, revelador de um modo de estar ciente do que se quer e descomplicado.
Fazes-me rir. Como se o mundo fosse fácil. Como se salvar-me das trevas não fosse uma missão mas sim manter-me saciada, livre, às gargalhadas, serena e em silencio, a ler com as pernas esticadas sobre ti.

Gosto das madrugadas de surf, mesmo ao frio. Dos beijos salgados e daquele teu cheiro misturado com água gelada. O cheiro que ainda hoje me faz ficar apreensiva, receosa, quando acordo a meio da noite e te ouço a respirar devagarinho e aquele cheiro está encostado a mim. E como aquele cheiro me apareceu e inundou de alegria.

A importância de se chamar Candidato

Numa altura em que as empresas recorrem cada vez mais às redes sociais para procurar candidatos a postos de trabalho (89%) e que 65% por cento é bem-sucedida, conseguindo contratações satisfatórias (Fonte: PR Comunicácion) convinha que as empresas de recrutamento e de executive search pensassem um bocadinho mais sobre o seu modus operandi.


Falo por experiência, por conhecimento e por não ter conseguido efectivar mudanças. 

O headhunter da velha guarda, armado em doutrina maquiavélica, que nunca leu, perspectiva o candidato como um meio para atingir um fim: facturar.  O candidato só serve enquanto servir os interesses do projecto. A satisfação do cliente é posta à frente de tudo e todos. Esta sobranceira linha de raciocínio,  a frio, tem alguma razão de ser. Quem paga as contas são os clientes. Como metodologia, é um erro crasso.
Num mercado concorrencial, um factor claramente diferenciador é a relação que se estabelece entre um consultor e os seus candidatos, pelo menos com aqueles que a…

I shine

Kiss me before you break my heart. There is still room to be damaged for every breath I take on myself and for myself. I regain confidence on me on every touch of you, even those that will be lost. 
The shivers running down on my spine awaken me and allow me to make you feel stronger, bolder, in love with life. 
I expand my senses while you will torn my world apart. We are under the same sky but I am meant to be a trail of light rather than a guiding star. 
I will burn your soul and you will break my heart. Yet I shine. So, kiss me and let's pretend.