Avançar para o conteúdo principal

"O quê pra quando" (ou o que quero para os aniversario!)

"O quê pra quando" é mais ou menos a frase chave (depende dos dias) da empresa onde trabalho (o sitio onde vou diariamente pré-preparar-me pró' AVC).
Basicamente, significa a necessidade de planificar e cumprir os objectivos. Ser disciplinado (claro que diariamente não há planificação que resista e sacamos das fatiotas de Supermulher e não há Linda Carter que nos bata!!!)
Como estamos prestes a chegar à data fundamental que marca a minha chegada única ao mundo (e os deuses deviam estar loucos ... eu sei que estou!), convém planificarem o que me vão oferecer agora que faço 30 +4 anos e provavelmente será a ultima vez que comemoro a data (não estou psicologicamente preparada para os 30+5!!!), podendo continuarem V. Exas. a oferecerem-me presentes, claro está!!! Sempre que queiram pois é algo que adoro.
Assim, como sou uma gaja porreira e organizada (correm boatos do contrário mas são línguas viperinas e de pessoas de má índole!), aqui vão ideias que me passaram pela mente para vos aliviar o fardo de pensarem no que posso querer ...
TOPO DA LISTA
apple macbook branco 13 polegadas.
Sim, eu sei é caro mas era o que queria portanto é um statement.
Por opção pode ser 1 portátil ou notebook entre 11 e 13 polegadas HP ou mesmo Asus.
Odeio tanto o meu PC que me apetece, para além de o destruir á machadada, pôr um processo à Toshiba por danos morais. Esta porcaria foi-me oferecida com tanta má fé que está prestes a atirar-me para a clínica de Carnaxide (sou fina, o que é que querem!) porque me vai levar à loucura.
ODEIO-TE TOSHIBA!!!! Odeio que demores 20m a arrancar, que estejas constantemente a bloquear, que tenhas pouca velocidade de Net, que não tenhas outlook e que estejas sempre a gozar comigo.
Voltando á realidade
  • D&G número 3 (L´Emperatrice)
  • Pijama: sem bonecadas (excepto mickeys ou minnies), estilo masculino, não flanela (pelo amor da santa!)
  • Fimes em DVD: O Leopardo, A Escolha de Sofia
  • Vales Massimo Dutti.
Pedra Lua ou Pedra Dura são lojas que também gosto!

Comentários

Mensagens populares deste blogue

gaja à beira da loucura

Isto pode paracer a demência absoluta mas já estou por tudo. A Alexandra Solnado (isso mesmo, este post vai por esse caminho...) dizia numa entrevista, há umas semanas, ao promover o seu mais recente "livro" que a maioria das pessoas que lhe aparecem para consultas, são pessoas doentes - jura?!
Agora, a sério, as pessoas padecem de doenças fisicas e, no seu desespero, que nem é discutivel porque cada um saberá o que se sente quando se chega a esse patamar, procuram ajuda ou conforto no projecto da Alexandra Solnado (é assim que se chama). Posto isto, explicava a Alexandra Solnado que as doenças são, não obstante, reflexos de outros problemas mais antigos ou e a outros níveis. Não me recordo dos exemplos que ela dava mas era algo como pessoas que tinham tido muitos desgostos e uma vida marcada pela tristeza, desenvolviam uma doença grave em especifico, localizada numa área do corpo em particular. 
Ora, e dando o beneficio da duvida a esta teoria (pois que temos a perder?), gosta…

Inesperadamente, a semana passada

Uns dias bons.
O  25 de Abril. Comer caracóis, os primeiros deste ano. Passear e trabalhar no Porto, deambular nos Clérigos. Diariamente, sessões de The Newsroom e Melhor do Que Falecer. O Pedro Mexia e os ferrinhos na emissão especial do Governo Sombra (e a banda sonora e a Manuela Azevedo e as citações certeiras de Salazar bem seleccionadas por Ricardo Araujo Pereira). O Benfica, tão grande! Opá, o Benfica ❤️

A importância de se chamar Candidato

Numa altura em que as empresas recorrem cada vez mais às redes sociais para procurar candidatos a postos de trabalho (89%) e que 65% por cento é bem-sucedida, conseguindo contratações satisfatórias (Fonte: PR Comunicácion) convinha que as empresas de recrutamento e de executive search pensassem um bocadinho mais sobre o seu modus operandi.


Falo por experiência, por conhecimento e por não ter conseguido efectivar mudanças. 

O headhunter da velha guarda, armado em doutrina maquiavélica, que nunca leu, perspectiva o candidato como um meio para atingir um fim: facturar.  O candidato só serve enquanto servir os interesses do projecto. A satisfação do cliente é posta à frente de tudo e todos. Esta sobranceira linha de raciocínio,  a frio, tem alguma razão de ser. Quem paga as contas são os clientes. Como metodologia, é um erro crasso.
Num mercado concorrencial, um factor claramente diferenciador é a relação que se estabelece entre um consultor e os seus candidatos, pelo menos com aqueles que a…