Avançar para o conteúdo principal

O que se passa com as pessoas?

Pelo consumo excessivo de Flashforwards, ando a ver tudo sob essa perspectiva. Acho que houve algures um apagão colectivo do qual não nos lembramos mas que fez curto circuito a muita gente Eu como já tenho a cabeça fundida, é 1 dado adquirido, mantive-me à margem do evento mas estou a apanhar com as réplicas.
Uma das mais irritantes caracteristicas do gajo cá de casa é a sua constante, continua e insuportável falta de pontualidade. Não existe, ponto. É uma tremenda falta de respeito e vai-me matar de AVC, seguramente. Mas apesar desse defeito totalmente oposto à minha personalidade, ele chega atrasado mas chega.
Ora, nestes últimos dias tenho quase, e só mesmo quase, valorizado a falta de pontualidade dele face ao que os meus amigos me andam a fazer. Amigos, note-se, não estranhos ou semi-conhecidos.
Dia 1 Janeiro. Era suposto 1 casal ou 2 casais aparecerem cá em casa. Nada. Nesse mesmo dia, a minha companhia para ir ver o Avatar foi ver o filme e não me avisou, e ainda comentam o filme, no intervalo, no facebook.
Dia 2 Janeiro. A companhia para almoço, adormeceu. Não foi. A minha companhia para o Sherlock Holmes também, pois, complicou-se a vida... deixaram-me apeada.
Já para não falar (e não me canso de mencionar porque me criou trauma verdadeiro) dos amigos que nem me ligaram nem mailaram nem nada no Natal, ou me mandaram SMS massificadas que me fizeram perder totalmente a vontade de ligar, como planeado, e dar 1 Feliz Natal personalizado de tão chocada que fiquei.
Mas que raio se passa com as pessoas? Está tudo maluco? Em 2 dias, fiquei 4 vezes pendurada... Cheiro mal?
E só estou a fazer este comentário porque são amigos, se fossem indiferentes, com indiferença reagia, achava apenas que era falta de cortesia.
Ok, Baby, considera-te perdoado de metade de 8 anos de atrasos (mas não te estiques..., não, não podes ver nada que sejam séries, telenovelas ou programas de entertenimento da RTP, da SIC ou da TVI ... estou ainda sã para o permitir! Vês o House e já vais com sorte!)

Comentários

Luisinho disse…
olha...este Natal e Fim de Ano não mandei nem SMS nem liguei a ninguém!!!Posso estar um pouco fora do espírito mas também se mantenho o contacto com os amigos durante o Ano porquê a exacerbação deste acto nesta altura???

PS - ainda nao saí de casa hoje, mas tenho de ver se consigo encontrar o i

Mensagens populares deste blogue

gaja à beira da loucura

Isto pode paracer a demência absoluta mas já estou por tudo. A Alexandra Solnado (isso mesmo, este post vai por esse caminho...) dizia numa entrevista, há umas semanas, ao promover o seu mais recente "livro" que a maioria das pessoas que lhe aparecem para consultas, são pessoas doentes - jura?!
Agora, a sério, as pessoas padecem de doenças fisicas e, no seu desespero, que nem é discutivel porque cada um saberá o que se sente quando se chega a esse patamar, procuram ajuda ou conforto no projecto da Alexandra Solnado (é assim que se chama). Posto isto, explicava a Alexandra Solnado que as doenças são, não obstante, reflexos de outros problemas mais antigos ou e a outros níveis. Não me recordo dos exemplos que ela dava mas era algo como pessoas que tinham tido muitos desgostos e uma vida marcada pela tristeza, desenvolviam uma doença grave em especifico, localizada numa área do corpo em particular. 
Ora, e dando o beneficio da duvida a esta teoria (pois que temos a perder?), gosta…

Inesperadamente, a semana passada

Uns dias bons.
O  25 de Abril. Comer caracóis, os primeiros deste ano. Passear e trabalhar no Porto, deambular nos Clérigos. Diariamente, sessões de The Newsroom e Melhor do Que Falecer. O Pedro Mexia e os ferrinhos na emissão especial do Governo Sombra (e a banda sonora e a Manuela Azevedo e as citações certeiras de Salazar bem seleccionadas por Ricardo Araujo Pereira). O Benfica, tão grande! Opá, o Benfica ❤️

A importância de se chamar Candidato

Numa altura em que as empresas recorrem cada vez mais às redes sociais para procurar candidatos a postos de trabalho (89%) e que 65% por cento é bem-sucedida, conseguindo contratações satisfatórias (Fonte: PR Comunicácion) convinha que as empresas de recrutamento e de executive search pensassem um bocadinho mais sobre o seu modus operandi.


Falo por experiência, por conhecimento e por não ter conseguido efectivar mudanças. 

O headhunter da velha guarda, armado em doutrina maquiavélica, que nunca leu, perspectiva o candidato como um meio para atingir um fim: facturar.  O candidato só serve enquanto servir os interesses do projecto. A satisfação do cliente é posta à frente de tudo e todos. Esta sobranceira linha de raciocínio,  a frio, tem alguma razão de ser. Quem paga as contas são os clientes. Como metodologia, é um erro crasso.
Num mercado concorrencial, um factor claramente diferenciador é a relação que se estabelece entre um consultor e os seus candidatos, pelo menos com aqueles que a…