Avançar para o conteúdo principal

Dias e dias

Há dias em que uma pessoa, cheia de boa vontade, põe o pézinho fora da cama, mentaliza-se que a bem da economia há que ir trabalhar porque senão passa-se a comer Farinha 33, e entra na casa de banho já semi desperta. Olha-se ao espelho e a vontade que dá é: ser um novo Forrest Gump! Correr, correr, correr e só parar quando já não se conhece ninguém, não se vê ninguém, nem nos vemos a nós próprios.

A partir daí, o dia vai ser doloroso. 
Ou não. 

"Provei" de um fantástico momento de vingança. Sim, sim, a vingança não é um sentimento "bonito". Pois, mas punham lá o couro a assar onde quase torriquei a moleirinha durante anos, sofram com a visão da maldade pura em estado real e depois não me venham dizer que pequenas vinganças não sabem a leite condensado saído directamente da lata. Não tenho problemas católicos. Fico mesmo contente com determinados males alheios. E, mais, feliz pela felicidade dos meus amigos.

Logo isso deu para animar. Em seguida, o trabalho correu bem dentro do género gosto do que estive a fazer e dei azo à minha veia organizativa. 

E quando uma pessoa vai ao cinema à sessão das 19h10, dá para parar e pensar: "Porra, que qualidade de vida!". Ver um filme, a uma hora decente, sem confusão nem pessoas a atender o telemóvel e de mão dada com o moço. Melhor: o moço não amaldiçoou o filme em momento algum!

Já antes, deambulando no El Corte Inglés, elogiaram-me as pestanas longas e o olho azul. Fui maquilhada, para passar o tempo, ofereceram-me uma mascara para as pestanas preta e descobri um perfume que me deu volta à cabeça. Estas pequenas coisas sublimam a existência. Adoro descobrir coisas novas que gosto muito.

E, assim, amanhã logo se vê como se alinham os chakras. Hoje já passou!

Comentários

Xana Branco disse…
Gostei da máscara de pestanas preta! Deve ficar a matar nos teus olhos... aliás, adorava ver-te com um smokey eye.

Mensagens populares deste blogue

Do arrebatamento

O vestido caiu facilmente. Estava apenas preso pelas alças nos ombros magros e deslizou com vontade declarada pelo corpo, até ao chão, enquanto ela acendia uma única luz de presença.

Beijou-lhe o ventre. Sentiu-o a tremer. Antecipação. Expectativa. Sentia-lhe o calor sem sequer tocar. Era como uma fonte inesgotável de desejo prestes a desmoronar-se com um toque. Os dedos enfiaram-se entre a pele e a linha das cuecas de renda fazendo-as sair com mestria. Estava liberta, da máscara de tecidos, não das demais camadas de protecção. Tal não a impedia de arfar baixinho e com satisfação sob um rosto que perdia vergonha a cada caída da cabeça para trás.


Nua, encostada à parede fria, costas arqueadas, totalmente exposta viu-a a desmontar-se com cuidado ao primeiro beijo que se colou à boca como dali não houvera saída. Era intenso, forte, penetrante o modo como ela o arrastava para si com a língua e uma perna em torno da cintura.


Todo aquele momento era primário, selvagem, sem travões ainda que, e…

Das razões

Quero-te pela desarrumação incompreensível que somos. Quero-te pela forma como me procuras à noite na cama, ainda a dormir, de modo instintivo, apenas para te recostares do mundo e amaciares no meu calor. Quero-te (tanto) quando sais do mar, feliz e salgado, qual criança livre agarrado à prancha como se fosse o teu bem mais precioso, a tua melhor amiga, a porta para o teu refúgio. Quero-te pelos beijos inesperados, lentos, que invadem qual descarga eléctrica, e afirmam sem hesitações desejo e amor. Quero-te pela forma como te afundas num livro e tudo à volta entra em pause-still e, mesmo assim, de repente tocas-me no joelho, no cabelo, dás-me a mão. Quero-te porque sei que acreditas em mim e não me questionas, crês que posso mudar o mundo. Quero-te pela tesão, confiança, cumplicidade e pelas saudades que temos, ainda, sempre, um do outro. Quero-te por te rires quando começo a cantar músicas que gosto e ouço a tocar, esteja onde esteja. Quero-te por dançarmos na rua se preciso entre ga…

Dos maldiitos

via boudoir photography

Agora acordo com mensagens que iluminam o telemóvel e em que dás conta de como pensas em mim antes de dormir. E que o queres partilhar comigo porque agora sentes saudades minhas. Agora recebo telefonemas sem hora nem expectativa e a voz é meiga e quente. Não ouço nada do que dizes, as palavras apenas são ditas mas há muito que já não têm peso ou impacto.
Antes foi a indecisão. O jogo dos que não se comprometem, que querem atalhos facilitados para um espaço confortável de repouso, salvação emocional momentânea, ilusão de pertença. Egoísta forma de ser que suga o querer dos outros para se sustentar, para sentir uma rede rápida de carinho e abraço mas que reclama para si a indisponibilidade de reciprocidade. Para quê? Se vos é dado grátis um sentimento para que serve o esforço de lutar por ele, qual o propósito de envolvimento, de estar, dar a mão, partilhar silêncios e perder a possibilidade de ter mais e mais, melhor, diferente, sempre mais, outras.
Era assim, ante…