Avançar para o conteúdo principal

Parabéns, Nuno.





9 anos. 78.840 horas. 3.285 dias. 468 semanas. 108 meses.  
São 9 anos. 
Com tantos bons momentos e duras travessias no deserto que, nem numa vida inteira, muitas vezes acontecem.

Foi a pessoa que eu escolhi.
Se é a pessoa que mais obviamente me encaixa? Não.
9 anos depois ainda não aceito nem gosto e leva-me mesmo à loucura a falta de respeito por mim (e pelos outros) com os atrasos crónicos.
Preferia alguém que não fosse contra o aborto.
Preferia alguém que eu achasse que, entre mim e o melhor amigo, em situação de catástrofe, me salvava a mim.
Preferia alguém que gostasse de Nova Iorque e Londres.
Preferia alguém que, de vez em quando, vá, achasse que faço alguma coisa de jeito.

Mas se queria estar com mais alguém? Não.

Porque este é o ponto de equilíbrio. 
Porque nos piores momentos, mesmo não entendendo, deu um abraço. 
Porque tem qualidades, valores e princípios pelos quais se rege e defende, o que é de louvar, mesmo quando não concordamos com ele. 
Porque é amigo dos seus amigos. 
Porque diz o que pensa mesmo quando é anti-correcto fazê-lo. 
Porque confio nele sem duvidas razoáveis. 
Porque com ele não há stress de eu fazer os meus planos com quem quer que seja.
Porque com ele, what you see is what you get
Porque é meiguinho quando me acorda nos meus longos sonos no sofá. 
Porque me faz jantares muito bons. 
Porque se ri. Comigo. De mim. Ri-se muito. Ri-se com o prazer de uma criança. 

Ao fim de 9 anos, para lá da paixão, para lá do amor que superou tanta interferência, para além das criticas, são 9 anos de cumplicidade natural. 

Como um bom café, que se bebe várias vezes ao dia, todos os dias, mas que é sempre bom, que cai sempre bem, e nos dá ânimo para continuar.



Comentários

Tigrão disse…
Tens de deixar de frequentar esses cursos marados de escrita. Começas a escrever de forma demasiado tocante.
Estou certo de que te gostavas de ter escrito muito mais, mas não te apeteceu. É assim.
Também eu gostava que muita coisa fosse diferente, mas sobretudo gostava que realmente viesse a ser diferente. Aí sim, poderia dar a mostrar ao Mundo o quanto sou feliz e que certas coisas que apregoava desde criança são efectivamente possíveis de concretizar na vida adulta...
1000 beijos ternos para quem escolhi a meu lado.

Mensagens populares deste blogue

gaja à beira da loucura

Isto pode paracer a demência absoluta mas já estou por tudo. A Alexandra Solnado (isso mesmo, este post vai por esse caminho...) dizia numa entrevista, há umas semanas, ao promover o seu mais recente "livro" que a maioria das pessoas que lhe aparecem para consultas, são pessoas doentes - jura?!
Agora, a sério, as pessoas padecem de doenças fisicas e, no seu desespero, que nem é discutivel porque cada um saberá o que se sente quando se chega a esse patamar, procuram ajuda ou conforto no projecto da Alexandra Solnado (é assim que se chama). Posto isto, explicava a Alexandra Solnado que as doenças são, não obstante, reflexos de outros problemas mais antigos ou e a outros níveis. Não me recordo dos exemplos que ela dava mas era algo como pessoas que tinham tido muitos desgostos e uma vida marcada pela tristeza, desenvolviam uma doença grave em especifico, localizada numa área do corpo em particular. 
Ora, e dando o beneficio da duvida a esta teoria (pois que temos a perder?), gosta…

Inesperadamente, a semana passada

Uns dias bons.
O  25 de Abril. Comer caracóis, os primeiros deste ano. Passear e trabalhar no Porto, deambular nos Clérigos. Diariamente, sessões de The Newsroom e Melhor do Que Falecer. O Pedro Mexia e os ferrinhos na emissão especial do Governo Sombra (e a banda sonora e a Manuela Azevedo e as citações certeiras de Salazar bem seleccionadas por Ricardo Araujo Pereira). O Benfica, tão grande! Opá, o Benfica ❤️

A importância de se chamar Candidato

Numa altura em que as empresas recorrem cada vez mais às redes sociais para procurar candidatos a postos de trabalho (89%) e que 65% por cento é bem-sucedida, conseguindo contratações satisfatórias (Fonte: PR Comunicácion) convinha que as empresas de recrutamento e de executive search pensassem um bocadinho mais sobre o seu modus operandi.


Falo por experiência, por conhecimento e por não ter conseguido efectivar mudanças. 

O headhunter da velha guarda, armado em doutrina maquiavélica, que nunca leu, perspectiva o candidato como um meio para atingir um fim: facturar.  O candidato só serve enquanto servir os interesses do projecto. A satisfação do cliente é posta à frente de tudo e todos. Esta sobranceira linha de raciocínio,  a frio, tem alguma razão de ser. Quem paga as contas são os clientes. Como metodologia, é um erro crasso.
Num mercado concorrencial, um factor claramente diferenciador é a relação que se estabelece entre um consultor e os seus candidatos, pelo menos com aqueles que a…