Avançar para o conteúdo principal

Em nome da burqha

Post 320
Mais um redondinho!!!

__________________________

Nem de devaneios vive a minha atenção.

Há muita coisa triste e dramática que se passa à minha frente. Eu não ignoro, acumulo qual muro das lamentações. Mas como de dor está o universo cheio, opto por trazer uma nota divertida às barbaridades que para aqui deixo como testamento do mundo em que habito.

Há, no entanto, cenários demasiado fortes para serem esquecidos. Ou para não se por o dedo na ferida.

Amanha é suposto  a iraniana Sakineh Astiani, condenada à morte por adultério, ser executada por enforcamento, de acordo com o alerta da Comissão Internacional contra a Lapidação.

Apesar do movimento internacional que se mobilizou em prol da injustiça da condenação, Sakineh dificilmente escapará ao triste fado de ter nascido mulher, iraniana, no Irão. 

Podem pôr os paninhos quentes do politicamente correcto que queiram, mas não estamos perante a morte em vão (todas o são) de uma mulher que não cometeu um crime, estamos perante um sistema de justiça vigente num determinado país que considera que os actos de Sakineh são adultério e, aos olhos da lei, a sua pena é a morte.

Sakineh é um rosto. Outros já o sofreram, outros lhe sucederão. Esta é a puta da realidade. Sakineh é uma imagem que gera solidariedade, mas o problema subsistirá pra' lá da sua morte. Chamam-se Estados não laicos, dominados pela religião (ou por fragmentos dela) em espiral de ortodoxia e fundamentalismo. 

Antes que me lancem uma fatwa, eu não associo os muçulmanos ao fundamentalismo islâmico. Mas não é possível sequer perdoar aos muçulmanos que simpatizem com as práticas radicais que o fundamentalismo islâmico exerce sobre as suas próprias comunidades, mantendo-as num transe repressivo e opressivo como forma de controlar e conseguir legitimar as Guerras Santas.

Ora, o que me custa sobre maneira é que muitos, tantos, demasiados, que neste caso usam a bandeira da infâmia contra o triste fim desta rapariga, são também os primeiros a insurgirem-se contra os Estados ocidentais que decretam a proibição de burqas e outras práticas sociais tipicamente fruto do radicalismo religioso, por serem um atestado contra a liberdade cultural islâmica. 

Porém, depois usam o mesmo tempo de antena para desancar a cultura islâmica quando há mártires pelo meio. Parece que fica bem vir a terreiro fazer estas manifestações em prol da vida que não é respeitada. 

É uma hipocrisia total. 

É contraditório

E reconheço que neste capitulo parte da Esquerda tem uma grande quota parte de culpa. Ora defende afincadamente o direito de minorias em atentarem aos direitos civis, em países em que esses direitos civis ainda são um referencial da vida em sociedade, advogando que os imigrantes não têm que se adaptar às realidades para onde vão viver, ora depois violentamente reagem quando as Leis que querem preservar, são postas em marcha nos países de origem. É espantoso este jogo de espelhos.

Escandalizam-se as vozes com o que disse Markel. É o mais fácil. Traz visibilidade. Mas Merkel, ao sublinhar o falhanço da integração dos imigrantes (sobretudo, turcos) na Alemanha, sendo que integração não tem que significar aculturação, só quis mostrar que as comunidades não podem colocar-se à deriva dos países que os acolhem. 

E a questão é esta: por toda a Europa, hoje, existem muitos indivíduos, legais ou ilegais, que rejubilam com a morte de Sakineh. Essa realidade, ao vir à superfície, criaria uma onda de repudio, mas daqui a 2 semanas estar-se-iam a defender as mesmas pessoas por terem o direito, histórico-cultural, de subordinar as mulheres a uma situação de inexistência e dependência.

Isto verdadeiramente brutal. 




Comentários

Mensagens populares deste blogue

A importância de se chamar Candidato

Numa altura em que as empresas recorrem cada vez mais às redes sociais para procurar candidatos a postos de trabalho (89%) e que 65% por cento é bem-sucedida, conseguindo contratações satisfatórias (Fonte: PR Comunicácion) convinha que as empresas de recrutamento e de executive search pensassem um bocadinho mais sobre o seu modus operandi.


Falo por experiência, por conhecimento e por não ter conseguido efectivar mudanças. 

O headhunter da velha guarda, armado em doutrina maquiavélica, que nunca leu, perspectiva o candidato como um meio para atingir um fim: facturar.  O candidato só serve enquanto servir os interesses do projecto. A satisfação do cliente é posta à frente de tudo e todos. Esta sobranceira linha de raciocínio,  a frio, tem alguma razão de ser. Quem paga as contas são os clientes. Como metodologia, é um erro crasso.
Num mercado concorrencial, um factor claramente diferenciador é a relação que se estabelece entre um consultor e os seus candidatos, pelo menos com aqueles que a…

Da alegria

Gosto desses olhos que se iluminam e que pausam em mim como se nada mais existisse naquele longo momento. Esse olhar decidido, seguro, revelador de um modo de estar ciente do que se quer e descomplicado.
Fazes-me rir. Como se o mundo fosse fácil. Como se salvar-me das trevas não fosse uma missão mas sim manter-me saciada, livre, às gargalhadas, serena e em silencio, a ler com as pernas esticadas sobre ti.

Gosto das madrugadas de surf, mesmo ao frio. Dos beijos salgados e daquele teu cheiro misturado com água gelada. O cheiro que ainda hoje me faz ficar apreensiva, receosa, quando acordo a meio da noite e te ouço a respirar devagarinho e aquele cheiro está encostado a mim. E como aquele cheiro me apareceu e inundou de alegria.

I shine

Kiss me before you break my heart. There is still room to be damaged for every breath I take on myself and for myself. I regain confidence on me on every touch of you, even those that will be lost. 
The shivers running down on my spine awaken me and allow me to make you feel stronger, bolder, in love with life. 
I expand my senses while you will torn my world apart. We are under the same sky but I am meant to be a trail of light rather than a guiding star. 
I will burn your soul and you will break my heart. Yet I shine. So, kiss me and let's pretend.