Avançar para o conteúdo principal

a voz de cada um: 15 Setembro 2012

Cada uma das pessoas que se juntou hoje às manifestações terá razões pessoais mais ou menos acentuadas, mais ou menos dramáticas, mais ou menos sensatas, mais ou menos equilibradas. Globalmente, há uma preocupação comum: "e amanhã?"

Para alguns, o amanhã, e a severidade, dos efeitos, já começou a sentir-se ontem. Para outros, tal ainda não se perspectiva, mas o receio grassa e amigos, familiares, conhecidos já penam.

Para outros, há uma carga ideológica forte na sua opção de manifestar-se. Até porque não votou neste governo logo  mais fortemente rejeitam estas medidas.  

Bom, há "n" contextos. O "eu e as suas circunstâncias" como diria Gasset.

Aceito que houve um momento em que as coisas tinham que parar e mudar radicalmente. Compreendi que as primeiras reformas tivessem que ser implementadas (aumento dos escalões de IRS, aumento de IVA). Não as vi como as melhores medidas, não consegui ver qual o propósito a médio-longo prazo mas entendi a necessidade de todos contribuirmos para um esforço colectivo. Arregaçar as mangas, trabalhar, cabeça erguida e seguir em frente que é o caminho.

Não sou contra a Troika. 

Pelo contrário. Se nos emprestam dinheiro, temos que pagar, tal e qual como acontece na nossa vida pessoal. E é normal que haja acompanhamento periódico para ver se o dinheiro que cá é posto não anda a ser desviado para casas na Quinta do Lago (ou cavalos em Alter do Chão). 

Aliás, a Troika devia ter assumido o governo do país de forma transitória e independente. Porque está claro que não há, in-house, competência nem apetência para "limpar" a casa. 

Se chegámos ao ponto de necessitarmos de uma intervenção, e ainda que haja muita culpa na especulação nas agencias de rating e nos grande bancos de investimento que manipulam os "mercados", foi sobretudo pela má gestão ou gestão negligente de antigos governantes. 

Por descuido, por ignorância, por incúria, por má fé, por intencionalidade recorrente, os sucessivos governos que os nossos pais e nós fomos elegendo, foram fazendo deslizar o país para areias movediças. E nós habituá-mo-nos a um nível de vida, acima das nossas possibilidades, como se não houvesse amanhã. Um dia, isso acabou! Puff.

Então, se chega a Troika com medidas de austeridade, se é necessário começarmos a mudar o chip e o modus operandi, quem quis (nota: Passos + Relvas & Portas candidataram-se, ninguém os obrigou a ir, e sabiam que o que iam herdar era mau; e MESMO que tenham sido enganados, só se fossem parvos é que não desconfiariam que o cenário fosse pior!) assumir o fardo tinha uma oportunidade única de fazer o que nunca fora feito: limpar tudo. 

Investigar quem errou, como e quando. E actuar. 

E abrir uma guerra sem quartel à pandemia de corrupção e compadrio nos organismos públicos, nas câmaras municipais, nos ministérios, nas secretarias de estado, os assessores em excesso, nas secretárias com motorista porque o ministro tem dois carros à disposição, nos familiares e amigos nas administrações da PT, da RTP, e afins, nos contratos de ajuste directo inexplicáveis, no numero de deputados em excesso, nos deputados que acumulam reformas e/ou acumulam empregos, nas ligações perigosas com as grandes empresas do costume (Mota Engil, Grupo BES, por exemplo). O despudor total à solta. 

Mas era esperar de mais de Passos, um tipo que podia (podia) ter boas intenções mas não tem uma ideiazinha sua naquela cabeça, nem capacidade construtiva para fazer o que seja. E de Relvas só se pode esperar uma coisa: que se for lá a casa jantar não roube nada nem se atire à mulher do anfitrião. 

Em vez de dar exemplo de "austeridade" ética, brotaram boys por todo lado, desde cedo começaram os disparates e as decisões tipicas de um governo sem preparação, sem tino e gerido, no que toca à Troika, por um maniaco com uma fixação só dele e de rédea solta; e, mais grave, por um gajo caciquista a gerir agenda própria, tão notoriamente e de forma impune. 

Admiram-se que uma pessoa se farte? 

No meu caso concreto, e independentemente dos danos em termos de orçamento doméstico que tenho sofrido nos ultimos anos, mais drasticamente em 2012 e, pior ainda, pelo que se espera, em 2013, o que me indigna, o que me lixa a vida, é a neblina mal-cheirosa em torno das Privatizações e do senhor Borges (ao pé de quem o Jorge Mendes é um "menino"), um sacana que chegou com o seu saco azul e vá, toca a enchê-lo. 

É o Gaspar com as suas opções solitárias a direito, sem olhar às circunstâncias. 

É o Relvas ... being Relvas. 

É o Passos a mostrar clara, e cobardamente, que não sabem fazer, não estão a tentar fazer, não estão a procurar opções, que não tem opinião, que não sabe, que se calhar é melhor virem mas é os advisors que ele vai ali cantar um pedacinho com o Paulo de Carvalho depois do jogo da selecção e vocês, olha, pois tenham um fim de semana dentro do possível, depois de levarem com a merda que atirámos para a ventoinha. Mas desculpem, sim? Custa muito, mas não sei se há mais caminhos, o relatório dos advisors não explicava bem e já estou atrasado para o concerto.

Mas lá se aguenta um idiota chapado sem coluna destes? Uma barata tonta desnorteada que tem a nossa vida na mão?

O país não se pode dar ao luxo de, numa fase em que nos exigem sacrifícios, não ter uma liderança forte, efectiva, coerente com uma argumentação racional e uma atitude credivel e mobilizadora. 

Eu não quero que a Troika se vá embora. Num contexto ideal, ficavam e fazíamos outsourcing governamental. 

Até porque, a bem da verdade, no panorama politico não abundam soluções viáveis e as pessoas competentes há muito que partiram ou estão de mala de cartão em riste. 




Comentários

Mensagens populares deste blogue

gaja à beira da loucura

Isto pode paracer a demência absoluta mas já estou por tudo. A Alexandra Solnado (isso mesmo, este post vai por esse caminho...) dizia numa entrevista, há umas semanas, ao promover o seu mais recente "livro" que a maioria das pessoas que lhe aparecem para consultas, são pessoas doentes - jura?!
Agora, a sério, as pessoas padecem de doenças fisicas e, no seu desespero, que nem é discutivel porque cada um saberá o que se sente quando se chega a esse patamar, procuram ajuda ou conforto no projecto da Alexandra Solnado (é assim que se chama). Posto isto, explicava a Alexandra Solnado que as doenças são, não obstante, reflexos de outros problemas mais antigos ou e a outros níveis. Não me recordo dos exemplos que ela dava mas era algo como pessoas que tinham tido muitos desgostos e uma vida marcada pela tristeza, desenvolviam uma doença grave em especifico, localizada numa área do corpo em particular. 
Ora, e dando o beneficio da duvida a esta teoria (pois que temos a perder?), gosta…

Inesperadamente, a semana passada

Uns dias bons.
O  25 de Abril. Comer caracóis, os primeiros deste ano. Passear e trabalhar no Porto, deambular nos Clérigos. Diariamente, sessões de The Newsroom e Melhor do Que Falecer. O Pedro Mexia e os ferrinhos na emissão especial do Governo Sombra (e a banda sonora e a Manuela Azevedo e as citações certeiras de Salazar bem seleccionadas por Ricardo Araujo Pereira). O Benfica, tão grande! Opá, o Benfica ❤️

A importância de se chamar Candidato

Numa altura em que as empresas recorrem cada vez mais às redes sociais para procurar candidatos a postos de trabalho (89%) e que 65% por cento é bem-sucedida, conseguindo contratações satisfatórias (Fonte: PR Comunicácion) convinha que as empresas de recrutamento e de executive search pensassem um bocadinho mais sobre o seu modus operandi.


Falo por experiência, por conhecimento e por não ter conseguido efectivar mudanças. 

O headhunter da velha guarda, armado em doutrina maquiavélica, que nunca leu, perspectiva o candidato como um meio para atingir um fim: facturar.  O candidato só serve enquanto servir os interesses do projecto. A satisfação do cliente é posta à frente de tudo e todos. Esta sobranceira linha de raciocínio,  a frio, tem alguma razão de ser. Quem paga as contas são os clientes. Como metodologia, é um erro crasso.
Num mercado concorrencial, um factor claramente diferenciador é a relação que se estabelece entre um consultor e os seus candidatos, pelo menos com aqueles que a…