Avançar para o conteúdo principal

Metáforas

Imagine-se uma mulher que quer casar. Sempre sonhou em vestir o modelito branco e ter o dia de princesa (Walt Disney e os divãs de psicólogos, toda uma relação). Sempre.

E o dia vai sendo adiado. Falham namoros. Moços que resistem ao enlace. Há amor mas falta dinheiro para a boda (ai, esta palavra!) e para o after party, há vontade mas um dos noivos está desempregado, ou há doença na familia, ou ou ou...

Pelo meio as amigas todas vão casando. As que queriam, as que nem pensavam nisso mas um dia mordeu-lhes o bicho do socialmente esperado. As que não tinham tusto mas desencantam uma avó aforradora que assegura um casamento simples mas honrado. As solteiras convictas que se revelam fiscalmente pragmáticas. As já quarentonas desistentes que inesperadamente são assomadas pelo principe encantado e dizem "Sim, aceito" quando ninguém na familia acreditava ser possivel. As bem sucedidas em tudo o que fazem que num simples pestanejar de olhos, com a sua irrepreensivel mascara de efeito intenso, arrancam um pedido e um anel Tiffany's em três tempos, ao mais giro, bem vestido, galante e apaixonado condutor de um Range Rover azul escuro.

Imagine-se a pessoa cuja vontade de uma vida, criticável ou não, irrelevante para a questão, é casar, e assistir ano após ano à bliss matrimonial das amigas, quiçá ser dama de honor?

É fodido, não? É muito mau uma pessoa chegar a um ponto e sentir-se irrelevante no universo?

E se pensarmos numa mulher que queira muito ter um filho, passar anos a tentar, fazer testes e mais testes, submeter-se a tratamentos fisica e emocionalmente desgastantes; e ter que conviver com amigas, vizinhas, familiares que com maior ou menor apetência, interesse, dificuldade, disponibilidade vão engravidando?

Não haverá(ão) momento(s) de profunda dor?

É dificil compreender?

Comentários

Floripes Antunes disse…
Tens aqui o caso de uma mulher que quis muito ter filhos, passou anos a tentar, submeteu-se a tudo e mais alguma coisa, conviveu com amigas, vizinhas, irmãos, irmãs, primas, familiares, tudo a engravidar (quando queriam e não queriam)e que, no final, conseguiu realizar esse sonho.
Sabes que mais? Os meus filhos, mesmo não tendo nascido da minha barriga, não podiam ser mais meus filhos do que são!
Acredita que até são parecidos fisicamente connosco, os seus verdadeiros PAIS!
Claro que não difícil compreender essa profunda dor, mas para tudo há uma solução!
Se perguntares se valeu a pena, é óbvio que valeu a pena! Todos os segundos de incerteza, de angústia, de tristeza, a dificuldade de todo o processo, de nada me arrependo, tudo, mas mesmo tudo, valeu a pena!
Mónica disse…
Concordo a 1000% contigo, floripes. Conheces a minha posição no tema. Amor incondicional no matter what. Era mm uma metafora. Mas sim ha modos de superar a dor encontrando caminhos

Mensagens populares deste blogue

gaja à beira da loucura

Isto pode paracer a demência absoluta mas já estou por tudo. A Alexandra Solnado (isso mesmo, este post vai por esse caminho...) dizia numa entrevista, há umas semanas, ao promover o seu mais recente "livro" que a maioria das pessoas que lhe aparecem para consultas, são pessoas doentes - jura?!
Agora, a sério, as pessoas padecem de doenças fisicas e, no seu desespero, que nem é discutivel porque cada um saberá o que se sente quando se chega a esse patamar, procuram ajuda ou conforto no projecto da Alexandra Solnado (é assim que se chama). Posto isto, explicava a Alexandra Solnado que as doenças são, não obstante, reflexos de outros problemas mais antigos ou e a outros níveis. Não me recordo dos exemplos que ela dava mas era algo como pessoas que tinham tido muitos desgostos e uma vida marcada pela tristeza, desenvolviam uma doença grave em especifico, localizada numa área do corpo em particular. 
Ora, e dando o beneficio da duvida a esta teoria (pois que temos a perder?), gosta…

Inesperadamente, a semana passada

Uns dias bons.
O  25 de Abril. Comer caracóis, os primeiros deste ano. Passear e trabalhar no Porto, deambular nos Clérigos. Diariamente, sessões de The Newsroom e Melhor do Que Falecer. O Pedro Mexia e os ferrinhos na emissão especial do Governo Sombra (e a banda sonora e a Manuela Azevedo e as citações certeiras de Salazar bem seleccionadas por Ricardo Araujo Pereira). O Benfica, tão grande! Opá, o Benfica ❤️

A importância de se chamar Candidato

Numa altura em que as empresas recorrem cada vez mais às redes sociais para procurar candidatos a postos de trabalho (89%) e que 65% por cento é bem-sucedida, conseguindo contratações satisfatórias (Fonte: PR Comunicácion) convinha que as empresas de recrutamento e de executive search pensassem um bocadinho mais sobre o seu modus operandi.


Falo por experiência, por conhecimento e por não ter conseguido efectivar mudanças. 

O headhunter da velha guarda, armado em doutrina maquiavélica, que nunca leu, perspectiva o candidato como um meio para atingir um fim: facturar.  O candidato só serve enquanto servir os interesses do projecto. A satisfação do cliente é posta à frente de tudo e todos. Esta sobranceira linha de raciocínio,  a frio, tem alguma razão de ser. Quem paga as contas são os clientes. Como metodologia, é um erro crasso.
Num mercado concorrencial, um factor claramente diferenciador é a relação que se estabelece entre um consultor e os seus candidatos, pelo menos com aqueles que a…