Avançar para o conteúdo principal

Blogosfera vs. vida real-

Tem havido alguma celeuma, na blogosfera, sobre comentários pautados pela crueldade ou pura estupidez em estado avançado. 

Há, de facto, comentários muito idiotas, maldosos e que são fruto de ataques pessoais. É bem verdade. E os autores dos blogs, por muito que se exponham (a si e a terceiros, que nem têm culpa nenhuma, nem modo de se defender), não têm que aturar a falta de educação e as ofensas. Uma coisa é discordar, outra coisa é insultar. 

Podemos impedir comentários anónimos, accionar monitorização de comentários ou apagá-los depois de publicados. Mas mesmo impedindo, monitorizando ou apagando, a pessoa lê e tem o direito de ficar chateada com  o teor e "tom" de coisas que são escritas. É legitimo. Há ainda a hipótese de não permitir comentários, ponto, e o blog passa a ser um monólogo. Imagino que para alguns (a grande maioria) a parte divertida de ter o blog é a interacção com outros, conhecidos e desconhecidos; para muitos, sobretudo os que mais se queixam, essa questão não se põe, porque dos blogs unilaterais não reza a história em termos de notoriedade e projecção. 

Não obstante, continua a não ser admissível o baixo nível das considerações que se deixam por essa blogosfera fora. De facto, não. O anonimato e a fronteira do ecrã são uma ajuda, é uma verdade. E quem é alvo destas situações deve queixar-se, pois com certeza. 

Mas não nos iludamos. As más intenções, a filha da putice, a violência verbal, a agressão abusiva não é um exclusivo do digital. No trânsito, no trabalho, nas relações familiares, quantas vezes não assistimos pessoas a serem "destratadas" de forma infame e humilhante e não fizemos nada, ignorámos ou minimizámos? Fingimos não perceber, sem intervir?

Espero que esta onda de choque pela descoberta de mesquinhez existente nas pessoas, com ondas de solidariedade pela blogosfera com comentários em catadupa de "encher chouriços" (desculpem mas é verdade, dizer "pois é tens razão, as pessoas são mesmo más e dementes", 400 vezes???, haja paciência), se traduza em estarmos todos mais atentos ao que se passa no dia a dia fora do monitor do computador. 

Metade dessa preocupação (que não deixará de ser merecida, certamente), já podia ajudar algumas pessoas em momentos complicados. 

Digo eu. 

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Dos maldiitos

via boudoir photography

Agora acordo com mensagens que iluminam o telemóvel e em que dás conta de como pensas em mim antes de dormir. E que o queres partilhar comigo porque agora sentes saudades minhas. Agora recebo telefonemas sem hora nem expectativa e a voz é meiga e quente. Não ouço nada do que dizes, as palavras apenas são ditas mas há muito que já não têm peso ou impacto.
Antes foi a indecisão. O jogo dos que não se comprometem, que querem atalhos facilitados para um espaço confortável de repouso, salvação emocional momentânea, ilusão de pertença. Egoísta forma de ser que suga o querer dos outros para se sustentar, para sentir uma rede rápida de carinho e abraço mas que reclama para si a indisponibilidade de reciprocidade. Para quê? Se vos é dado grátis um sentimento para que serve o esforço de lutar por ele, qual o propósito de envolvimento, de estar, dar a mão, partilhar silêncios e perder a possibilidade de ter mais e mais, melhor, diferente, sempre mais, outras.
Era assim, ante…

Do arrebatamento

O vestido caiu facilmente. Estava apenas preso pelas alças nos ombros magros e deslizou com vontade declarada pelo corpo, até ao chão, enquanto ela acendia uma única luz de presença.

Beijou-lhe o ventre. Sentiu-o a tremer. Antecipação. Expectativa. Sentia-lhe o calor sem sequer tocar. Era como uma fonte inesgotável de desejo prestes a desmoronar-se com um toque. Os dedos enfiaram-se entre a pele e a linha das cuecas de renda fazendo-as sair com mestria. Estava liberta, da máscara de tecidos, não das demais camadas de protecção. Tal não a impedia de arfar baixinho e com satisfação sob um rosto que perdia vergonha a cada caída da cabeça para trás.


Nua, encostada à parede fria, costas arqueadas, totalmente exposta viu-a a desmontar-se com cuidado ao primeiro beijo que se colou à boca como dali não houvera saída. Era intenso, forte, penetrante o modo como ela o arrastava para si com a língua e uma perna em torno da cintura.


Todo aquele momento era primário, selvagem, sem travões ainda que, e…

Das razões

Quero-te pela desarrumação incompreensível que somos. Quero-te pela forma como me procuras à noite na cama, ainda a dormir, de modo instintivo, apenas para te recostares do mundo e amaciares no meu calor. Quero-te (tanto) quando sais do mar, feliz e salgado, qual criança livre agarrado à prancha como se fosse o teu bem mais precioso, a tua melhor amiga, a porta para o teu refúgio. Quero-te pelos beijos inesperados, lentos, que invadem qual descarga eléctrica, e afirmam sem hesitações desejo e amor. Quero-te pela forma como te afundas num livro e tudo à volta entra em pause-still e, mesmo assim, de repente tocas-me no joelho, no cabelo, dás-me a mão. Quero-te porque sei que acreditas em mim e não me questionas, crês que posso mudar o mundo. Quero-te pela tesão, confiança, cumplicidade e pelas saudades que temos, ainda, sempre, um do outro. Quero-te por te rires quando começo a cantar músicas que gosto e ouço a tocar, esteja onde esteja. Quero-te por dançarmos na rua se preciso entre ga…