Avançar para o conteúdo principal

Conhecer o Cliente - manual para ciganos

Falta muita estratégia às ciganas que me abordam regularmente na Av. de Roma com intuitos iniciais de me vender contrafacção (olha a quem!), para rapidamente, e mal falam comigo, mudarem de ideias e predisporem-se a ajudar a livrar dos males que me afligem, sendo que padeço há muitooooooooo tempo, pelo que parece, do mal da inveja. 

Ora, não há melhor maneira de perder esta freguesa, que não acredita em nada que não seja racional, do que lhe apontar, mal de inveja. 

Inveja de quê, senhores? Da felicidade que emano? Da casa de 200m2 com piscina e vista para o mar? Da animada vida social acompanhada por um amor que me idolatra? Do rol infindável de amigos presentes e que se preocupam? Do corpo de arraso, bomba do areal, um bikinibody de babar? Da beleza estonteante? Do trato afável? Do bestseller que publiquei? 

Mais facilmente ganhavam a minha atenção  se oferecessem para solucionar a questão de como perder 30kgs e apagar as memórias do tempo de existência dos mesmos. 

Gente, têm que perceber o vosso cliente, caramba! Não é como se tivessem muito mais que fazer.

Comentários

Se calhar é alguma escanzelada anorética que te anda a deitar um olho "gordo" :D
Mónica disse…
Deve ser. Alguem deslumbrado com o meu proprio T3
Cailin disse…
ahahahah true story, são tão tolinhas! no porto ainda por cima abordam-te com a seguinte frase: Ó MORE!
Mónica disse…
Cailin, é para diferenciar da concorrência que nos trata tão amorosamente por "menina". Adoro isso no porto entre tanta outra coisa. :)

Mensagens populares deste blogue

Do arrebatamento

O vestido caiu facilmente. Estava apenas preso pelas alças nos ombros magros e deslizou com vontade declarada pelo corpo, até ao chão, enquanto ela acendia uma única luz de presença.

Beijou-lhe o ventre. Sentiu-o a tremer. Antecipação. Expectativa. Sentia-lhe o calor sem sequer tocar. Era como uma fonte inesgotável de desejo prestes a desmoronar-se com um toque. Os dedos enfiaram-se entre a pele e a linha das cuecas de renda fazendo-as sair com mestria. Estava liberta, da máscara de tecidos, não das demais camadas de protecção. Tal não a impedia de arfar baixinho e com satisfação sob um rosto que perdia vergonha a cada caída da cabeça para trás.


Nua, encostada à parede fria, costas arqueadas, totalmente exposta viu-a a desmontar-se com cuidado ao primeiro beijo que se colou à boca como dali não houvera saída. Era intenso, forte, penetrante o modo como ela o arrastava para si com a língua e uma perna em torno da cintura.


Todo aquele momento era primário, selvagem, sem travões ainda que, e…

I shine

Kiss me before you break my heart. There is still room to be damaged for every breath I take on myself and for myself. I regain confidence on me on every touch of you, even those that will be lost. 
The shivers running down on my spine awaken me and allow me to make you feel stronger, bolder, in love with life. 
I expand my senses while you will torn my world apart. We are under the same sky but I am meant to be a trail of light rather than a guiding star. 
I will burn your soul and you will break my heart. Yet I shine. So, kiss me and let's pretend.

Da alegria

Gosto desses olhos que se iluminam e que pausam em mim como se nada mais existisse naquele longo momento. Esse olhar decidido, seguro, revelador de um modo de estar ciente do que se quer e descomplicado.
Fazes-me rir. Como se o mundo fosse fácil. Como se salvar-me das trevas não fosse uma missão mas sim manter-me saciada, livre, às gargalhadas, serena e em silencio, a ler com as pernas esticadas sobre ti.

Gosto das madrugadas de surf, mesmo ao frio. Dos beijos salgados e daquele teu cheiro misturado com água gelada. O cheiro que ainda hoje me faz ficar apreensiva, receosa, quando acordo a meio da noite e te ouço a respirar devagarinho e aquele cheiro está encostado a mim. E como aquele cheiro me apareceu e inundou de alegria.