Avançar para o conteúdo principal

& I wonder ...

Já aqui mencionei que uma das coisas que menos gosto na blogosfera são os Anónimos. 

Também não acho muita piada quando em blogs os donos dos mesmos (ou visitantes) atacam Anónimos (independentemente das opiniões destes serem para lá de estúpidas ou ofensivas, algumas vezes) com base unicamente no argumento do anonimato quando esses mesmos blogers (ou comentadores) ... também o são. A diferença é que têm um nick, um endereço de mail para o qual se pode enviar um email a chamar de "querida" para baixo mas, a bem da verdade, 80% das pessoas que os lêem não sabem quem está por trás do blogger. 

Nada contra. É uma opção que dá liberdade, oh se dá. 

Se não tivesse o meu nome aqui exposto o divertido que seria este blog! Porque para contraponto à aridez das minhas emoções, há tanta coisa surreal e deveras divertida noutras dimensões da minha existência, que poderia dissecar. Porém, como há pessoas que aqui me visitam e que de uma coisa hiper-mega privada retiram ilações publicas descabidas e alucinadas e propagam boatos sobre terceiros, a minha opção é não dar azo a historias sobre outros (excepto quando não haja hipótese de criar dano a quem quer que seja). Seria terapêutico mas aguente-se. 

Voltando aos Anónimos: não gosto. Ao menos, um nick. A sério. 

Curioso, não obstante, como os Anónimos que enchem de comments tóxicos essas caixas de comentários pela blogosfera fora, de repente brotaram que nem cogumelos no Boom Festival no blog da Stylista por causa de um Giveaway (conceito paralelo à Pandora: arrepia-me até o ultimo pelo que não tenho nos braços!) de uma clutch verde-alface (!) da Prada. 

Há pouco: 870 nomes e emails escancarados e a grande maioria dos users eram Anónimos. 


Giro, não?


(não estou contra o sorteio, promoção, whatever; NADA! Só acho engraçado como as pessoas expõe dados que consideram suficientemente privados para se registarem mas que entretanto estão totalmente disponiveis para quem quer ver!)

Comentários

Cailin disse…
nunca entendi, sinceramente, qual é o objectivo porque não acrescentam nada! e tb tou ctg, não alimento discussões de cabeças e pessoas vazias que só estão aqui pra destruir.

Mensagens populares deste blogue

gaja à beira da loucura

Isto pode paracer a demência absoluta mas já estou por tudo. A Alexandra Solnado (isso mesmo, este post vai por esse caminho...) dizia numa entrevista, há umas semanas, ao promover o seu mais recente "livro" que a maioria das pessoas que lhe aparecem para consultas, são pessoas doentes - jura?!
Agora, a sério, as pessoas padecem de doenças fisicas e, no seu desespero, que nem é discutivel porque cada um saberá o que se sente quando se chega a esse patamar, procuram ajuda ou conforto no projecto da Alexandra Solnado (é assim que se chama). Posto isto, explicava a Alexandra Solnado que as doenças são, não obstante, reflexos de outros problemas mais antigos ou e a outros níveis. Não me recordo dos exemplos que ela dava mas era algo como pessoas que tinham tido muitos desgostos e uma vida marcada pela tristeza, desenvolviam uma doença grave em especifico, localizada numa área do corpo em particular. 
Ora, e dando o beneficio da duvida a esta teoria (pois que temos a perder?), gosta…

Inesperadamente, a semana passada

Uns dias bons.
O  25 de Abril. Comer caracóis, os primeiros deste ano. Passear e trabalhar no Porto, deambular nos Clérigos. Diariamente, sessões de The Newsroom e Melhor do Que Falecer. O Pedro Mexia e os ferrinhos na emissão especial do Governo Sombra (e a banda sonora e a Manuela Azevedo e as citações certeiras de Salazar bem seleccionadas por Ricardo Araujo Pereira). O Benfica, tão grande! Opá, o Benfica ❤️

A importância de se chamar Candidato

Numa altura em que as empresas recorrem cada vez mais às redes sociais para procurar candidatos a postos de trabalho (89%) e que 65% por cento é bem-sucedida, conseguindo contratações satisfatórias (Fonte: PR Comunicácion) convinha que as empresas de recrutamento e de executive search pensassem um bocadinho mais sobre o seu modus operandi.


Falo por experiência, por conhecimento e por não ter conseguido efectivar mudanças. 

O headhunter da velha guarda, armado em doutrina maquiavélica, que nunca leu, perspectiva o candidato como um meio para atingir um fim: facturar.  O candidato só serve enquanto servir os interesses do projecto. A satisfação do cliente é posta à frente de tudo e todos. Esta sobranceira linha de raciocínio,  a frio, tem alguma razão de ser. Quem paga as contas são os clientes. Como metodologia, é um erro crasso.
Num mercado concorrencial, um factor claramente diferenciador é a relação que se estabelece entre um consultor e os seus candidatos, pelo menos com aqueles que a…