Avançar para o conteúdo principal

aventura por terras nunca antes visitadas

ainda não percebi mt bem onde raio é aquilo mas lá fui visitar o Dolce Vita Tejo
Tanta coisa pra nada de mais (salvou-se a companhia da amiga 5 estrelas e o lanche e depois jantar no starbucks, espaçoso e com empregados mt simpaticos; o mesmo se aplicava à Zara com uma equipa mt amável).
Avenidas largas, lojas grandes qb, uma primark assim pró assustadora e nada de mt. extraordinario. Não fui assaltada, não senti medo mas no starbucks há 1 aviso alertando para o facto de ser uma zona frequentada por carteiristas e por tal, ter cuidado com as coisas. Com 1 coisa assim, a malta pia mais fino.
Ainda estou na duvida se uma loja Tous ou uma Pandora sobrevivem ali mas pode ser só preconceito. Mas é algo contra-natura. Visualmente é pouco elaborado mas há luz e noção de espaço.
Geograficamente senti-me perdida pq andei em terras nunca antes navegadas aqui pela je. Não percebo a existencia de tanto shopping (logo eu que adoro compras) em zonas tão proximas, mas também não achei que fosse a Cidade de Deus. Não obstante, não vejo a razão para aquele centro existir (não há mais ideias para distrair as pessoas? Mesmo que elas não queiram subir a fasquia?). E para tanta loucura com ele.
Estarei a ficar madura?

Comentários

Anónimo disse…
Tens toda a razão: "não há mais ideias para distrair as pessoas?".
um beijo grande,
da amiga 5* (:-))

Mensagens populares deste blogue

gaja à beira da loucura

Isto pode paracer a demência absoluta mas já estou por tudo. A Alexandra Solnado (isso mesmo, este post vai por esse caminho...) dizia numa entrevista, há umas semanas, ao promover o seu mais recente "livro" que a maioria das pessoas que lhe aparecem para consultas, são pessoas doentes - jura?!
Agora, a sério, as pessoas padecem de doenças fisicas e, no seu desespero, que nem é discutivel porque cada um saberá o que se sente quando se chega a esse patamar, procuram ajuda ou conforto no projecto da Alexandra Solnado (é assim que se chama). Posto isto, explicava a Alexandra Solnado que as doenças são, não obstante, reflexos de outros problemas mais antigos ou e a outros níveis. Não me recordo dos exemplos que ela dava mas era algo como pessoas que tinham tido muitos desgostos e uma vida marcada pela tristeza, desenvolviam uma doença grave em especifico, localizada numa área do corpo em particular. 
Ora, e dando o beneficio da duvida a esta teoria (pois que temos a perder?), gosta…

Inesperadamente, a semana passada

Uns dias bons.
O  25 de Abril. Comer caracóis, os primeiros deste ano. Passear e trabalhar no Porto, deambular nos Clérigos. Diariamente, sessões de The Newsroom e Melhor do Que Falecer. O Pedro Mexia e os ferrinhos na emissão especial do Governo Sombra (e a banda sonora e a Manuela Azevedo e as citações certeiras de Salazar bem seleccionadas por Ricardo Araujo Pereira). O Benfica, tão grande! Opá, o Benfica ❤️

A importância de se chamar Candidato

Numa altura em que as empresas recorrem cada vez mais às redes sociais para procurar candidatos a postos de trabalho (89%) e que 65% por cento é bem-sucedida, conseguindo contratações satisfatórias (Fonte: PR Comunicácion) convinha que as empresas de recrutamento e de executive search pensassem um bocadinho mais sobre o seu modus operandi.


Falo por experiência, por conhecimento e por não ter conseguido efectivar mudanças. 

O headhunter da velha guarda, armado em doutrina maquiavélica, que nunca leu, perspectiva o candidato como um meio para atingir um fim: facturar.  O candidato só serve enquanto servir os interesses do projecto. A satisfação do cliente é posta à frente de tudo e todos. Esta sobranceira linha de raciocínio,  a frio, tem alguma razão de ser. Quem paga as contas são os clientes. Como metodologia, é um erro crasso.
Num mercado concorrencial, um factor claramente diferenciador é a relação que se estabelece entre um consultor e os seus candidatos, pelo menos com aqueles que a…