Avançar para o conteúdo principal

Rua C projectada - impressões sobre a nova casa e os bairros sociais

Moro numa Rua C projectada a qualquer coisa... Soa a bairro social. No futuro, em vez de ser a bela vista com a sua populaçao gira a abrir os jornais, será o bairro social no centro da cidade. ja imagino os confrontos se continuam a estacionar os carros nas entradas dos predios. E o Nuno será o 1º a atirar o cocktail molotov... vontade nao lhe falta e estamos cá há menos de 5 dias.
Relativamente à Bela Vista, choca-me o conceito batido de que pobreza tem que ser necessariamente igual a ser-se criminoso. As pessoas com menos rendimentos têm que ser todas assassinas, dealers ou ladrões? Os menos privilegiados são todos desprovidos de valores? Porque a maioria dos discursos de jornalistas (ou pseudo coisa e tal), politicos e paineleiros é de que esta violencia é desculpável como se funcionasse como lógica causa-efeito natural.
Os bairros de realojamento podem ser mal definidos e não serem jardins encantados mas quem os degrada é quem lá vive em casas praticamente oferecidas e pagas por nós (por aqueles que pagam impostos, leia-se!), pois uma parte de quem lá mora também não as paga e vive encostado à parede à espera do proximo golpe entre 2 passas no charro.
O que falha? Se soubesse, era uma gaja com tempo de antena mas posso opinar:
a) falta de controlo / policiamento mais activo / presente no dia a dia para não deixar os maus da fita ganharem terreno;
b) intervenção social que promova a inserção e a integraçao, estimulando aos hábitos de bom senso de vida em comunidade com direitos mas também deveres;
c) que quando os Toninhos desta vida são presos, não sejam libertados no dia seguinte apenas para continuarem a fazer o mesmo e a infestar tudo á sua volta como um elemento tóxico e corrossivo, prejudicando inclusive quem quer levar uma vida normal nesses bairros.
Discurso mtº á direita? Estou-me nas tintas. 1º, porque não sou de direita. 2º, porque quem tem um histórico de carjacking (que pode sempre degenerar em violencia extrema) e de roubo a ATM´s, em fuga à policia, arrisca-se a levar 1 tiro. Enterrem-no. Aos que deste mártir, transformam o luto em guerrilha urbana, prendam-se. Estamos a viver com medo que a policia aja como é seu dever por medo das repercussões? Por causa de 1 gajo que assaltava pessoas e vivia a coleccionar ATM's? PqP. Não roubava para comer, roubava para ser mais um com tenis de marca e parecer o cristiano ronaldo e ter plasmas em casa. PqP mais uma vez.
PS. sou apologista das camaras na cidade (como em Londres). quem não deve, não teme. E a segurança é ou deve ser um valor importante para a vida em sociedade. E não, não sou de direita. Tenho é cabeça para pensar!

Comentários

Tigrão disse…
Que orgulho na minha lindona!
Eu que me assumo de direita e que defendo todos os valores acima descritos, e muitos outros ainda mais restritivos e punitivos, estou muito orgulhoso. Sobretudo porque efectivamente basta uma cabeça boa para concluir que as soluções adoptadas nas sociedades ocidentais modernas estão a suicidar-se mais rápido do que pensam.
Ainda há-de vir o dia.... e bem rapidinho...
Mónica disse…
apesar do orgulho do meu namorado e de gostar mtº das suas intervenções no meu safe haven, reforço que não sou de direita. Para que não haja duvidas!!! :)
Tigrão disse…
Ainda não sabes, mas és....

Mensagens populares deste blogue

A importância de se chamar Candidato

Numa altura em que as empresas recorrem cada vez mais às redes sociais para procurar candidatos a postos de trabalho (89%) e que 65% por cento é bem-sucedida, conseguindo contratações satisfatórias (Fonte: PR Comunicácion) convinha que as empresas de recrutamento e de executive search pensassem um bocadinho mais sobre o seu modus operandi.


Falo por experiência, por conhecimento e por não ter conseguido efectivar mudanças. 

O headhunter da velha guarda, armado em doutrina maquiavélica, que nunca leu, perspectiva o candidato como um meio para atingir um fim: facturar.  O candidato só serve enquanto servir os interesses do projecto. A satisfação do cliente é posta à frente de tudo e todos. Esta sobranceira linha de raciocínio,  a frio, tem alguma razão de ser. Quem paga as contas são os clientes. Como metodologia, é um erro crasso.
Num mercado concorrencial, um factor claramente diferenciador é a relação que se estabelece entre um consultor e os seus candidatos, pelo menos com aqueles que a…

gaja à beira da loucura

Isto pode paracer a demência absoluta mas já estou por tudo. A Alexandra Solnado (isso mesmo, este post vai por esse caminho...) dizia numa entrevista, há umas semanas, ao promover o seu mais recente "livro" que a maioria das pessoas que lhe aparecem para consultas, são pessoas doentes - jura?!
Agora, a sério, as pessoas padecem de doenças fisicas e, no seu desespero, que nem é discutivel porque cada um saberá o que se sente quando se chega a esse patamar, procuram ajuda ou conforto no projecto da Alexandra Solnado (é assim que se chama). Posto isto, explicava a Alexandra Solnado que as doenças são, não obstante, reflexos de outros problemas mais antigos ou e a outros níveis. Não me recordo dos exemplos que ela dava mas era algo como pessoas que tinham tido muitos desgostos e uma vida marcada pela tristeza, desenvolviam uma doença grave em especifico, localizada numa área do corpo em particular. 
Ora, e dando o beneficio da duvida a esta teoria (pois que temos a perder?), gosta…

Inesperadamente, a semana passada

Uns dias bons.
O  25 de Abril. Comer caracóis, os primeiros deste ano. Passear e trabalhar no Porto, deambular nos Clérigos. Diariamente, sessões de The Newsroom e Melhor do Que Falecer. O Pedro Mexia e os ferrinhos na emissão especial do Governo Sombra (e a banda sonora e a Manuela Azevedo e as citações certeiras de Salazar bem seleccionadas por Ricardo Araujo Pereira). O Benfica, tão grande! Opá, o Benfica ❤️