Avançar para o conteúdo principal

Rua C projectada - impressões sobre a nova casa e os bairros sociais

Moro numa Rua C projectada a qualquer coisa... Soa a bairro social. No futuro, em vez de ser a bela vista com a sua populaçao gira a abrir os jornais, será o bairro social no centro da cidade. ja imagino os confrontos se continuam a estacionar os carros nas entradas dos predios. E o Nuno será o 1º a atirar o cocktail molotov... vontade nao lhe falta e estamos cá há menos de 5 dias.
Relativamente à Bela Vista, choca-me o conceito batido de que pobreza tem que ser necessariamente igual a ser-se criminoso. As pessoas com menos rendimentos têm que ser todas assassinas, dealers ou ladrões? Os menos privilegiados são todos desprovidos de valores? Porque a maioria dos discursos de jornalistas (ou pseudo coisa e tal), politicos e paineleiros é de que esta violencia é desculpável como se funcionasse como lógica causa-efeito natural.
Os bairros de realojamento podem ser mal definidos e não serem jardins encantados mas quem os degrada é quem lá vive em casas praticamente oferecidas e pagas por nós (por aqueles que pagam impostos, leia-se!), pois uma parte de quem lá mora também não as paga e vive encostado à parede à espera do proximo golpe entre 2 passas no charro.
O que falha? Se soubesse, era uma gaja com tempo de antena mas posso opinar:
a) falta de controlo / policiamento mais activo / presente no dia a dia para não deixar os maus da fita ganharem terreno;
b) intervenção social que promova a inserção e a integraçao, estimulando aos hábitos de bom senso de vida em comunidade com direitos mas também deveres;
c) que quando os Toninhos desta vida são presos, não sejam libertados no dia seguinte apenas para continuarem a fazer o mesmo e a infestar tudo á sua volta como um elemento tóxico e corrossivo, prejudicando inclusive quem quer levar uma vida normal nesses bairros.
Discurso mtº á direita? Estou-me nas tintas. 1º, porque não sou de direita. 2º, porque quem tem um histórico de carjacking (que pode sempre degenerar em violencia extrema) e de roubo a ATM´s, em fuga à policia, arrisca-se a levar 1 tiro. Enterrem-no. Aos que deste mártir, transformam o luto em guerrilha urbana, prendam-se. Estamos a viver com medo que a policia aja como é seu dever por medo das repercussões? Por causa de 1 gajo que assaltava pessoas e vivia a coleccionar ATM's? PqP. Não roubava para comer, roubava para ser mais um com tenis de marca e parecer o cristiano ronaldo e ter plasmas em casa. PqP mais uma vez.
PS. sou apologista das camaras na cidade (como em Londres). quem não deve, não teme. E a segurança é ou deve ser um valor importante para a vida em sociedade. E não, não sou de direita. Tenho é cabeça para pensar!

Comentários

Tigrão disse…
Que orgulho na minha lindona!
Eu que me assumo de direita e que defendo todos os valores acima descritos, e muitos outros ainda mais restritivos e punitivos, estou muito orgulhoso. Sobretudo porque efectivamente basta uma cabeça boa para concluir que as soluções adoptadas nas sociedades ocidentais modernas estão a suicidar-se mais rápido do que pensam.
Ainda há-de vir o dia.... e bem rapidinho...
Mónica disse…
apesar do orgulho do meu namorado e de gostar mtº das suas intervenções no meu safe haven, reforço que não sou de direita. Para que não haja duvidas!!! :)
Tigrão disse…
Ainda não sabes, mas és....

Mensagens populares deste blogue

Do arrebatamento

O vestido caiu facilmente. Estava apenas preso pelas alças nos ombros magros e deslizou com vontade declarada pelo corpo, até ao chão, enquanto ela acendia uma única luz de presença.

Beijou-lhe o ventre. Sentiu-o a tremer. Antecipação. Expectativa. Sentia-lhe o calor sem sequer tocar. Era como uma fonte inesgotável de desejo prestes a desmoronar-se com um toque. Os dedos enfiaram-se entre a pele e a linha das cuecas de renda fazendo-as sair com mestria. Estava liberta, da máscara de tecidos, não das demais camadas de protecção. Tal não a impedia de arfar baixinho e com satisfação sob um rosto que perdia vergonha a cada caída da cabeça para trás.


Nua, encostada à parede fria, costas arqueadas, totalmente exposta viu-a a desmontar-se com cuidado ao primeiro beijo que se colou à boca como dali não houvera saída. Era intenso, forte, penetrante o modo como ela o arrastava para si com a língua e uma perna em torno da cintura.


Todo aquele momento era primário, selvagem, sem travões ainda que, e…

I shine

Kiss me before you break my heart. There is still room to be damaged for every breath I take on myself and for myself. I regain confidence on me on every touch of you, even those that will be lost. 
The shivers running down on my spine awaken me and allow me to make you feel stronger, bolder, in love with life. 
I expand my senses while you will torn my world apart. We are under the same sky but I am meant to be a trail of light rather than a guiding star. 
I will burn your soul and you will break my heart. Yet I shine. So, kiss me and let's pretend.

Da alegria

Gosto desses olhos que se iluminam e que pausam em mim como se nada mais existisse naquele longo momento. Esse olhar decidido, seguro, revelador de um modo de estar ciente do que se quer e descomplicado.
Fazes-me rir. Como se o mundo fosse fácil. Como se salvar-me das trevas não fosse uma missão mas sim manter-me saciada, livre, às gargalhadas, serena e em silencio, a ler com as pernas esticadas sobre ti.

Gosto das madrugadas de surf, mesmo ao frio. Dos beijos salgados e daquele teu cheiro misturado com água gelada. O cheiro que ainda hoje me faz ficar apreensiva, receosa, quando acordo a meio da noite e te ouço a respirar devagarinho e aquele cheiro está encostado a mim. E como aquele cheiro me apareceu e inundou de alegria.