Avançar para o conteúdo principal

neuronios louros observam a cidade!

Estou de mau humor. Por 2 motivos em especifico: 1) não quero falar disso, ainda estou em negação com o putativo regresso ao trabalho; 2) está muito calor que amolece a vontade de fazer seja o que seja. Odeio calor.

Como estou com a telha vou partilhar observações que tenho acumulado nas minhas deambulações pela cidade.

Começamos logo pela falta de civismo do tuga quando conduz 1 carro. Ía eu tranquilamente pela Av João XXI, quando sou praticamente abalroada por um Mercedes pato bravo, que não tendo onde estacionar, vá de subir o passeio em espinha como se fosse a coisa mais natural. Só não me levou à frente porque estavam lá as escadas do Chimarrão e o gajo decidiu travar. Se não, eu seria dano colateral. Lá dentro 4 pintas estilo quarentão-casado com 2 filhos- a morar ao longo da IC19-que vai ás putas c/ os amigos-e ao shopping ao fim de semana. Não os insultei, como fiz com o sacana que me tentou vender droga na Rua Augusta, porque estava demasiado calor.

A falta de civismo (que se nota diariamente em tudo) está para a condução como a Tia Maya (tive que gramar com o programa dela e do Graciano hoje no cabeleireiro e o almoço ainda anda às voltas no estomago com o asco) para o pseudo social: somos um pais mesmo foleiro. O tuga é uma desgraça só:

- estaciona em cima dos passeios, sem qualquer preocupação por quem tem facilidade ou pelos que têm dificuldades de movimento, como se o passeio também fosse dele;

- estaciona em 2ª fila com os 4 piscas ligados em qualquer lado para ir ao supermercado, ao café, à taberna ou mesmo ao cinema (conheço uma personagem que o fez); ao fim da rua, à porta do Modelo Bonjour de Entrecampos a falta de vergonha é elevada ao cubo (estacionam em 3ª fila!!! depois de uma rotunda!!!);

- apesar de usar os piscas quando está mal estacionado, desconhece o seu funcionamento quando os tem que utilizar quando de facto devem ser utilizados. Os fabricantes criaram os piscas exactamente para o chico-esperto poder estacionar, ir ali e voltar já! ahn ahn

- endivida-se até á raiz do cabelo para comprar um carro no Miau.pt mas depois não tem dinheiro para comprar a merda de um kit mãos-livres. É PROIBIDO FALAR AO TELEFONE ENQUANTO SE CONDUZ, santa gente... Irrita-me tanto as pessoas que fazem isto!!! E irritam-me os policias que ignoram

- and so on, and so on...

E o mais curioso é que este virus da falta de civismo na condução é geograficamente transversal e é inter-classisista. Desde o Citroen Saxo do Laranjeiro, ao Audi Q7 da Quinta da Marinha , à carrinha Audi de Telheiras, só se vêm desastres ambulantes na estrada. É como a histeria com a selecção nacional: idiotice colectiva.

Mudando de tema, outro fenómeno observável na cidade são as Europeias. De todos os cartazes que analisei:

- só o do CDS com o Portas aparenta honestidade. O lema é: "Não basta razão, é preciso votos!". Ora aí está um tipo prático: passem para cá os votos porque a razão (no sentido de discernimento) essa já foi de frosques. Mas a ideia peregrina do Portas em querer que o 1º Ministro (que tem que governar o país) ande em campanha e sem segurança para que o povo lhe caia em cima, bom ... é o estilo feira a que nos habituou;

- o PS tem o azar do seu cabeça de lista, independentemente ter ou não mérito, parecer o Avô Cantigas com voz de padreco;
- no caso do PSD, o Paulo Rangel tem um olhar à Horatio Caine do CSI Miami que é absolutamente assustador;

- o PCP tem uma cabeça de lista que até tem histórico na UE (e longo e meritório), mas que depois vai fazer campanha para uma Direcção Regional do Minist da Economia, numa reunião com trabalhadores, exigindo a presença da comunicação social? Mas ela está a fazer campanha para as Europeias ou para a Junta de Freguesia da rua dela???

- aos outros nem lhes dei atenção, confesso.

O Sr. Presidente (que de repente deu para fazer piadas e rir-se) em vez e exigir que as pessoas não vão de férias, devia era exigir aos partidos que subissem a fasquia da qualidade, não nos cartazes (esses deviam ser PROIBIDOS) mas na abordagem aos temas fundamentais e que actuassem como uma classe politica como deve ser. Não esta merda generalizada! Vou votar á mesma, porque acredito no exercício dos meus deveres e direitos de cidadã MAS em branco!

O que observei mais na cidade... as bancas de jornais e revistas. Hoje as capas dos jornais não desportivos só falam no Oliveira e Costa que esteve ontem 8horas no Parlamento (deve ter sido a 1ª vez para alguns deputados estarem lá tanto tempo!). De repente, fez-se luz, e agora o Conselheiro de Estado que parece ter um ego tão grande como a fortuna que fruto do suor do seu trabalho acumulou, afinal já não deve ser Conselheiro e tirar imunidade e tal... AGORA???? Foi preciso um gatuno dizer que o Dias Loureiro é um gatuno também para se perceber isso? Antes não havia provas? Mesmo com o BdP a negar o que o DL dizia? AGORA???? Hellooooooooooooooooooooooooo

Também se lê que a Manuela moura Guedes tem um problema de saúde, que explica as operações ao rosto. Depois da tareia do Marinho (bem dada por sinal!), a vitimização é bom para limpar a imagem. E contra mim falo que a tinha como o meu referencial do que queria ser quando fosse grande (pivot de telejornal, e não bully do Socrates).

O post já vai grande, mas não posso deixar de partilhar algo que observo diariamente e logo pela manhã (o meu conceito de manhã é algo diferente do standard nestes ultimos meses) e que me põe momentaneamente atravessada mal dou de caras com este fabuloso atentado ao gosto e á inteligencia: o poster a assinalar novo cd da Ana Malhoa. Tudo na gaja é mau, como se vê, desde a roupa de prostibulo, aos piercings, ao ar ordinarote, mas todos os dias tenho que gramar com 3 (sim, 3) posters colados nas paredes da antiga feira popular. Venham depressa uns construtores mafiosos quaisquer comprar o terreno assim numa negociata daquelas qu já sabemos que existem para tirar dali aquela horrorosa.


Não hei-de eu ter mau humor!!!.




Comentários

Mensagens populares deste blogue

gaja à beira da loucura

Isto pode paracer a demência absoluta mas já estou por tudo. A Alexandra Solnado (isso mesmo, este post vai por esse caminho...) dizia numa entrevista, há umas semanas, ao promover o seu mais recente "livro" que a maioria das pessoas que lhe aparecem para consultas, são pessoas doentes - jura?!
Agora, a sério, as pessoas padecem de doenças fisicas e, no seu desespero, que nem é discutivel porque cada um saberá o que se sente quando se chega a esse patamar, procuram ajuda ou conforto no projecto da Alexandra Solnado (é assim que se chama). Posto isto, explicava a Alexandra Solnado que as doenças são, não obstante, reflexos de outros problemas mais antigos ou e a outros níveis. Não me recordo dos exemplos que ela dava mas era algo como pessoas que tinham tido muitos desgostos e uma vida marcada pela tristeza, desenvolviam uma doença grave em especifico, localizada numa área do corpo em particular. 
Ora, e dando o beneficio da duvida a esta teoria (pois que temos a perder?), gosta…

Inesperadamente, a semana passada

Uns dias bons.
O  25 de Abril. Comer caracóis, os primeiros deste ano. Passear e trabalhar no Porto, deambular nos Clérigos. Diariamente, sessões de The Newsroom e Melhor do Que Falecer. O Pedro Mexia e os ferrinhos na emissão especial do Governo Sombra (e a banda sonora e a Manuela Azevedo e as citações certeiras de Salazar bem seleccionadas por Ricardo Araujo Pereira). O Benfica, tão grande! Opá, o Benfica ❤️

A importância de se chamar Candidato

Numa altura em que as empresas recorrem cada vez mais às redes sociais para procurar candidatos a postos de trabalho (89%) e que 65% por cento é bem-sucedida, conseguindo contratações satisfatórias (Fonte: PR Comunicácion) convinha que as empresas de recrutamento e de executive search pensassem um bocadinho mais sobre o seu modus operandi.


Falo por experiência, por conhecimento e por não ter conseguido efectivar mudanças. 

O headhunter da velha guarda, armado em doutrina maquiavélica, que nunca leu, perspectiva o candidato como um meio para atingir um fim: facturar.  O candidato só serve enquanto servir os interesses do projecto. A satisfação do cliente é posta à frente de tudo e todos. Esta sobranceira linha de raciocínio,  a frio, tem alguma razão de ser. Quem paga as contas são os clientes. Como metodologia, é um erro crasso.
Num mercado concorrencial, um factor claramente diferenciador é a relação que se estabelece entre um consultor e os seus candidatos, pelo menos com aqueles que a…