Avançar para o conteúdo principal

Match Point (coisas que não entendo 2)

Gosto de ténis. Não sou especialista nem fã compulsiva e muitas das regras são para mim ainda um mistério, mas gosto de ver jogar. É um desporto elegante, dinâmico, aguerrido, jogado com técnica, força e inteligência. Alia mente e corpo, o que define a diferença entre um praticante e um desportista.
Sempre que posso vejo uma partida na tv. Gosto particularmente do Nadal e gostava do Boris Becker e do Ivan Lendl. Do que me recordo. Em mulheres, nunca tive grandes preferências mas sempre torci pelas Williams pelo nivel de força que punham em jogo. Não duvido que esteja a afirmar um sacrilégio para os verdadeiros amantes mas gostava delas. E ver ao vivo um bom jogo é sempre vibrante.
Isto tudo para dizer que perante o que tenho visto e lido nos media, acho vergonhoso que o Estoril Open se tenha tornado numa Feira das Vaidades de pseudo famosos que não pescam um corno de ténis e que tambem nao querem saber, mostrando um desrespeito brutal pelo jogo em si. Querem o croquete, a champanhe e mostrar-se aos flashes nas tendas dos sponsors.
O Estoril Open acaba por reflectir um mal que arrasa com o país de lés a lés: o provincianismo. Quer sejam os saloios das berças, a arraia miuda, a subcategoria de pessoas wanna be até a individuos com responsabilidades economicas / politicas / sociais, há um virus provinciano que se generaliza.
Somos o suburbio de tudo o resto e parece que gostamos. É uma merda porque esta atitude atrasa o país e transforma uma franja maioritária da população em pessoas desinteressadas e desinteressantes. E pouco exigentes. É uma pena.
Aliás, é muito triste, na verdade.

Comentários

MB disse…
Tens mesmo toda a razão. Já pensei nisso várias vezes. Quanto às preferências dos bons velhos tempos... Steffi Graff, minha amiga, Steffi Graff...
Tigrão disse…
Eu só gostava do Boris Becker pois, era alemão e fazia-me as delicias quando era chavalo e gostava daquela irreverência educada num jogo de senhores. Ah! também simpatizava com o Stefan Edberg. Porquê? Porque também era educado e hoje acho que o facto de ser sueco e de conhecer suecas tinha a sua relevância...
Hoje em dia não tenho a mínima dúvida: Roger Federer. Apesar de actualmente estar um pouco na mó de baixo ("só" está na segunda posição do ranking ATP) é delicioso ver a frieza, a concentração e sobretudo a elegância com que bate as bolas. O ténis feminino nunca me cativou por aí além, ainda que admita que a Graff tinha uns belos encantos...
Relativamente a croquetes, há-os bem catitas aqui na tasca ao fim da rua onde também há Sporttv paar ver o ténis, sem necessidade de ir aturar essa gente fatela que conspurca o ideal tenista.
Mónica disse…
acresce que a tasca da esquina tem uns caracóis que me deixaram aguada desde que os vi. mnham mnham

Mensagens populares deste blogue

A importância de se chamar Candidato

Numa altura em que as empresas recorrem cada vez mais às redes sociais para procurar candidatos a postos de trabalho (89%) e que 65% por cento é bem-sucedida, conseguindo contratações satisfatórias (Fonte: PR Comunicácion) convinha que as empresas de recrutamento e de executive search pensassem um bocadinho mais sobre o seu modus operandi.


Falo por experiência, por conhecimento e por não ter conseguido efectivar mudanças. 

O headhunter da velha guarda, armado em doutrina maquiavélica, que nunca leu, perspectiva o candidato como um meio para atingir um fim: facturar.  O candidato só serve enquanto servir os interesses do projecto. A satisfação do cliente é posta à frente de tudo e todos. Esta sobranceira linha de raciocínio,  a frio, tem alguma razão de ser. Quem paga as contas são os clientes. Como metodologia, é um erro crasso.
Num mercado concorrencial, um factor claramente diferenciador é a relação que se estabelece entre um consultor e os seus candidatos, pelo menos com aqueles que a…

gaja à beira da loucura

Isto pode paracer a demência absoluta mas já estou por tudo. A Alexandra Solnado (isso mesmo, este post vai por esse caminho...) dizia numa entrevista, há umas semanas, ao promover o seu mais recente "livro" que a maioria das pessoas que lhe aparecem para consultas, são pessoas doentes - jura?!
Agora, a sério, as pessoas padecem de doenças fisicas e, no seu desespero, que nem é discutivel porque cada um saberá o que se sente quando se chega a esse patamar, procuram ajuda ou conforto no projecto da Alexandra Solnado (é assim que se chama). Posto isto, explicava a Alexandra Solnado que as doenças são, não obstante, reflexos de outros problemas mais antigos ou e a outros níveis. Não me recordo dos exemplos que ela dava mas era algo como pessoas que tinham tido muitos desgostos e uma vida marcada pela tristeza, desenvolviam uma doença grave em especifico, localizada numa área do corpo em particular. 
Ora, e dando o beneficio da duvida a esta teoria (pois que temos a perder?), gosta…

Inesperadamente, a semana passada

Uns dias bons.
O  25 de Abril. Comer caracóis, os primeiros deste ano. Passear e trabalhar no Porto, deambular nos Clérigos. Diariamente, sessões de The Newsroom e Melhor do Que Falecer. O Pedro Mexia e os ferrinhos na emissão especial do Governo Sombra (e a banda sonora e a Manuela Azevedo e as citações certeiras de Salazar bem seleccionadas por Ricardo Araujo Pereira). O Benfica, tão grande! Opá, o Benfica ❤️