Avançar para o conteúdo principal

sindroma da casa vazia

nós tugas somos apegados ás variáveis da estabilidade: a familia, o casamento, o emprego de longo prazo, morar na cidade em que crescemos (até c/ preferencia pelas proximidades com zona ou bairro onde mais tempo vivemos).
somos saudosistas, pouco arrojados e gostamos do nosso cantinho sem grandes chatices. e com almoços de familia a darem-nos a lembrança que ali há sempre porto de abrigo por mais disfuncional que seja.
não é que tenha nada de mal mas faz-nos falta mais golpes de asa para nos atirarmos de cabeça
vía isso vezes sem conta na actividade profissional que desempenho, pessoas que nao iam de lisboa para o porto (havia mesmo pessoas que nao queriam trabalhar em cascais porque viviam em loures!!!).
contra mim falo... é a minha ultima noite na casa que eu escolhi (na internet), a unica que vi, a que reservei ao fim de 10m de visita. A casa que eu mobilei sozinha em volta de um sofá que havia no ikea. a casa onde arranjei vezes sem conta a maquina de lavar a louça. a casa onde durante semanas dormi no sofá em frente ao lcd que verdadeiramente á burguesa comprei. a casa onde fiz as minhas noites de natal desde 2005 sempre tão minhas e especiais.
está quase vazia a minha casa. sobrou o que não posso levar ou que não é prioritario. mais o pc (que bela porcaria!!!) e a cama mas amanha estarão paredes sujas da mobilia que saiu. e parte de mim fica agarrada ao ninho que montei por minha conta e risco. detesto ser assim tão tuga. acredito que o segredo do ikea para alem de serem os preços baixos é o de se ter encaixado inicialmente a uma cultura de norte em que a mudança e as raizes flutuantes propiciam o florescimento do negocio.
mas enfim, lá devo ter alguma coisa do galo de barcelos em mim.
amanha começa outra fase de risco. mas vai demorar a matar saudades deste sitio em que chorei, ri e vivi contente, coisa que parece já ser uma memória de outra vida.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

A importância de se chamar Candidato

Numa altura em que as empresas recorrem cada vez mais às redes sociais para procurar candidatos a postos de trabalho (89%) e que 65% por cento é bem-sucedida, conseguindo contratações satisfatórias (Fonte: PR Comunicácion) convinha que as empresas de recrutamento e de executive search pensassem um bocadinho mais sobre o seu modus operandi.


Falo por experiência, por conhecimento e por não ter conseguido efectivar mudanças. 

O headhunter da velha guarda, armado em doutrina maquiavélica, que nunca leu, perspectiva o candidato como um meio para atingir um fim: facturar.  O candidato só serve enquanto servir os interesses do projecto. A satisfação do cliente é posta à frente de tudo e todos. Esta sobranceira linha de raciocínio,  a frio, tem alguma razão de ser. Quem paga as contas são os clientes. Como metodologia, é um erro crasso.
Num mercado concorrencial, um factor claramente diferenciador é a relação que se estabelece entre um consultor e os seus candidatos, pelo menos com aqueles que a…

gaja à beira da loucura

Isto pode paracer a demência absoluta mas já estou por tudo. A Alexandra Solnado (isso mesmo, este post vai por esse caminho...) dizia numa entrevista, há umas semanas, ao promover o seu mais recente "livro" que a maioria das pessoas que lhe aparecem para consultas, são pessoas doentes - jura?!
Agora, a sério, as pessoas padecem de doenças fisicas e, no seu desespero, que nem é discutivel porque cada um saberá o que se sente quando se chega a esse patamar, procuram ajuda ou conforto no projecto da Alexandra Solnado (é assim que se chama). Posto isto, explicava a Alexandra Solnado que as doenças são, não obstante, reflexos de outros problemas mais antigos ou e a outros níveis. Não me recordo dos exemplos que ela dava mas era algo como pessoas que tinham tido muitos desgostos e uma vida marcada pela tristeza, desenvolviam uma doença grave em especifico, localizada numa área do corpo em particular. 
Ora, e dando o beneficio da duvida a esta teoria (pois que temos a perder?), gosta…

Inesperadamente, a semana passada

Uns dias bons.
O  25 de Abril. Comer caracóis, os primeiros deste ano. Passear e trabalhar no Porto, deambular nos Clérigos. Diariamente, sessões de The Newsroom e Melhor do Que Falecer. O Pedro Mexia e os ferrinhos na emissão especial do Governo Sombra (e a banda sonora e a Manuela Azevedo e as citações certeiras de Salazar bem seleccionadas por Ricardo Araujo Pereira). O Benfica, tão grande! Opá, o Benfica ❤️