Avançar para o conteúdo principal

Girls Night In









Hoje é dia de Sex & the City cá por estas bandas. 

Moço fora, a festejar cerveja (!!!), dia de Cosmopolitans em casa. Falta-nos uma ruiva, mas temos três tons de louro e uma morenaça de cair pró lado. E mais não digo que é um momento muito próprio destas quatro da vida airada. Vai ser rir, e beber, até cair. Estas reuniões estão a ocorrer com seis meses de separação, logo há que aproveitar!!!


Relembrando o Sex & The City, a Carrie num episódio disse:


Maybe our mistakes are what make our fate. Without them, what would shape our lives? Perhaps if we never veered off course we wouldn't fall in love, or have babies, or be who we are. After all, seasons change. So do cites. People come into your life and people go. But it's comforting to know that the ones you love are always in your heart. And if you're very lucky, a plane ride away. 




Estas palavras são assaz pertinentes numa fase em que estou no rescaldo de um corte na minha vida e, mesmo assim, há pessoas desse passado que se mantêm, mesmo à distância de um email diário ou de um encontro semestral. Não se partilham determinadas circunstâncias, dia após dia, sem que haja sentido de proximidade e, com o tempo, amizade e um bem querer no nosso coração.

E mais... neste novo momento, apesar das mudanças de estações, é bom saber que houve tantos que se preocuparam, incentivaram, deram mimo e entenderam a importância do que me estava a acontecer. Houve quem me fez a sua prova de fé, sem que tal fosse necessário. E são esses que estão no coração, vivos na memória em cada batimento cardíaco. 

É também o cenário de um abandono. Da saída de uma pessoa da minha vida. Sem dramas, apesar de ser sem glória. Simplesmente, gostar de alguém, a certa altura, já não é suficiente. Mea culpa, que não ouvi quem me avisou vezes sem conta para a toxicidade que entrava no meu ecossistema com as idas e vindas dessa amizade ou para o facto de mesmo estando eu desalinhada com o universo, acudir a alguém que sofria mais do que eu, menosprezando as minhas dores e o desgaste que a atitude SOS me trazia.

Mas é isso que se faz com os amigos, não é? 

Mas, também, os amigos têm-nos no seu coração, certo? Eu parece-me que, neste caso, fui arredada para o baço, certamente. 

Salvé os bons momentos, vida longa para quem não está. Eu sigo, na cidade, com a chegada de uma nova estação, e o coração bem preenchido. Quem não está, AZAR! Venha um Cosmopolitan!

Comentários

Mensagens populares deste blogue

gaja à beira da loucura

Isto pode paracer a demência absoluta mas já estou por tudo. A Alexandra Solnado (isso mesmo, este post vai por esse caminho...) dizia numa entrevista, há umas semanas, ao promover o seu mais recente "livro" que a maioria das pessoas que lhe aparecem para consultas, são pessoas doentes - jura?!
Agora, a sério, as pessoas padecem de doenças fisicas e, no seu desespero, que nem é discutivel porque cada um saberá o que se sente quando se chega a esse patamar, procuram ajuda ou conforto no projecto da Alexandra Solnado (é assim que se chama). Posto isto, explicava a Alexandra Solnado que as doenças são, não obstante, reflexos de outros problemas mais antigos ou e a outros níveis. Não me recordo dos exemplos que ela dava mas era algo como pessoas que tinham tido muitos desgostos e uma vida marcada pela tristeza, desenvolviam uma doença grave em especifico, localizada numa área do corpo em particular. 
Ora, e dando o beneficio da duvida a esta teoria (pois que temos a perder?), gosta…

Inesperadamente, a semana passada

Uns dias bons.
O  25 de Abril. Comer caracóis, os primeiros deste ano. Passear e trabalhar no Porto, deambular nos Clérigos. Diariamente, sessões de The Newsroom e Melhor do Que Falecer. O Pedro Mexia e os ferrinhos na emissão especial do Governo Sombra (e a banda sonora e a Manuela Azevedo e as citações certeiras de Salazar bem seleccionadas por Ricardo Araujo Pereira). O Benfica, tão grande! Opá, o Benfica ❤️

Organismos Unicelulares ...

"alimentam-se" de pequenos prazeres (no pouco tempo) quando não estão a trabalhar (como é o caso!).





Filme para incomodar, para gerar desconforto, que nos deixa sem conseguir estar sentados. Um filme que não é para quem não se gosta de ver ao "espelho".  A ultima cena, explica tudo. 


Por fim, TV Cine Séries. YES!



National Geographic, às 2ª F

A rever. O Original. Só este interessa. 



De volta. Gente estranha. Dia 25!