Avançar para o conteúdo principal

Podem explicar-me como se fosse muito burra????

Os jumpsuits mantém-se em alta. São uma peça engraçada, estão na moda e tal. Quando se é magro, a coisa aparentemente até pode ficar bem catita .... ERRADO!

Não interessa nada ser-se magro se se tem o bom senso de uma jumenta. Exemplo: alguém me pode explicar o que raio é ISTO?


Eu passo a explicar... macacões de algodão, sobretudo se o material for manhoso, têm esta tendência, vá-se lá entender, de se meter onde não deviam. Pelo menos, se a pessoa não quer ter ar de badalhoca. Neste caso, aparentemente isso não é problema. Com ou sem roupa interior, fica à vossa imaginação, a bela da pessoa em questão passeava-se em horário diurno, alheia ao ar declasé.

Não consegui tirar uma fotografia de frente mas o quadro de misérias ficava completo com a ausência de soutien e um peito baloiçante e pontiagudo. Descarado!!!

Eu não posso, pelas circunstancias corporais com as quais fui castigada, usar jumpsuits mas acho que há modelos bem giros, uns mais para a praia, outros mais para saídas à noite de Verão e outros (YSL, por exemplo), que primando pela elegância, já se leva a um evento mais cuidado. Mas nunca me apanhariam com esta ... coisa. 

A falta de cuidado, e de noção do ridículo, não é o único problema. Não sei se se percebe bem, mas a calça terminava em cos em elásticos, tipo Sinbad - o Marinheiro. Umas havaianas eram a solução mais adequada, não sandálias demodé de tiras à frente, presas ao tornozelo e com aquele mini saltinho, que NÃO se usa. É possível que não se veja, mas sim, havia salto envolvido na sandaloca armada ao pingarelho.

Quanto à carteira, nem entro em pormenores porque seria sempre uma má opção com o quer que seja usada.

Por fim, a indumentaria do cavalheiro também é uma bela ajuda para a desgraça. Armado em adolescente, todo de branco, qual enfermeiro, com umas calças que parece que foram à pesca e vieram assim. 

Quase fiquei com dor de cabeça. Aquele rabo é um pesadelo, livra!

Comentários

Mensagens populares deste blogue

gaja à beira da loucura

Isto pode paracer a demência absoluta mas já estou por tudo. A Alexandra Solnado (isso mesmo, este post vai por esse caminho...) dizia numa entrevista, há umas semanas, ao promover o seu mais recente "livro" que a maioria das pessoas que lhe aparecem para consultas, são pessoas doentes - jura?!
Agora, a sério, as pessoas padecem de doenças fisicas e, no seu desespero, que nem é discutivel porque cada um saberá o que se sente quando se chega a esse patamar, procuram ajuda ou conforto no projecto da Alexandra Solnado (é assim que se chama). Posto isto, explicava a Alexandra Solnado que as doenças são, não obstante, reflexos de outros problemas mais antigos ou e a outros níveis. Não me recordo dos exemplos que ela dava mas era algo como pessoas que tinham tido muitos desgostos e uma vida marcada pela tristeza, desenvolviam uma doença grave em especifico, localizada numa área do corpo em particular. 
Ora, e dando o beneficio da duvida a esta teoria (pois que temos a perder?), gosta…

A importância de se chamar Candidato

Numa altura em que as empresas recorrem cada vez mais às redes sociais para procurar candidatos a postos de trabalho (89%) e que 65% por cento é bem-sucedida, conseguindo contratações satisfatórias (Fonte: PR Comunicácion) convinha que as empresas de recrutamento e de executive search pensassem um bocadinho mais sobre o seu modus operandi.


Falo por experiência, por conhecimento e por não ter conseguido efectivar mudanças. 

O headhunter da velha guarda, armado em doutrina maquiavélica, que nunca leu, perspectiva o candidato como um meio para atingir um fim: facturar.  O candidato só serve enquanto servir os interesses do projecto. A satisfação do cliente é posta à frente de tudo e todos. Esta sobranceira linha de raciocínio,  a frio, tem alguma razão de ser. Quem paga as contas são os clientes. Como metodologia, é um erro crasso.
Num mercado concorrencial, um factor claramente diferenciador é a relação que se estabelece entre um consultor e os seus candidatos, pelo menos com aqueles que a…

Inesperadamente, a semana passada

Uns dias bons.
O  25 de Abril. Comer caracóis, os primeiros deste ano. Passear e trabalhar no Porto, deambular nos Clérigos. Diariamente, sessões de The Newsroom e Melhor do Que Falecer. O Pedro Mexia e os ferrinhos na emissão especial do Governo Sombra (e a banda sonora e a Manuela Azevedo e as citações certeiras de Salazar bem seleccionadas por Ricardo Araujo Pereira). O Benfica, tão grande! Opá, o Benfica ❤️