Avançar para o conteúdo principal

A importância de se chamar Candidato



Numa altura em que as empresas recorrem cada vez mais às redes sociais para procurar candidatos a postos de trabalho (89%) e que 65% por cento é bem-sucedida, conseguindo contratações satisfatórias (Fonte: PR Comunicácion) convinha que as empresas de recrutamento e de executive search pensassem um bocadinho mais sobre o seu modus operandi.


Falo por experiência, por conhecimento e por não ter conseguido efectivar mudanças. 

O headhunter da velha guarda, armado em doutrina maquiavélica, que nunca leu, perspectiva o candidato como um meio para atingir um fim: facturar.  O candidato só serve enquanto servir os interesses do projecto. A satisfação do cliente é posta à frente de tudo e todos. Esta sobranceira linha de raciocínio,  a frio, tem alguma razão de ser. Quem paga as contas são os clientes. Como metodologia, é um erro crasso.

Num mercado concorrencial, um factor claramente diferenciador é a relação que se estabelece entre um consultor e os seus candidatos, pelo menos com aqueles que assumem uma postura construtora de entreajuda.

Cada candidato merece ter uma abordagem inicial cuidada e esclarecida, ser recebido para uma entrevista bem preparada e obter feedback em timmings  adequados. Mesmo que haja pouca informação para partilhar, há que gerir expectativas das pessoas e ajustá-las ao decurso do processo, sendo o mais rigoroso e honesto possível em todas as fases.

Envolver o candidato significa transmitir-lhe confiança de que está perante profissionais que asseguram todas as variáveis e ganhar o seu respeito  pelo trabalho que se está a desenvolver. Grosso modo, a própria forma como quem recruta é olhado pode (deve!) evoluir do objectivo meramente interesseiro que os candidatos muitas vezes lhes votam, para a consciencialização de que estão perante experts que dominam o campo de jogo e têm capacidade de fazer golo, ou seja, não somente batem palmas na bancada.

Estabelecer este relacionamento com o candidato é basilar a vários níveis.

Desde logo, a imagem positiva que se vai construindo dá segurança adicional aos candidatos para considerarem uma nova proposta. Mudar é sempre um risco, é um facto, mas nestas fases de crise requer coragem acrescida. Ora, se o candidato souber com quem lida do outro lado, a sua resistência ao risco pode ser minorada.

Por outro lado, o candidato mais facilmente estará disponível para ir a uma entrevista e equacionar os projectos em carteira por saber de antemão que não o farão perder tempo com algo totalmente desenquadrado e, pelo contrário, vão ser capazes de explanar de modo objectivo o que está em cima da mesa.

Por fim, um candidato “fidelizado” ajuda o consultor quer em termos de networking quer participando no processo de tomada de referências de candidatos finalistas e, não esquecendo, pode vir a ser, em determinado momento, um decisor. 

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Dos maldiitos

via boudoir photography

Agora acordo com mensagens que iluminam o telemóvel e em que dás conta de como pensas em mim antes de dormir. E que o queres partilhar comigo porque agora sentes saudades minhas. Agora recebo telefonemas sem hora nem expectativa e a voz é meiga e quente. Não ouço nada do que dizes, as palavras apenas são ditas mas há muito que já não têm peso ou impacto.
Antes foi a indecisão. O jogo dos que não se comprometem, que querem atalhos facilitados para um espaço confortável de repouso, salvação emocional momentânea, ilusão de pertença. Egoísta forma de ser que suga o querer dos outros para se sustentar, para sentir uma rede rápida de carinho e abraço mas que reclama para si a indisponibilidade de reciprocidade. Para quê? Se vos é dado grátis um sentimento para que serve o esforço de lutar por ele, qual o propósito de envolvimento, de estar, dar a mão, partilhar silêncios e perder a possibilidade de ter mais e mais, melhor, diferente, sempre mais, outras.
Era assim, ante…

Do arrebatamento

O vestido caiu facilmente. Estava apenas preso pelas alças nos ombros magros e deslizou com vontade declarada pelo corpo, até ao chão, enquanto ela acendia uma única luz de presença.

Beijou-lhe o ventre. Sentiu-o a tremer. Antecipação. Expectativa. Sentia-lhe o calor sem sequer tocar. Era como uma fonte inesgotável de desejo prestes a desmoronar-se com um toque. Os dedos enfiaram-se entre a pele e a linha das cuecas de renda fazendo-as sair com mestria. Estava liberta, da máscara de tecidos, não das demais camadas de protecção. Tal não a impedia de arfar baixinho e com satisfação sob um rosto que perdia vergonha a cada caída da cabeça para trás.


Nua, encostada à parede fria, costas arqueadas, totalmente exposta viu-a a desmontar-se com cuidado ao primeiro beijo que se colou à boca como dali não houvera saída. Era intenso, forte, penetrante o modo como ela o arrastava para si com a língua e uma perna em torno da cintura.


Todo aquele momento era primário, selvagem, sem travões ainda que, e…

Das razões

Quero-te pela desarrumação incompreensível que somos. Quero-te pela forma como me procuras à noite na cama, ainda a dormir, de modo instintivo, apenas para te recostares do mundo e amaciares no meu calor. Quero-te (tanto) quando sais do mar, feliz e salgado, qual criança livre agarrado à prancha como se fosse o teu bem mais precioso, a tua melhor amiga, a porta para o teu refúgio. Quero-te pelos beijos inesperados, lentos, que invadem qual descarga eléctrica, e afirmam sem hesitações desejo e amor. Quero-te pela forma como te afundas num livro e tudo à volta entra em pause-still e, mesmo assim, de repente tocas-me no joelho, no cabelo, dás-me a mão. Quero-te porque sei que acreditas em mim e não me questionas, crês que posso mudar o mundo. Quero-te pela tesão, confiança, cumplicidade e pelas saudades que temos, ainda, sempre, um do outro. Quero-te por te rires quando começo a cantar músicas que gosto e ouço a tocar, esteja onde esteja. Quero-te por dançarmos na rua se preciso entre ga…