Avançar para o conteúdo principal

Vou deixar de comprar a Sábado. Ámen.

A Sábado tem uma linha editorial, para o formato newsweek, digamos... criativa. Mas esta semana, excedeu-se. 

A revista decidiu dar tempo de antena, com acompanhamento jornalistico de vários dias, a uma tal Leonor Ribeiro e Castro, mãe de 13 filhos e maluca dos cornos de profissão. 

Pois, esta "senhora" lidera um movimento anti aborto a modos que ultra conservador e pró extremista. Um benemérito DEU-LHES (de valor, era dar esse dinheiro para associações que apoiam quem necessita mas ... tudoooooo bem!) uma casa em frente à Clínica dos Arcos (o abortadouro espanhol, como lhe chamam, já se vê o nível) que serve de quartel de general para a tal Leonor e seus seguidores, desocupados, que de 2ª a 5ª feira fazem campanha. Revezam-se, e enquanto uns rezam non-stop pela salvação deste mundo e do sistema planetário, os outros estão na rua a tentar impedir que as mulheres entrem, com a missão de as demover do aborto. 


Na lógica democrática, estão no seu direito, mesmo com alguma "agressividade" na tºactica argumentativa. Julgo mesmo que aquela coisa de, em democracia, a liberdade de um acabar quando viola a liberdade do outro, ser algo esquecida naquele caso mas se as pessoas não se queixam, a maluca por lá se mantém. Há um rol de anos! ASSUSTADOR!

Aliás, tudo é muito "Mentes Perigosas". 

A mulher, tão católica, tão católica, mas louva a violência doméstica, entendida no contexto da comparação do potencial homicidio igual a aborto. Ou seja, manifesta o seu agrado pela ainda existência de homens como um em particular que deu uma tareia à companheira, em plena rua, quando descobriu que ela abortara, pois se "matas um filho meu, que me podes matar a mim". É uma lógica perfeitamente óbvia e justificável para um acto de viril violência, aceitável aos olhos de qualquer pessoa de bem. 

A sério, a mulher é mesmo demente. A certa altura, ela segmenta as mulheres que se dirigem à clinica: 

a) as "putas": que dormem com todos
b) as "alccolicas e drogadas",
c) as "empurradas": obrigadas a abortar mas só em alguns casos obrigadas por homens (não percebi) 
d) e as "facilitistas": as que "querem ir para a neve ou que querem continuar a ir à Benetton".

Estão a ver como o cérebro da tipo caramelizou e ela não percebeu? Já ninguém quer continuar a ir à Benetton desde 1990!!!!

Casada com o Presidente da Associação Nacional de Famílias Numerosas preocupa-me as vezes que achei que de facto faziam a diferença, pois se há uma aposta na família, há que a sociedade retribuir de alguma forma dado o oneroso que é ter tanto filho. 


LIVRA! Ninguém me avisou que era "ide, fazei o amor, multiplicai e criai uma seita de maluquinhos como vós!"

É que não estamos a falar de uma pessoa anti aborto que publicamente manifesta a sua opinião. Não é uma pessoa que tem a sua fé e que nela encontra o alento e a paz do seu lado espiritual. 

Estamos a falar de uma desequilibrada, rodeada de pessoas tão doidas quanto ela, e a criar uma prole da mesma natureza. 

Eu tenho medo de gente assim. 


Não é respeito, nem tolerância, nem indiferença. Medo, mesmo. 

Porque não é uma questão de fé. São pessoas que se enchem de santos e santinhos, que rezam 18 horas ao dia, que se arrastam de joelhos, que vivem rodeados de velas não aromáticas, de postais de papas, que citam a bíblia. Que vêem o Diabo em todo o lado. E que se consideram abençoadas por deus, são a sua continuação na terra dos impuros. 

Tenho ME-DO de beatas e pios com a mania que possuem carta branca de deus. Que têm linha directa a jesus. Acho-os uma bomba ambulante. Esqueçam medo: pavor. 


Esta noite vou ter pesadelos com esta cabra maluca. Há poucas coisas que me dão insónias. Estas beatices doentias, são uma delas. 

Duvido que compre a Sábado tão depressa. 

Comentários

Susymary disse…
Assustador mesmo!!!

"Já ninguém quer continuar a ir à Benetton desde 1990!!!!" lol

E não deixes de comprar a Sábado, pelo menos deu-te a conhecer esta senhora demente.

PS - Gosto de vir aqui de vez em quando ver o que escreves, acho que tens imensa piada, às vezes és um bocado depressiva, mas mesmo nessas vezes, depressiva com piada!
Hi!!
I really love your blog,
I follow you :D!
... maybe if you want, you could visit my blog too
I hope you like it, and follow me back ;)
Kisses!
http://modacapitalblog.com

Mensagens populares deste blogue

Do arrebatamento

O vestido caiu facilmente. Estava apenas preso pelas alças nos ombros magros e deslizou com vontade declarada pelo corpo, até ao chão, enquanto ela acendia uma única luz de presença.

Beijou-lhe o ventre. Sentiu-o a tremer. Antecipação. Expectativa. Sentia-lhe o calor sem sequer tocar. Era como uma fonte inesgotável de desejo prestes a desmoronar-se com um toque. Os dedos enfiaram-se entre a pele e a linha das cuecas de renda fazendo-as sair com mestria. Estava liberta, da máscara de tecidos, não das demais camadas de protecção. Tal não a impedia de arfar baixinho e com satisfação sob um rosto que perdia vergonha a cada caída da cabeça para trás.


Nua, encostada à parede fria, costas arqueadas, totalmente exposta viu-a a desmontar-se com cuidado ao primeiro beijo que se colou à boca como dali não houvera saída. Era intenso, forte, penetrante o modo como ela o arrastava para si com a língua e uma perna em torno da cintura.


Todo aquele momento era primário, selvagem, sem travões ainda que, e…

Das razões

Quero-te pela desarrumação incompreensível que somos. Quero-te pela forma como me procuras à noite na cama, ainda a dormir, de modo instintivo, apenas para te recostares do mundo e amaciares no meu calor. Quero-te (tanto) quando sais do mar, feliz e salgado, qual criança livre agarrado à prancha como se fosse o teu bem mais precioso, a tua melhor amiga, a porta para o teu refúgio. Quero-te pelos beijos inesperados, lentos, que invadem qual descarga eléctrica, e afirmam sem hesitações desejo e amor. Quero-te pela forma como te afundas num livro e tudo à volta entra em pause-still e, mesmo assim, de repente tocas-me no joelho, no cabelo, dás-me a mão. Quero-te porque sei que acreditas em mim e não me questionas, crês que posso mudar o mundo. Quero-te pela tesão, confiança, cumplicidade e pelas saudades que temos, ainda, sempre, um do outro. Quero-te por te rires quando começo a cantar músicas que gosto e ouço a tocar, esteja onde esteja. Quero-te por dançarmos na rua se preciso entre ga…

Dos maldiitos

via boudoir photography

Agora acordo com mensagens que iluminam o telemóvel e em que dás conta de como pensas em mim antes de dormir. E que o queres partilhar comigo porque agora sentes saudades minhas. Agora recebo telefonemas sem hora nem expectativa e a voz é meiga e quente. Não ouço nada do que dizes, as palavras apenas são ditas mas há muito que já não têm peso ou impacto.
Antes foi a indecisão. O jogo dos que não se comprometem, que querem atalhos facilitados para um espaço confortável de repouso, salvação emocional momentânea, ilusão de pertença. Egoísta forma de ser que suga o querer dos outros para se sustentar, para sentir uma rede rápida de carinho e abraço mas que reclama para si a indisponibilidade de reciprocidade. Para quê? Se vos é dado grátis um sentimento para que serve o esforço de lutar por ele, qual o propósito de envolvimento, de estar, dar a mão, partilhar silêncios e perder a possibilidade de ter mais e mais, melhor, diferente, sempre mais, outras.
Era assim, ante…