Avançar para o conteúdo principal

Bem-vindo aos 35 anos, Melhor Amigo - Parte II







Quando conheci o Bêzinho, ele mal abria a boca. Não é que fosse criança, mas era a pessoa mais tímida que já alguma vez conhecera.

Se um professor lhe dirigisse a palavra, ele corava (e muito) antes de conseguir responder o quer que fosse. Estava sempre muito sério nas aulas, muito caladinho, aparecia com o seu kispo verde e mochila às costas e nós muitas nem dávamos por ele ter chegado.

Para seu azar, ficou sentado na ultima fila ao lado do S., na carteira ao lado da minha (que partilhava com a Anabela) e isso mudou-lhe a vida. Nós demos cabo dele, mas para melhor. Nós éramos (somos) desequilibrados (perdoa-me Anabela!) e arrastámos o miúdo para a rambóia alucinada.

O Bêzinho tinha os olhos mais doces da escola. São grandes, intensos mas muito carinhosos. Como ele. Um coração grande, uma capacidade intensa de dar e um carinho tremendo pelos seus amigos.

Durante anos, após o liceu, fomos os grandes companheiros de fim de semana. Compras, cinemas, lanches, saídas à noite. Míticas as nossas idas à disco. Uma vez até perdi um sapato que voou do pé a uma velocidade estonteante. Vezes sem conta, ao chegar a casa, saía do carro dele descalça pelas dores nos pés de horas e horas a dançar. Uma festa pós Globos de Ouro, nos tempos áureos da Kapital, ambos de traje de gala, e uma grande bebedeira. Rimo-nos tanto nessa noite, véspera de dia de trabalho. E as gargalhadas que demos durante o Titanic, o pior filme que tínhamos visto até então!!!

Ele terá sido a pessoa que mais me viu chorar. Amores não correspondidos, maus tratos laborais, abandono familiar, ou somente ser eu. E ele sempre presente, a dar-me força, ao seu jeito, que é o de limpar as lágrimas e respeitar um silêncio confortável. 

Quando o S. me deu uma cabeçada e eu sangrava na sala de aula, e sendo no entanto a pessoa mais calma, apenas pedi água. O Bêzinho ofereceu-se para ir comprar. E foi a correr. Quando voltou o cenário à minha volta era de catástrofe e no meio do stress, ele enervou-se de tal maneira que me bebeu a água toda. Uma vez, numa viagem a Coimbra, pedi que ele me guardasse um pedacinho da sandes que ele tinha ido comprar. E ele não deixou, porque esquece-se de tudo. Fiz-lhe uma fita. Na paragem seguinte comprou-me duas sandes e um sumo.

Só posso sentir amor por uma pessoa assim, certo? 

Ele entende como brilham os meus olhos quando passo na Louis Vuitton, sabe o representa a Chanel ou a Prada. Entende porque gosto de Milão. Partilha os brunchs e todas as outras maluquices que me saem da cabeça. 



Parabéns, meu querido Bê. Não só pelo 35º aniversário mas pela pessoa fabulosa que és. Pelo EXCELENTE amigo que te tornaste. Pelo exemplo de força e de amor à vida que nos dás no dia a dia. Pela coragem, alegria e capacidade de viver de sorriso aberto, disposto a fruir de tudo o que mereces. E mereces tudo.

És das melhores pessoas que existem. Tenho muito orgulho em ti, em que sejas meu amigo e no que conseguiste. És um ser feliz e isso faz toda a diferença.

Love You!!!! So much ...











Comentários

Mensagens populares deste blogue

Do arrebatamento

O vestido caiu facilmente. Estava apenas preso pelas alças nos ombros magros e deslizou com vontade declarada pelo corpo, até ao chão, enquanto ela acendia uma única luz de presença.

Beijou-lhe o ventre. Sentiu-o a tremer. Antecipação. Expectativa. Sentia-lhe o calor sem sequer tocar. Era como uma fonte inesgotável de desejo prestes a desmoronar-se com um toque. Os dedos enfiaram-se entre a pele e a linha das cuecas de renda fazendo-as sair com mestria. Estava liberta, da máscara de tecidos, não das demais camadas de protecção. Tal não a impedia de arfar baixinho e com satisfação sob um rosto que perdia vergonha a cada caída da cabeça para trás.


Nua, encostada à parede fria, costas arqueadas, totalmente exposta viu-a a desmontar-se com cuidado ao primeiro beijo que se colou à boca como dali não houvera saída. Era intenso, forte, penetrante o modo como ela o arrastava para si com a língua e uma perna em torno da cintura.


Todo aquele momento era primário, selvagem, sem travões ainda que, e…

Das razões

Quero-te pela desarrumação incompreensível que somos. Quero-te pela forma como me procuras à noite na cama, ainda a dormir, de modo instintivo, apenas para te recostares do mundo e amaciares no meu calor. Quero-te (tanto) quando sais do mar, feliz e salgado, qual criança livre agarrado à prancha como se fosse o teu bem mais precioso, a tua melhor amiga, a porta para o teu refúgio. Quero-te pelos beijos inesperados, lentos, que invadem qual descarga eléctrica, e afirmam sem hesitações desejo e amor. Quero-te pela forma como te afundas num livro e tudo à volta entra em pause-still e, mesmo assim, de repente tocas-me no joelho, no cabelo, dás-me a mão. Quero-te porque sei que acreditas em mim e não me questionas, crês que posso mudar o mundo. Quero-te pela tesão, confiança, cumplicidade e pelas saudades que temos, ainda, sempre, um do outro. Quero-te por te rires quando começo a cantar músicas que gosto e ouço a tocar, esteja onde esteja. Quero-te por dançarmos na rua se preciso entre ga…

Dos maldiitos

via boudoir photography

Agora acordo com mensagens que iluminam o telemóvel e em que dás conta de como pensas em mim antes de dormir. E que o queres partilhar comigo porque agora sentes saudades minhas. Agora recebo telefonemas sem hora nem expectativa e a voz é meiga e quente. Não ouço nada do que dizes, as palavras apenas são ditas mas há muito que já não têm peso ou impacto.
Antes foi a indecisão. O jogo dos que não se comprometem, que querem atalhos facilitados para um espaço confortável de repouso, salvação emocional momentânea, ilusão de pertença. Egoísta forma de ser que suga o querer dos outros para se sustentar, para sentir uma rede rápida de carinho e abraço mas que reclama para si a indisponibilidade de reciprocidade. Para quê? Se vos é dado grátis um sentimento para que serve o esforço de lutar por ele, qual o propósito de envolvimento, de estar, dar a mão, partilhar silêncios e perder a possibilidade de ter mais e mais, melhor, diferente, sempre mais, outras.
Era assim, ante…