Avançar para o conteúdo principal

Bem-vindo aos 35 anos, Melhor Amigo - Parte II







Quando conheci o Bêzinho, ele mal abria a boca. Não é que fosse criança, mas era a pessoa mais tímida que já alguma vez conhecera.

Se um professor lhe dirigisse a palavra, ele corava (e muito) antes de conseguir responder o quer que fosse. Estava sempre muito sério nas aulas, muito caladinho, aparecia com o seu kispo verde e mochila às costas e nós muitas nem dávamos por ele ter chegado.

Para seu azar, ficou sentado na ultima fila ao lado do S., na carteira ao lado da minha (que partilhava com a Anabela) e isso mudou-lhe a vida. Nós demos cabo dele, mas para melhor. Nós éramos (somos) desequilibrados (perdoa-me Anabela!) e arrastámos o miúdo para a rambóia alucinada.

O Bêzinho tinha os olhos mais doces da escola. São grandes, intensos mas muito carinhosos. Como ele. Um coração grande, uma capacidade intensa de dar e um carinho tremendo pelos seus amigos.

Durante anos, após o liceu, fomos os grandes companheiros de fim de semana. Compras, cinemas, lanches, saídas à noite. Míticas as nossas idas à disco. Uma vez até perdi um sapato que voou do pé a uma velocidade estonteante. Vezes sem conta, ao chegar a casa, saía do carro dele descalça pelas dores nos pés de horas e horas a dançar. Uma festa pós Globos de Ouro, nos tempos áureos da Kapital, ambos de traje de gala, e uma grande bebedeira. Rimo-nos tanto nessa noite, véspera de dia de trabalho. E as gargalhadas que demos durante o Titanic, o pior filme que tínhamos visto até então!!!

Ele terá sido a pessoa que mais me viu chorar. Amores não correspondidos, maus tratos laborais, abandono familiar, ou somente ser eu. E ele sempre presente, a dar-me força, ao seu jeito, que é o de limpar as lágrimas e respeitar um silêncio confortável. 

Quando o S. me deu uma cabeçada e eu sangrava na sala de aula, e sendo no entanto a pessoa mais calma, apenas pedi água. O Bêzinho ofereceu-se para ir comprar. E foi a correr. Quando voltou o cenário à minha volta era de catástrofe e no meio do stress, ele enervou-se de tal maneira que me bebeu a água toda. Uma vez, numa viagem a Coimbra, pedi que ele me guardasse um pedacinho da sandes que ele tinha ido comprar. E ele não deixou, porque esquece-se de tudo. Fiz-lhe uma fita. Na paragem seguinte comprou-me duas sandes e um sumo.

Só posso sentir amor por uma pessoa assim, certo? 

Ele entende como brilham os meus olhos quando passo na Louis Vuitton, sabe o representa a Chanel ou a Prada. Entende porque gosto de Milão. Partilha os brunchs e todas as outras maluquices que me saem da cabeça. 



Parabéns, meu querido Bê. Não só pelo 35º aniversário mas pela pessoa fabulosa que és. Pelo EXCELENTE amigo que te tornaste. Pelo exemplo de força e de amor à vida que nos dás no dia a dia. Pela coragem, alegria e capacidade de viver de sorriso aberto, disposto a fruir de tudo o que mereces. E mereces tudo.

És das melhores pessoas que existem. Tenho muito orgulho em ti, em que sejas meu amigo e no que conseguiste. És um ser feliz e isso faz toda a diferença.

Love You!!!! So much ...











Comentários

Mensagens populares deste blogue

gaja à beira da loucura

Isto pode paracer a demência absoluta mas já estou por tudo. A Alexandra Solnado (isso mesmo, este post vai por esse caminho...) dizia numa entrevista, há umas semanas, ao promover o seu mais recente "livro" que a maioria das pessoas que lhe aparecem para consultas, são pessoas doentes - jura?!
Agora, a sério, as pessoas padecem de doenças fisicas e, no seu desespero, que nem é discutivel porque cada um saberá o que se sente quando se chega a esse patamar, procuram ajuda ou conforto no projecto da Alexandra Solnado (é assim que se chama). Posto isto, explicava a Alexandra Solnado que as doenças são, não obstante, reflexos de outros problemas mais antigos ou e a outros níveis. Não me recordo dos exemplos que ela dava mas era algo como pessoas que tinham tido muitos desgostos e uma vida marcada pela tristeza, desenvolviam uma doença grave em especifico, localizada numa área do corpo em particular. 
Ora, e dando o beneficio da duvida a esta teoria (pois que temos a perder?), gosta…

Inesperadamente, a semana passada

Uns dias bons.
O  25 de Abril. Comer caracóis, os primeiros deste ano. Passear e trabalhar no Porto, deambular nos Clérigos. Diariamente, sessões de The Newsroom e Melhor do Que Falecer. O Pedro Mexia e os ferrinhos na emissão especial do Governo Sombra (e a banda sonora e a Manuela Azevedo e as citações certeiras de Salazar bem seleccionadas por Ricardo Araujo Pereira). O Benfica, tão grande! Opá, o Benfica ❤️

A importância de se chamar Candidato

Numa altura em que as empresas recorrem cada vez mais às redes sociais para procurar candidatos a postos de trabalho (89%) e que 65% por cento é bem-sucedida, conseguindo contratações satisfatórias (Fonte: PR Comunicácion) convinha que as empresas de recrutamento e de executive search pensassem um bocadinho mais sobre o seu modus operandi.


Falo por experiência, por conhecimento e por não ter conseguido efectivar mudanças. 

O headhunter da velha guarda, armado em doutrina maquiavélica, que nunca leu, perspectiva o candidato como um meio para atingir um fim: facturar.  O candidato só serve enquanto servir os interesses do projecto. A satisfação do cliente é posta à frente de tudo e todos. Esta sobranceira linha de raciocínio,  a frio, tem alguma razão de ser. Quem paga as contas são os clientes. Como metodologia, é um erro crasso.
Num mercado concorrencial, um factor claramente diferenciador é a relação que se estabelece entre um consultor e os seus candidatos, pelo menos com aqueles que a…