Avançar para o conteúdo principal

Downshifting – Mudar de direcção


Este texto já andou por tanto lado que nem devia, finalmente encontra a sua casa natural: o cantinho alucinado do blog da Autora!!!

(e não é que vem mesmo a calhar?)

O que acontece quando profissionais, desde quadros directivos a cargos intermédios, decidem, de repente, seguir o almejado sonho de um bom “work-life balance” em detrimento dos salários mais elevados, do stress diário e da ameaça de um AVC? Inventa-se um novo conceito de gestão – o downshifting. Artigos nos media e estudos na área de Recursos Humanos dedicam cada vez mais tempo a analisar o fenómeno mundial dos downshifters.
Este conceito foi criado em 1994 pelo Trends Research Institute de Nova Iorque e traduz a apetência para um novo estilo de vida em que profissionais qualificados, com mais formação do que no passado e carreiras promissoras, optam por abandonar um percurso profissionalmente ascendente em prol de uma vivência mais tranquila e com maior qualidade. 
O downshifting é uma declaração de “basta” ou “get a life”. Os seus seguidores são indivíduos que, voluntariamente, tomam uma decisão de mudança de vida de longo prazo, aceitando ganhar significativamente menos e condicionando assim as suas opções em termos financeiros. A base desta mudança de racional assenta, sobretudo, em valores, essa pedra angular que tem vindo a perder brilho.
Os downshifters passam a valorizar menos o materialismo, optando por se centrar na importância do tempo (para a família, para os amigos, para si mesmos), da saúde, do estado de espírito são e de um estilo de vida mais recompensador. O jornal espanhol Expansión apresentou números que indicam serem já 12 milhões os adeptos deste modo de estar na Europa Ocidental. Destes, três milhões estão em Inglaterra. Acresce que, com idade inferior a 35 anos, no mesmo país, são já 1 milhão de pessoas a ponderar seriamente esta opção.
O The Sydney Morning Herald afirmou que, nos últimos 10 anos, mais de 20% dos australianos entre os 30 e os 50 anos aderiram a esta tendência. Os psicólogos norte-americanos Oliver James, Clive Hamilton e Richard Dennis apontam este fenómeno como uma reacção natural e defensiva ao que chamam o vírus Affluenza. Segundo os autores, a sociedade altamente competitiva dos nossos dias originou este “vírus”, que se expande mais rapidamente que o HIV-SIDA. O Affluenza é constituído por um conjunto de valores extrínsecos que leva as pessoas a valorizarem, sobretudo, a obtenção de dinheiro e bens materiais tornando-as, no entanto, mais vulneráveis a distúrbios emocionais como a depressão, ansiedade, abuso de substâncias, entre outros. 
Assim, o downshifting é, segundo estes psicólogos, uma forma de contrariar o estilo de vida imposto pela sociedade moderna infectada com o dito “vírus”.
Perante este novo cenário, uma das mais pertinentes questões que se colocam é a de saber se as organizações estão preparadas para lidar com a geração downshifter, isto é, se estão sensíveis à necessidade de encontrar soluções que respondam a estas expectativas dos seus colaboradores, correndo o risco de não conseguirem reter o talento.
O impacto do downshifting nas empresas, fundamentalmente nas multinacionais, leva-as gradualmente a repensar os conceitos associados ao trabalho, sendo necessariamente mais flexíveis e criativas no modo como reconciliam as necessidades de negócio com a motivação e a felicidade individual dos seus colaboradores. Tendencialmente, generaliza-se o work-life balance como uma variável empresarial. Se analisarmos os resultados anuais dos Great Place to Work (e outros), constata-se que todas as empresas cimeiras possuem programas que visam melhorar a sua entidade corporativa e a componente “qualidade de vida” dos seus empregados.
Independentemente de como este movimento vai afectar o mercado de trabalho, ele revela desde logo uma escolha profunda que implica uma forte tomada de consciência das razões (insatisfação) e das consequências, exigindo ao downshifter discernimento, determinação e auto motivação.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Do arrebatamento

O vestido caiu facilmente. Estava apenas preso pelas alças nos ombros magros e deslizou com vontade declarada pelo corpo, até ao chão, enquanto ela acendia uma única luz de presença.

Beijou-lhe o ventre. Sentiu-o a tremer. Antecipação. Expectativa. Sentia-lhe o calor sem sequer tocar. Era como uma fonte inesgotável de desejo prestes a desmoronar-se com um toque. Os dedos enfiaram-se entre a pele e a linha das cuecas de renda fazendo-as sair com mestria. Estava liberta, da máscara de tecidos, não das demais camadas de protecção. Tal não a impedia de arfar baixinho e com satisfação sob um rosto que perdia vergonha a cada caída da cabeça para trás.


Nua, encostada à parede fria, costas arqueadas, totalmente exposta viu-a a desmontar-se com cuidado ao primeiro beijo que se colou à boca como dali não houvera saída. Era intenso, forte, penetrante o modo como ela o arrastava para si com a língua e uma perna em torno da cintura.


Todo aquele momento era primário, selvagem, sem travões ainda que, e…

Dos maldiitos

via boudoir photography

Agora acordo com mensagens que iluminam o telemóvel e em que dás conta de como pensas em mim antes de dormir. E que o queres partilhar comigo porque agora sentes saudades minhas. Agora recebo telefonemas sem hora nem expectativa e a voz é meiga e quente. Não ouço nada do que dizes, as palavras apenas são ditas mas há muito que já não têm peso ou impacto.
Antes foi a indecisão. O jogo dos que não se comprometem, que querem atalhos facilitados para um espaço confortável de repouso, salvação emocional momentânea, ilusão de pertença. Egoísta forma de ser que suga o querer dos outros para se sustentar, para sentir uma rede rápida de carinho e abraço mas que reclama para si a indisponibilidade de reciprocidade. Para quê? Se vos é dado grátis um sentimento para que serve o esforço de lutar por ele, qual o propósito de envolvimento, de estar, dar a mão, partilhar silêncios e perder a possibilidade de ter mais e mais, melhor, diferente, sempre mais, outras.
Era assim, ante…

Das razões

Quero-te pela desarrumação incompreensível que somos. Quero-te pela forma como me procuras à noite na cama, ainda a dormir, de modo instintivo, apenas para te recostares do mundo e amaciares no meu calor. Quero-te (tanto) quando sais do mar, feliz e salgado, qual criança livre agarrado à prancha como se fosse o teu bem mais precioso, a tua melhor amiga, a porta para o teu refúgio. Quero-te pelos beijos inesperados, lentos, que invadem qual descarga eléctrica, e afirmam sem hesitações desejo e amor. Quero-te pela forma como te afundas num livro e tudo à volta entra em pause-still e, mesmo assim, de repente tocas-me no joelho, no cabelo, dás-me a mão. Quero-te porque sei que acreditas em mim e não me questionas, crês que posso mudar o mundo. Quero-te pela tesão, confiança, cumplicidade e pelas saudades que temos, ainda, sempre, um do outro. Quero-te por te rires quando começo a cantar músicas que gosto e ouço a tocar, esteja onde esteja. Quero-te por dançarmos na rua se preciso entre ga…