Avançar para o conteúdo principal

Crise Politica - onde pedir asilo?

Para já, a minha opção inicial são os Açores.

Receio que, visto de fora, o país já não seja alvo de uma intervenção do FMI. Creio que vão chegar, de um dia para o outro, Blackhawks alucinados, tropas com vestimentas altamente cromas, cheias de virilidade, e seremos alvo de uma intervenção do Alto Comissariado para Países Alucinados. 

Portugal seria leiloado (quer me parecer que seríamos comprados por Angola, 'tamos juntos né?), as prisões transferidas para a Madeira e o resto da população atirado para um campo de refugiados lá para lados da Galiza (eu peço desde já um livre transito para ir para os Açores... acho que me adapto à melancolia de ilhéu perdido no Atlântico).

Não, eu não estou doente... O país é que é demente! Doido varrido. Ninguém escapa. Está tudo passado dos cornos.

Ora nós estamos, caso se tenham esquecido, com um Governo demissionário, no meio de uma muita batida crise política sustentada pelo afundanço económico-financeiro, com dividas assim pró consideráveis a pagar às entidades externas, ainda este semestre. 

Apesar disso, o Presidente da Republica  decide tirar o fim de semana e em vez de acelerar as medidas a tomar (ex: falar com o Jaime Gama), adia para 2ª feira, como se fosse um mero assalariado que cumpre horário e está-se a borrifar. Amanha, retoma-se a intervenção presidencial, necessariamente à pressa porque chega Carlos e Camilla a este Ninho de Cucos. 

A oposição está já a escolher o mobiliário para quando forem governo e nos intervalos de dividir os futuros "jobs" , só fazem merda. Acham que o PEC IV foi vetado? Pois, pois, esperem pelo Plano Massamá e vão ver como as coisas vão doer. 

Mas como se nada disto passasse, como se não fosse grave, desde sexta feira que Portugal oscila entre a gargalhada com o desastre do Futre, que disparou que nem bala nas redes sociais, com a incredibilidade perante o que aconteceu para lados de Alvalade. As televisões transformaram as eleições de um clube desportivo (que nem sequer é o principal clube do país) numa noticia tão grande como a visita do papa, no mínimo. Todo o sábado a alimentar-se de uma coisa banalíssima que não merecia o destaque que teve.

Por fim, Alvalade esteve à altura do protagonismo que lhe foi dado. Pareciam eleições num pais africano. Que houve bandalheira, não há duvidas. Que houve manipulação nos votos, parece-me que sim. Seguiu-se o motim dos excelsos nobres sportinguistas. Pra' porrada, já somos iguais, mas eles é que são elitistas. 

Quem observar o que se passou, ao fim de horas e horas de contagem de votos (coisa mais arcaica), pensa: "porra, estes gajos são uns índios, nem na treta de um clube conseguem organizar-se. Mandemos os Tomahawks."

Se isto não bastasse, na passada 6ª feira os consumidores frenéticos tomaram de assalto Fnacs (no Dolce Vita, em 15m.), Wortens e Apple Stores para comprar Ipad2. No Chiado a fila, ao fim do dia, chegava á rua. Para quem não sabe, o mais baratinho dos Ipads 2 custa €479. Eu sei que é mais fino, mais leve, mais rápido, tem 2 câmeras, eu sei que é apetecível, eu percebo que há quem poupe para comprar; mas não entendo a afluência em massa, em histeria, nesta altura. 

Nós - Portugal - estamos a bater mal. 

Comentários

Mensagens populares deste blogue

A importância de se chamar Candidato

Numa altura em que as empresas recorrem cada vez mais às redes sociais para procurar candidatos a postos de trabalho (89%) e que 65% por cento é bem-sucedida, conseguindo contratações satisfatórias (Fonte: PR Comunicácion) convinha que as empresas de recrutamento e de executive search pensassem um bocadinho mais sobre o seu modus operandi.


Falo por experiência, por conhecimento e por não ter conseguido efectivar mudanças. 

O headhunter da velha guarda, armado em doutrina maquiavélica, que nunca leu, perspectiva o candidato como um meio para atingir um fim: facturar.  O candidato só serve enquanto servir os interesses do projecto. A satisfação do cliente é posta à frente de tudo e todos. Esta sobranceira linha de raciocínio,  a frio, tem alguma razão de ser. Quem paga as contas são os clientes. Como metodologia, é um erro crasso.
Num mercado concorrencial, um factor claramente diferenciador é a relação que se estabelece entre um consultor e os seus candidatos, pelo menos com aqueles que a…

gaja à beira da loucura

Isto pode paracer a demência absoluta mas já estou por tudo. A Alexandra Solnado (isso mesmo, este post vai por esse caminho...) dizia numa entrevista, há umas semanas, ao promover o seu mais recente "livro" que a maioria das pessoas que lhe aparecem para consultas, são pessoas doentes - jura?!
Agora, a sério, as pessoas padecem de doenças fisicas e, no seu desespero, que nem é discutivel porque cada um saberá o que se sente quando se chega a esse patamar, procuram ajuda ou conforto no projecto da Alexandra Solnado (é assim que se chama). Posto isto, explicava a Alexandra Solnado que as doenças são, não obstante, reflexos de outros problemas mais antigos ou e a outros níveis. Não me recordo dos exemplos que ela dava mas era algo como pessoas que tinham tido muitos desgostos e uma vida marcada pela tristeza, desenvolviam uma doença grave em especifico, localizada numa área do corpo em particular. 
Ora, e dando o beneficio da duvida a esta teoria (pois que temos a perder?), gosta…

Inesperadamente, a semana passada

Uns dias bons.
O  25 de Abril. Comer caracóis, os primeiros deste ano. Passear e trabalhar no Porto, deambular nos Clérigos. Diariamente, sessões de The Newsroom e Melhor do Que Falecer. O Pedro Mexia e os ferrinhos na emissão especial do Governo Sombra (e a banda sonora e a Manuela Azevedo e as citações certeiras de Salazar bem seleccionadas por Ricardo Araujo Pereira). O Benfica, tão grande! Opá, o Benfica ❤️