Avançar para o conteúdo principal

is anybody out there?

Ás vezes, sinto-me a pregar para o deserto.

O blog é um cantinho meu que serve de diário, sketch book, caixinha de pandora, fórum para atirar umas piadas, escrever as minhas lágrimas.

É, pois, uma coisa minha que partilho com quem cá apareça. É a minha forma de comunicar com o mundo.

Mas estará o mundo interessado? Ou preparado, sequer, para tanto disparate, tristeza, deambulação emocional, sentido critico, dor e alegria?

Haverá mesmo quem queira saber? Ajudo alguém? Irrito muito? Faço a diferença?

Como em tantas outras coisas, sinto-me impotente e pouco escutada. 

Não sei de onde vem esta vontade de "chegar" aos outros, mas sinto-a e pensei que o blog fosse uma forma de o conseguir, sem ter que me mostrar. Pelo menos, fisicamente que até dizem que é o que menos importa. 

Li outro dia que "the failure is an event, not a person". E aquilo tem andado a martelar na moleirinha... Quando as pessoas falham sucessivamente, não passa a ser uma condição da pessoa? E mesmo que falhar seja um acontecimento, não gerará efeitos em cadeia que provocam a metamorfose da pessoa? 

Alguém me ouve? Será que me tornei um evento?


Comentários

Tigrão disse…
Eu acabo por ler sempre tudo...
Mesmo que nem sempre concorde. Mas leio. És tu.
makejetomosso disse…
Onde é que eu já li isto, este tipo de dúvida? ... Ah! Já sei. Foi no filme "Julie & Julia".
Nisto dos blogues há sempre uma certeza: Alguém, um ou muitos, irá ler o que está aqui escrito. Alguém, algures, irá fazer uma pesquisa e irá tropeçar neste blogue. E um contador de visitas também não mente, sendo um bom indicador de quem visite este espaço. No meu espaço, eu costumo ter uma média de 300 visitas diárias e zero de comentários. Sei que muitos passam por lá mas que nada querem dizer ao que escrevo. É pena, sobretudo em posts que dão muito gozo fazer e dos quais se espera que exista feedback.
Sim, já tive muitas vezes estas dúvidas aqui descritas e sim, respondo que alguém te ouve. Por isso, a sugestão é: continuar sem ligar à falta de comentários que possam haver
Anónimo disse…
Diariamente
Joana disse…
Se te sentes bem a escrever, continua, Mónica... Há sempre alguém que lê, mesmo que não comente. Venho aqui algumas vezes :)
Falhar sucessivamente? Esquece lá isso!

Bjs

Mensagens populares deste blogue

gaja à beira da loucura

Isto pode paracer a demência absoluta mas já estou por tudo. A Alexandra Solnado (isso mesmo, este post vai por esse caminho...) dizia numa entrevista, há umas semanas, ao promover o seu mais recente "livro" que a maioria das pessoas que lhe aparecem para consultas, são pessoas doentes - jura?!
Agora, a sério, as pessoas padecem de doenças fisicas e, no seu desespero, que nem é discutivel porque cada um saberá o que se sente quando se chega a esse patamar, procuram ajuda ou conforto no projecto da Alexandra Solnado (é assim que se chama). Posto isto, explicava a Alexandra Solnado que as doenças são, não obstante, reflexos de outros problemas mais antigos ou e a outros níveis. Não me recordo dos exemplos que ela dava mas era algo como pessoas que tinham tido muitos desgostos e uma vida marcada pela tristeza, desenvolviam uma doença grave em especifico, localizada numa área do corpo em particular. 
Ora, e dando o beneficio da duvida a esta teoria (pois que temos a perder?), gosta…

A importância de se chamar Candidato

Numa altura em que as empresas recorrem cada vez mais às redes sociais para procurar candidatos a postos de trabalho (89%) e que 65% por cento é bem-sucedida, conseguindo contratações satisfatórias (Fonte: PR Comunicácion) convinha que as empresas de recrutamento e de executive search pensassem um bocadinho mais sobre o seu modus operandi.


Falo por experiência, por conhecimento e por não ter conseguido efectivar mudanças. 

O headhunter da velha guarda, armado em doutrina maquiavélica, que nunca leu, perspectiva o candidato como um meio para atingir um fim: facturar.  O candidato só serve enquanto servir os interesses do projecto. A satisfação do cliente é posta à frente de tudo e todos. Esta sobranceira linha de raciocínio,  a frio, tem alguma razão de ser. Quem paga as contas são os clientes. Como metodologia, é um erro crasso.
Num mercado concorrencial, um factor claramente diferenciador é a relação que se estabelece entre um consultor e os seus candidatos, pelo menos com aqueles que a…

Inesperadamente, a semana passada

Uns dias bons.
O  25 de Abril. Comer caracóis, os primeiros deste ano. Passear e trabalhar no Porto, deambular nos Clérigos. Diariamente, sessões de The Newsroom e Melhor do Que Falecer. O Pedro Mexia e os ferrinhos na emissão especial do Governo Sombra (e a banda sonora e a Manuela Azevedo e as citações certeiras de Salazar bem seleccionadas por Ricardo Araujo Pereira). O Benfica, tão grande! Opá, o Benfica ❤️