Avançar para o conteúdo principal

O casamento do ano







Até eu, que ligo tanto a casamentos como a pescada frita, fiquei comovida com o bom aspecto da boda real britânica.

Londres, pelo que vi, via TV, estava resplandecente. É certo que aquelas pessoas não nos são nada. E àqueles espectadores, apenas são a sua monarquia tantas vezes posta em causa. Mas deixe-mo-nos de tretas. 

É a família real inglesa. É o "nosso" William que vimos crescer (nas revistas, é certo) e que se portou como um verdadeiro rei no enterro da diva sua mãe. 

É o casamento da Cinderela, a filha de plebeus café-água-laranjada transformados em milionários do catering infantil. Não tem sangue azul, mas é controlada, moderada, bonita de uma forma muito natural, e sagaz. Do poster no quarto, passou a ter o príncipe na cama. Patrocinado ou não pelos esforços da mãe de a colocar no caminho de William, ela conseguiu-o. 

A nova Duquesa de Cambridge traz na mochila aquilo que William quer: estabilidade e uma familia não disfuncional. Ele entretanto pode mudar de ideias e começar na rambóia costumeira dos seus antepassados (familiares e raça masculina, mesmo!) mas ele quer construir aquilo que a mãe não conseguiu.

Por isto tudo, é uma festa catita. E houve quem estivesse mesmo à altura da coisa (a noiva desde logo, que não precisava de mais nada, nem brincos sumptuosos, nem colares bling bling nem o que seja: estava perfeita, no seu estilo tradicional, simples e, mesmo assim, jovem!), mas outras que mais valia ficarem em casa de pantufas a atafolhar-se de gelado e de fato de treino.



Pippa Middleton, fabulosa, como madrinha. Simple is beautiful!

Zara Phillips, próxima da sua boda. Ao seu estilo... e muito bem!

The Beckhams: os saltos dos Loboutins matam-me... a mulher está grávida!!!! Tirando isso, ele está mhamm mhamm e a Posh Vic leva um vestido de um azul que me apela ao coração (muito escuro), elegante e que cai bem com a gravidez.

Caroline & Jame Middleton

Mega dieta. Nota positiva para o look, elegante mas sem ser presunçoso, e pelo ar feliz.

Grace Kelly style. Mas adoro a cor do conjunto. Dispensava o pançudinho do Alberto.

Detesto esta cor. O vestido não é feio, mas aquele pendente, o alfinete, é tudo tão "xaloizinho"

Vai comer mas é paella. Que coisa mas sem graça, mais mortiço, mais aborrecido. Esta moça tem problemas. E não é só comer alpista

Comentários

Anónimo disse…
Adoro o outfit da Zara, mas tens que ver o da mulher do Duque de Kent, um charme.
Já a Letizia estava um verdadeira pão sem ponta de sal, um horror! Tendo em conta que Portugal não tem família real, gostava de ter na Let uma fiel depositária da minha veia monárquica. Imagino uma figura que transmita salero e a espontaneidade ibérica... uma Máxima da Holanda.
e nesta boda a maior ausência do ponto de vista stylist é, sem dúvida, a Noor e a Rania da Jordânia

Mensagens populares deste blogue

A importância de se chamar Candidato

Numa altura em que as empresas recorrem cada vez mais às redes sociais para procurar candidatos a postos de trabalho (89%) e que 65% por cento é bem-sucedida, conseguindo contratações satisfatórias (Fonte: PR Comunicácion) convinha que as empresas de recrutamento e de executive search pensassem um bocadinho mais sobre o seu modus operandi.


Falo por experiência, por conhecimento e por não ter conseguido efectivar mudanças. 

O headhunter da velha guarda, armado em doutrina maquiavélica, que nunca leu, perspectiva o candidato como um meio para atingir um fim: facturar.  O candidato só serve enquanto servir os interesses do projecto. A satisfação do cliente é posta à frente de tudo e todos. Esta sobranceira linha de raciocínio,  a frio, tem alguma razão de ser. Quem paga as contas são os clientes. Como metodologia, é um erro crasso.
Num mercado concorrencial, um factor claramente diferenciador é a relação que se estabelece entre um consultor e os seus candidatos, pelo menos com aqueles que a…

Da alegria

Gosto desses olhos que se iluminam e que pausam em mim como se nada mais existisse naquele longo momento. Esse olhar decidido, seguro, revelador de um modo de estar ciente do que se quer e descomplicado.
Fazes-me rir. Como se o mundo fosse fácil. Como se salvar-me das trevas não fosse uma missão mas sim manter-me saciada, livre, às gargalhadas, serena e em silencio, a ler com as pernas esticadas sobre ti.

Gosto das madrugadas de surf, mesmo ao frio. Dos beijos salgados e daquele teu cheiro misturado com água gelada. O cheiro que ainda hoje me faz ficar apreensiva, receosa, quando acordo a meio da noite e te ouço a respirar devagarinho e aquele cheiro está encostado a mim. E como aquele cheiro me apareceu e inundou de alegria.

I shine

Kiss me before you break my heart. There is still room to be damaged for every breath I take on myself and for myself. I regain confidence on me on every touch of you, even those that will be lost. 
The shivers running down on my spine awaken me and allow me to make you feel stronger, bolder, in love with life. 
I expand my senses while you will torn my world apart. We are under the same sky but I am meant to be a trail of light rather than a guiding star. 
I will burn your soul and you will break my heart. Yet I shine. So, kiss me and let's pretend.