Avançar para o conteúdo principal

Portugal - Lado A

Os comboios em Portugal, sobretudo InterCidades e Alfa, que conheço melhor, funcionam bem. Aparentemente. Pelo menos, até o suburbano Entrecampos -Oriente anda a horas. 

Temos que ficar contentes, ainda que, a bem da verdade, só façam o que lhes compete. 

Porém, num país em que tudo anda à vontade do desvario de terceiros e à rédea solta da parvoíce, é de louvar.

Continuando pela positiva, kindaof. Ir ao Centro de Emprego é sempre mas sempre deprimente. Reina um silêncio constrangedor. As pessoas não se olham, embaraçadas. Cheira a tensão no ar. Aperta. É uma sensação muito complicada.

Tendo que voltar a passar pelo "processo", só posso, no entanto, tecer elogios. Esperei 15 minutos para ser atendida e em 10 minutos estava despachada, a uma hora de almoço (mais pessoas menos colaboradores, em teoria).

Tudo é tratado informaticamente e só fiquei com um papel assinado, carimbado como prova que passei pela casa de partida, outra vez. E mesmo esse, fui eu que levei de casa, no Centro tudo é registado digitalmente. Dão um dossier com informação, direitos e deveres, e todos foram super amáveis.

Na primeira apresentação quinzenal, idem. Fui atendida quase de imediato por uma funcionária afável, bem disposta e diligente. 

Não sendo um contexto fácil, quem lida com ela, diariamente, aparentemente, ganhou algumas capacidades de ser colaborativo e positivo na medida certa. Para quem está do lado de "cá", é muito menos doloroso. 

Como em tudo, a generalização é tanto um risco como, por vezes, um erro. Mesmo assim, definitivamente algo melhorou nestes últimos anos em alguns serviços públicos (mais rápidos, eficazes) e no comportamento das pessoas que dão a cara. Nem tudo é mau. Pena, serem bolsas revolucionárias de boas práticas mas o caminho faz-se andando...
 

Comentários

Mensagens populares deste blogue

gaja à beira da loucura

Isto pode paracer a demência absoluta mas já estou por tudo. A Alexandra Solnado (isso mesmo, este post vai por esse caminho...) dizia numa entrevista, há umas semanas, ao promover o seu mais recente "livro" que a maioria das pessoas que lhe aparecem para consultas, são pessoas doentes - jura?!
Agora, a sério, as pessoas padecem de doenças fisicas e, no seu desespero, que nem é discutivel porque cada um saberá o que se sente quando se chega a esse patamar, procuram ajuda ou conforto no projecto da Alexandra Solnado (é assim que se chama). Posto isto, explicava a Alexandra Solnado que as doenças são, não obstante, reflexos de outros problemas mais antigos ou e a outros níveis. Não me recordo dos exemplos que ela dava mas era algo como pessoas que tinham tido muitos desgostos e uma vida marcada pela tristeza, desenvolviam uma doença grave em especifico, localizada numa área do corpo em particular. 
Ora, e dando o beneficio da duvida a esta teoria (pois que temos a perder?), gosta…

Inesperadamente, a semana passada

Uns dias bons.
O  25 de Abril. Comer caracóis, os primeiros deste ano. Passear e trabalhar no Porto, deambular nos Clérigos. Diariamente, sessões de The Newsroom e Melhor do Que Falecer. O Pedro Mexia e os ferrinhos na emissão especial do Governo Sombra (e a banda sonora e a Manuela Azevedo e as citações certeiras de Salazar bem seleccionadas por Ricardo Araujo Pereira). O Benfica, tão grande! Opá, o Benfica ❤️

A importância de se chamar Candidato

Numa altura em que as empresas recorrem cada vez mais às redes sociais para procurar candidatos a postos de trabalho (89%) e que 65% por cento é bem-sucedida, conseguindo contratações satisfatórias (Fonte: PR Comunicácion) convinha que as empresas de recrutamento e de executive search pensassem um bocadinho mais sobre o seu modus operandi.


Falo por experiência, por conhecimento e por não ter conseguido efectivar mudanças. 

O headhunter da velha guarda, armado em doutrina maquiavélica, que nunca leu, perspectiva o candidato como um meio para atingir um fim: facturar.  O candidato só serve enquanto servir os interesses do projecto. A satisfação do cliente é posta à frente de tudo e todos. Esta sobranceira linha de raciocínio,  a frio, tem alguma razão de ser. Quem paga as contas são os clientes. Como metodologia, é um erro crasso.
Num mercado concorrencial, um factor claramente diferenciador é a relação que se estabelece entre um consultor e os seus candidatos, pelo menos com aqueles que a…