Avançar para o conteúdo principal

Leiam!!!

Há muito tempo que não me identificava tanto com um livro. ADOREI!

Enquanto lia (consumia), revia-me, completamente, na personagem. Além de me fazer conseguir rir de coisas que podem ser muito complicadas de lidar na vida de uma pessoa, senti-me menos sozinha. Afinal há mais pessoas que passam pelo mesmo.

Li o original mas recomendo a versão traduzida.

________________________________________________________


A Pergaminho, através de Kasey Edwards, procura responder a uma pergunta que mais cedo ou mais tarde todo mundo coloca: «Fartos de Tudo aos 30 & Tal – O que acontece quando se acorda sem vontade de trabalhar… NUNCA MAIS! ». «Esta memória hilariante fez-nos rir do princípio ao fim – e fez-nos perceber que não somos as únicas a sentir-nos um pouco assoberbadas pela vida», escreve o Heat Magazine.


«Fartos de Tudo aos 30 & Tal – O que acontece quando se acorda sem vontade de trabalhar… NUNCA MAIS! », de Kasey Edwards 


«Sabia que:


• 98% das pessoas admite estar infeliz no emprego?
• 26% das mulheres que ocupam posições de direcção não ambicionam ser promovidas?
• 1 em cada 15 pessoas abaixo dos 35 anos já abandonou um trabalho pago para se dedicar a actividades de «desenvolvimento pessoal» -- e metade das pessoas abaixo dos 35 anos tenciona fazê-lo em breve?


O que se passa com a nova geração de trabalhadores? 


Todos nós já tivemos aquela sensação de acordar sem vontade de ir para o trabalho; afinal, há tanta coisa interessante que se pode fazer das 9h00 às 5h00 (ou, como é o caso da maior parte dos horários de trabalho hoje em dia, das 8h00 às 22h00). Mas o que acontece quando não se tem vontade de ir para o trabalho? Ao longo dos últimos anos verifica-se uma verdadeira epidemia de descontentamento. As condições de trabalho são cada vez mais precárias, os ambientes cada vez mais competitivos e as pessoas estão cada vez menos dispostas a tolerá-los pelo vago objectivo de «ganhar a vida». Ser-se empreendedor e ter um projecto próprio parece estar cada vez mais ao nosso alcance – e deixar tudo para começar uma vida nova já não é uma utopia.


Kasey Edwards explica o que se deve ou não fazer, quando a procura pelo sentido da vida se sobrepõe à «caça» da próxima promoção» 

in http://diariodigital.sapo.pt

Comentários

Filipa disse…
Fiquei curiosa relativamente a este livro!!

http://styleloveandsushi.blogspot.com
Mónica disse…
Filipa, é muito giro e põe o dedo em mts feridas. sobretudo como somos tratados pelas empresas
Patricia disse…
Adorei a sugestão. Vou procurar e ler. Adoro ler! Obrigada pela dica :)

Mensagens populares deste blogue

gaja à beira da loucura

Isto pode paracer a demência absoluta mas já estou por tudo. A Alexandra Solnado (isso mesmo, este post vai por esse caminho...) dizia numa entrevista, há umas semanas, ao promover o seu mais recente "livro" que a maioria das pessoas que lhe aparecem para consultas, são pessoas doentes - jura?!
Agora, a sério, as pessoas padecem de doenças fisicas e, no seu desespero, que nem é discutivel porque cada um saberá o que se sente quando se chega a esse patamar, procuram ajuda ou conforto no projecto da Alexandra Solnado (é assim que se chama). Posto isto, explicava a Alexandra Solnado que as doenças são, não obstante, reflexos de outros problemas mais antigos ou e a outros níveis. Não me recordo dos exemplos que ela dava mas era algo como pessoas que tinham tido muitos desgostos e uma vida marcada pela tristeza, desenvolviam uma doença grave em especifico, localizada numa área do corpo em particular. 
Ora, e dando o beneficio da duvida a esta teoria (pois que temos a perder?), gosta…

Inesperadamente, a semana passada

Uns dias bons.
O  25 de Abril. Comer caracóis, os primeiros deste ano. Passear e trabalhar no Porto, deambular nos Clérigos. Diariamente, sessões de The Newsroom e Melhor do Que Falecer. O Pedro Mexia e os ferrinhos na emissão especial do Governo Sombra (e a banda sonora e a Manuela Azevedo e as citações certeiras de Salazar bem seleccionadas por Ricardo Araujo Pereira). O Benfica, tão grande! Opá, o Benfica ❤️

A importância de se chamar Candidato

Numa altura em que as empresas recorrem cada vez mais às redes sociais para procurar candidatos a postos de trabalho (89%) e que 65% por cento é bem-sucedida, conseguindo contratações satisfatórias (Fonte: PR Comunicácion) convinha que as empresas de recrutamento e de executive search pensassem um bocadinho mais sobre o seu modus operandi.


Falo por experiência, por conhecimento e por não ter conseguido efectivar mudanças. 

O headhunter da velha guarda, armado em doutrina maquiavélica, que nunca leu, perspectiva o candidato como um meio para atingir um fim: facturar.  O candidato só serve enquanto servir os interesses do projecto. A satisfação do cliente é posta à frente de tudo e todos. Esta sobranceira linha de raciocínio,  a frio, tem alguma razão de ser. Quem paga as contas são os clientes. Como metodologia, é um erro crasso.
Num mercado concorrencial, um factor claramente diferenciador é a relação que se estabelece entre um consultor e os seus candidatos, pelo menos com aqueles que a…