Avançar para o conteúdo principal

Leiam!!!

Há muito tempo que não me identificava tanto com um livro. ADOREI!

Enquanto lia (consumia), revia-me, completamente, na personagem. Além de me fazer conseguir rir de coisas que podem ser muito complicadas de lidar na vida de uma pessoa, senti-me menos sozinha. Afinal há mais pessoas que passam pelo mesmo.

Li o original mas recomendo a versão traduzida.

________________________________________________________


A Pergaminho, através de Kasey Edwards, procura responder a uma pergunta que mais cedo ou mais tarde todo mundo coloca: «Fartos de Tudo aos 30 & Tal – O que acontece quando se acorda sem vontade de trabalhar… NUNCA MAIS! ». «Esta memória hilariante fez-nos rir do princípio ao fim – e fez-nos perceber que não somos as únicas a sentir-nos um pouco assoberbadas pela vida», escreve o Heat Magazine.


«Fartos de Tudo aos 30 & Tal – O que acontece quando se acorda sem vontade de trabalhar… NUNCA MAIS! », de Kasey Edwards 


«Sabia que:


• 98% das pessoas admite estar infeliz no emprego?
• 26% das mulheres que ocupam posições de direcção não ambicionam ser promovidas?
• 1 em cada 15 pessoas abaixo dos 35 anos já abandonou um trabalho pago para se dedicar a actividades de «desenvolvimento pessoal» -- e metade das pessoas abaixo dos 35 anos tenciona fazê-lo em breve?


O que se passa com a nova geração de trabalhadores? 


Todos nós já tivemos aquela sensação de acordar sem vontade de ir para o trabalho; afinal, há tanta coisa interessante que se pode fazer das 9h00 às 5h00 (ou, como é o caso da maior parte dos horários de trabalho hoje em dia, das 8h00 às 22h00). Mas o que acontece quando não se tem vontade de ir para o trabalho? Ao longo dos últimos anos verifica-se uma verdadeira epidemia de descontentamento. As condições de trabalho são cada vez mais precárias, os ambientes cada vez mais competitivos e as pessoas estão cada vez menos dispostas a tolerá-los pelo vago objectivo de «ganhar a vida». Ser-se empreendedor e ter um projecto próprio parece estar cada vez mais ao nosso alcance – e deixar tudo para começar uma vida nova já não é uma utopia.


Kasey Edwards explica o que se deve ou não fazer, quando a procura pelo sentido da vida se sobrepõe à «caça» da próxima promoção» 

in http://diariodigital.sapo.pt

Comentários

Filipa disse…
Fiquei curiosa relativamente a este livro!!

http://styleloveandsushi.blogspot.com
Mónica disse…
Filipa, é muito giro e põe o dedo em mts feridas. sobretudo como somos tratados pelas empresas
Patricia disse…
Adorei a sugestão. Vou procurar e ler. Adoro ler! Obrigada pela dica :)

Mensagens populares deste blogue

Do arrebatamento

O vestido caiu facilmente. Estava apenas preso pelas alças nos ombros magros e deslizou com vontade declarada pelo corpo, até ao chão, enquanto ela acendia uma única luz de presença.

Beijou-lhe o ventre. Sentiu-o a tremer. Antecipação. Expectativa. Sentia-lhe o calor sem sequer tocar. Era como uma fonte inesgotável de desejo prestes a desmoronar-se com um toque. Os dedos enfiaram-se entre a pele e a linha das cuecas de renda fazendo-as sair com mestria. Estava liberta, da máscara de tecidos, não das demais camadas de protecção. Tal não a impedia de arfar baixinho e com satisfação sob um rosto que perdia vergonha a cada caída da cabeça para trás.


Nua, encostada à parede fria, costas arqueadas, totalmente exposta viu-a a desmontar-se com cuidado ao primeiro beijo que se colou à boca como dali não houvera saída. Era intenso, forte, penetrante o modo como ela o arrastava para si com a língua e uma perna em torno da cintura.


Todo aquele momento era primário, selvagem, sem travões ainda que, e…

I shine

Kiss me before you break my heart. There is still room to be damaged for every breath I take on myself and for myself. I regain confidence on me on every touch of you, even those that will be lost. 
The shivers running down on my spine awaken me and allow me to make you feel stronger, bolder, in love with life. 
I expand my senses while you will torn my world apart. We are under the same sky but I am meant to be a trail of light rather than a guiding star. 
I will burn your soul and you will break my heart. Yet I shine. So, kiss me and let's pretend.

Da alegria

Gosto desses olhos que se iluminam e que pausam em mim como se nada mais existisse naquele longo momento. Esse olhar decidido, seguro, revelador de um modo de estar ciente do que se quer e descomplicado.
Fazes-me rir. Como se o mundo fosse fácil. Como se salvar-me das trevas não fosse uma missão mas sim manter-me saciada, livre, às gargalhadas, serena e em silencio, a ler com as pernas esticadas sobre ti.

Gosto das madrugadas de surf, mesmo ao frio. Dos beijos salgados e daquele teu cheiro misturado com água gelada. O cheiro que ainda hoje me faz ficar apreensiva, receosa, quando acordo a meio da noite e te ouço a respirar devagarinho e aquele cheiro está encostado a mim. E como aquele cheiro me apareceu e inundou de alegria.