Avançar para o conteúdo principal

Meninas, acordem pra' vida!

"After we made love I knew it was over. Did I ever really love Big or was I addicted to the pain? The exquisite pain of wanting someone so unattainable?"

- Carrie Bradshaw



Esta sempre foi das minhas frases preferidas do Sexo & a Cidade.


Ao falar ontem com a S. e com a D., duas miúdas  (muito) giras, mas sem sorte alguma no que toca ao romance fiquei com a sensação que o medo de estar só faz com muito mulherio prefira sofrer pelo que sabem, racionalmente, não ter remédio.

A D., sobretudo, é um clássico. Há dois anos voltou a reencontrar-se, de todas as formas e feitios, com "O" namorado da adolescência. Na altura não os conhecia, mas consta que o desfecho do amor juvenil foi de choradeira pra' cima durante semanas. O gajo tinha arranjado outra. Só por isso, e independentemente de ele ter 17 anos aquando da ocorrência dos factos, nunca mais lhe daria uma abébia. Vá, quanto muito uma night to remember, 15 anos depois mas sem direito a pequeno almoço e adeus e um queijo da serra.

D. achou que o reencontro era kármico (isto já sou eu a disparatar) e voltou apostar no cavalo. O sacaninha não consegue manter-se é dentro da box. Vai daí que o rapaz, que insistia em ter uns dias de férias em Espanha com amigos (ele tem um mês inteiro de férias, ela 2 semanas, nestes moldes íam estar junto um fim de semana), aborrecido porque ela o estava a massacrar com a ideia, chateou-se e, assim, no meio de uma conversa mais acalorada, pô-la a andar. Qu'é como quem diz: "a casa é minha, pega nas coisinhas (tipo, já), eu vou de férias para Espanha e tu não deixes cá nem um sapato que seja".

Agora que ela está assim pró desalojada, a viver com a irmã recém-divorciada (reina uma alegria naquele T1, que nem vos conto), lá vai dando a conhecer um bocadinho mais da sua love story. O tipo gostava de estourar dinheiro em noitadas e whisky, ao ponto de ser ela, que ganha bastante menos que ele, a suportar as contas todas. Vivia sempre em grande estilo, festas e paródias e a D. para o acompanhar andava sempre com umas olheiras negras como África. Já para não falar na guerrilha psicológica que lhe infligia sempre a dar entender que não estava feliz na relação, mas logo de seguida era só baba e amor.

Culpa? Dela. Que aguentou. E caladinha.

Mas ao pé destes meninos, o Big era um santo (já para não falar do closet no Filme 1 e o anel com diamante negro no Filme 2 ...pensando bem, o Big é o máximo!).

Comentários

Mensagens populares deste blogue

gaja à beira da loucura

Isto pode paracer a demência absoluta mas já estou por tudo. A Alexandra Solnado (isso mesmo, este post vai por esse caminho...) dizia numa entrevista, há umas semanas, ao promover o seu mais recente "livro" que a maioria das pessoas que lhe aparecem para consultas, são pessoas doentes - jura?!
Agora, a sério, as pessoas padecem de doenças fisicas e, no seu desespero, que nem é discutivel porque cada um saberá o que se sente quando se chega a esse patamar, procuram ajuda ou conforto no projecto da Alexandra Solnado (é assim que se chama). Posto isto, explicava a Alexandra Solnado que as doenças são, não obstante, reflexos de outros problemas mais antigos ou e a outros níveis. Não me recordo dos exemplos que ela dava mas era algo como pessoas que tinham tido muitos desgostos e uma vida marcada pela tristeza, desenvolviam uma doença grave em especifico, localizada numa área do corpo em particular. 
Ora, e dando o beneficio da duvida a esta teoria (pois que temos a perder?), gosta…

Inesperadamente, a semana passada

Uns dias bons.
O  25 de Abril. Comer caracóis, os primeiros deste ano. Passear e trabalhar no Porto, deambular nos Clérigos. Diariamente, sessões de The Newsroom e Melhor do Que Falecer. O Pedro Mexia e os ferrinhos na emissão especial do Governo Sombra (e a banda sonora e a Manuela Azevedo e as citações certeiras de Salazar bem seleccionadas por Ricardo Araujo Pereira). O Benfica, tão grande! Opá, o Benfica ❤️

A importância de se chamar Candidato

Numa altura em que as empresas recorrem cada vez mais às redes sociais para procurar candidatos a postos de trabalho (89%) e que 65% por cento é bem-sucedida, conseguindo contratações satisfatórias (Fonte: PR Comunicácion) convinha que as empresas de recrutamento e de executive search pensassem um bocadinho mais sobre o seu modus operandi.


Falo por experiência, por conhecimento e por não ter conseguido efectivar mudanças. 

O headhunter da velha guarda, armado em doutrina maquiavélica, que nunca leu, perspectiva o candidato como um meio para atingir um fim: facturar.  O candidato só serve enquanto servir os interesses do projecto. A satisfação do cliente é posta à frente de tudo e todos. Esta sobranceira linha de raciocínio,  a frio, tem alguma razão de ser. Quem paga as contas são os clientes. Como metodologia, é um erro crasso.
Num mercado concorrencial, um factor claramente diferenciador é a relação que se estabelece entre um consultor e os seus candidatos, pelo menos com aqueles que a…