Avançar para o conteúdo principal

Como nós somos

No Facebook, um senhor inteligente lançou uma questão pertinente. Queixava-se ele de que, observando os condutores, no seu caminho casa-trabalho, em poucos minutos tinha observado 5 pessoas a conduzir e a falar ao telefone (ODEIO, é das coisas que menos suporto nas pessoas!).

Ao falar com uma amiga, apeteceu-me apertá-la com mimo entre os braços, retirando-lhe parte da dor de ter assumido uma relação com um gajo egocêntrico, mentiroso, que geriu o andamento da coisa à medida dos seus interesses e caprichos. 

O que uma coisa tem a ver com a outra? TUDO. 

Ambas situações encaixam na minha ideia de que, fundamentalmente, somos (ou nos fomos transformando) uma sociedade altamente egoísta. Centrá-mo-nos no "Eu" e perdemos a noção do "Nós". Somos seres individualistas mesmo quando vivemos em comunidade ou estamos em família. 

Daí a falta de respeito pelo outro. 

Eu quero / preciso falar ao telefone enquanto conduzo, não me interessa o perigo dos outros e a lei comum a todos. Quando estamos numa relação, o "eu" tende a querer sobrepor-se e as não cedências ou o empenho (necessário) que dá trabalho, leva às separaçoes porque cada uma das partes "puxa para o seu lado" e não lhe apetece a trabalheira de ter objectivos comuns. Daí, também, o modo como lixamos e somos lixados no local de trabalho; ou as disputas tontas com tios,  irmãos ou  primos; ou a falta de civismo para quem é vizinho, ou partilha a mesma praia, etc. Primeiro está o "eu". 

Como filha única (com uma irmã à distância, tema que não interessa para agora), a fama de egoísta já a tenho e, algumas vezes, dou-lhe uso. Mas há uma diferença entre a auto-protecção do egoismo e o modus operandi da egotrip

Ilustrando com um exemplo concreto, que me delicia pela perversidade incoerente da coisa. No sitio onde eu vivo há uma tendência para que parte dos moradores achem que isto é o Melrose Place mas sem a piscina. São festas nas casas dos vizinhos, são confraternizações nocturnas aproveitando o clima quente, são encontros espontâneos pós-praia com pizzas mandadas vir, são jantares de convivio, são romances de cama, são beer mobs. Até parece que vai haver festa de Santos Populares (menos, tão menos!). 

Catita, não é? Porém, depois temos música em altos berros às 8 da manhã; berbequins pela noite dentro; cinza e beatas atiradas pelas janelas sem sequer olhar para quem pode eventualmente estar a passar; elevadores imundos depois de uma festa; condução contra-mão na garagem "na maior"; nem um "bom dia" ou "boa tarde" quando se entra ou se sai do elevador: num lugar de estacionamento está um carro, uma bicicleta, uma mota, calhando uma carroça, ocupando espaço indevido; se não se tivesse fechado o acesso pedonal os carros andariam por todo o lado, à velocidade que entendessem e estacionados quase à porta de casa ... perceberam o género? 

Civismo, nulo. Consideração pela colectividade, nula. Mas só gente porreira! Que existe, claro. Não obstante, há muitas reais bestas que partilham o mesmo espaço com um grande numero de pessoas. E, indicador neste micro-cosmo, de que raros são os que pensam "gostava que me fizessem isto?"

Pense nisso da próxima vez que estacionar em 2ª ou 3ª fila para ir ao supermercado ou à farmácia; ou que atirar lixo para o chão; que decidir mudar a mobilia na casa inteira às 10 da noite; que atraiçoar o/a seu/sua companheiro/a numa saida à noite, pelos copos e pelo "poder" de o fazer; ou que fugir aos impostos. 

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Do arrebatamento

O vestido caiu facilmente. Estava apenas preso pelas alças nos ombros magros e deslizou com vontade declarada pelo corpo, até ao chão, enquanto ela acendia uma única luz de presença.

Beijou-lhe o ventre. Sentiu-o a tremer. Antecipação. Expectativa. Sentia-lhe o calor sem sequer tocar. Era como uma fonte inesgotável de desejo prestes a desmoronar-se com um toque. Os dedos enfiaram-se entre a pele e a linha das cuecas de renda fazendo-as sair com mestria. Estava liberta, da máscara de tecidos, não das demais camadas de protecção. Tal não a impedia de arfar baixinho e com satisfação sob um rosto que perdia vergonha a cada caída da cabeça para trás.


Nua, encostada à parede fria, costas arqueadas, totalmente exposta viu-a a desmontar-se com cuidado ao primeiro beijo que se colou à boca como dali não houvera saída. Era intenso, forte, penetrante o modo como ela o arrastava para si com a língua e uma perna em torno da cintura.


Todo aquele momento era primário, selvagem, sem travões ainda que, e…

I shine

Kiss me before you break my heart. There is still room to be damaged for every breath I take on myself and for myself. I regain confidence on me on every touch of you, even those that will be lost. 
The shivers running down on my spine awaken me and allow me to make you feel stronger, bolder, in love with life. 
I expand my senses while you will torn my world apart. We are under the same sky but I am meant to be a trail of light rather than a guiding star. 
I will burn your soul and you will break my heart. Yet I shine. So, kiss me and let's pretend.

Da alegria

Gosto desses olhos que se iluminam e que pausam em mim como se nada mais existisse naquele longo momento. Esse olhar decidido, seguro, revelador de um modo de estar ciente do que se quer e descomplicado.
Fazes-me rir. Como se o mundo fosse fácil. Como se salvar-me das trevas não fosse uma missão mas sim manter-me saciada, livre, às gargalhadas, serena e em silencio, a ler com as pernas esticadas sobre ti.

Gosto das madrugadas de surf, mesmo ao frio. Dos beijos salgados e daquele teu cheiro misturado com água gelada. O cheiro que ainda hoje me faz ficar apreensiva, receosa, quando acordo a meio da noite e te ouço a respirar devagarinho e aquele cheiro está encostado a mim. E como aquele cheiro me apareceu e inundou de alegria.