Avançar para o conteúdo principal

O mal menor

Não sei se é do calor que não tolero, se é da altamente dispendiosa visita ao dentista, se é do Dias Loureiro regressar ao PSD como Conselheiro (nada como um ladrão corrupto para acompanhar o putativo lider do país), ou desta moleza que me atropelou com toda a força, mas só consigo pensar em cerejas.

Sempre que estou de mau com a vida, ou sinto azia ao país, penso em cerejas. 

Cerejas são das coisas que mais gosto e lembram-me uma primavera AMENA, primeiras idas à praia, o mar da Caparica, vida com sabor.

Depois de esplanadar um bocadinho e, em seguida cair na vida real, directamente no supermercado, por fim, em casa e já estando disponivel o podcast d' O Governo Sombra e, hellas, que bom. "Pentelhos, passo a expressão, de um modo geral é muito bom", diz Pedro Mexia.

O que faço? Voto em branco ou abstenho-me?

Quando passo na AR lembro-me sempre que estas eleições são mesmo muito importantes. 

Porém, depois começo a pensar nas opções e apetece-me agredir alguém como se fosse o Ken de Massamá, aka o Africano,  o senil Nobre, o desbocado Catroga, o "Speedy Gonzalez" Relvas, Paulo Portas e a demagogia irritante de um MP3. PS e a sua entourage contratada nos bairros limitrofes em troca de uma "bucha" é de bradar aos céus. O PCP e o BE não contam porque, reitero, como já disse em sede própria, recusaram-se a falar com a troika (que tomada de posição mais estupida!) e, além disso, não aguento mais o Louçã com seu estilo catequista conservador e o não suporto a ortodoxia ignorante do Bernardino Soares (mas, viva a Festa do Avante, sempre!). 

Voltando ao busilis, num país em:

- que o FCP passa de fininho pelas provas de corrupção; 
- que o BPP e o BPN, ou melhor os seus algozes se passeam impunes entre Cabo Verde e os restaurantes do Guincho; 
- que o PR tem a sua auto fama de impoluta mal explicada pela casa da coelha e pelas acções do BPN;
- que o 1º Ministro acabou o curso ao domingo; 
- em que o Armando Vara é uma referência de networking e lobbying (em troca de robalos, que coisa mais xafarica!) 


... votar pra' quê? Sair de casa a um domingo (que me custa tanto), com este calor (que ainda me custa muito mais) para ir a Benfica e chegar ao pé do boletim de voto e olhar para ele como se fosse um teste de acesso à Mckinsey? 

Não hei-de chorar eu sempre que vejo um gelado! Ando doente ... com esta realidade paralela em que o que verdadeiramente interessa é se o Domingos vem para Alvalade, se o Rui Costa sai ou não (ok, isto até tem alguma importância) ou qual mais miserável é o gordo bem exploradinho em prime time por gente cruel e alarve (não, não são os gordos, é mesmo quem vê).

Cerejas, vou drunfar-me com cerejas.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Do arrebatamento

O vestido caiu facilmente. Estava apenas preso pelas alças nos ombros magros e deslizou com vontade declarada pelo corpo, até ao chão, enquanto ela acendia uma única luz de presença.

Beijou-lhe o ventre. Sentiu-o a tremer. Antecipação. Expectativa. Sentia-lhe o calor sem sequer tocar. Era como uma fonte inesgotável de desejo prestes a desmoronar-se com um toque. Os dedos enfiaram-se entre a pele e a linha das cuecas de renda fazendo-as sair com mestria. Estava liberta, da máscara de tecidos, não das demais camadas de protecção. Tal não a impedia de arfar baixinho e com satisfação sob um rosto que perdia vergonha a cada caída da cabeça para trás.


Nua, encostada à parede fria, costas arqueadas, totalmente exposta viu-a a desmontar-se com cuidado ao primeiro beijo que se colou à boca como dali não houvera saída. Era intenso, forte, penetrante o modo como ela o arrastava para si com a língua e uma perna em torno da cintura.


Todo aquele momento era primário, selvagem, sem travões ainda que, e…

Das razões

Quero-te pela desarrumação incompreensível que somos. Quero-te pela forma como me procuras à noite na cama, ainda a dormir, de modo instintivo, apenas para te recostares do mundo e amaciares no meu calor. Quero-te (tanto) quando sais do mar, feliz e salgado, qual criança livre agarrado à prancha como se fosse o teu bem mais precioso, a tua melhor amiga, a porta para o teu refúgio. Quero-te pelos beijos inesperados, lentos, que invadem qual descarga eléctrica, e afirmam sem hesitações desejo e amor. Quero-te pela forma como te afundas num livro e tudo à volta entra em pause-still e, mesmo assim, de repente tocas-me no joelho, no cabelo, dás-me a mão. Quero-te porque sei que acreditas em mim e não me questionas, crês que posso mudar o mundo. Quero-te pela tesão, confiança, cumplicidade e pelas saudades que temos, ainda, sempre, um do outro. Quero-te por te rires quando começo a cantar músicas que gosto e ouço a tocar, esteja onde esteja. Quero-te por dançarmos na rua se preciso entre ga…

Dos maldiitos

via boudoir photography

Agora acordo com mensagens que iluminam o telemóvel e em que dás conta de como pensas em mim antes de dormir. E que o queres partilhar comigo porque agora sentes saudades minhas. Agora recebo telefonemas sem hora nem expectativa e a voz é meiga e quente. Não ouço nada do que dizes, as palavras apenas são ditas mas há muito que já não têm peso ou impacto.
Antes foi a indecisão. O jogo dos que não se comprometem, que querem atalhos facilitados para um espaço confortável de repouso, salvação emocional momentânea, ilusão de pertença. Egoísta forma de ser que suga o querer dos outros para se sustentar, para sentir uma rede rápida de carinho e abraço mas que reclama para si a indisponibilidade de reciprocidade. Para quê? Se vos é dado grátis um sentimento para que serve o esforço de lutar por ele, qual o propósito de envolvimento, de estar, dar a mão, partilhar silêncios e perder a possibilidade de ter mais e mais, melhor, diferente, sempre mais, outras.
Era assim, ante…