Avançar para o conteúdo principal

Das portas giratórias






Sentava-se todos os dias no mesmo café, quase sempre na mesma mesa, durante a tarde. Chegava mais cedo, ou não, dependendo do trabalho que tinha, feito em casa, ou da hora a que saía do cinema ou terminava a aula de História de Arte. 

Invariavelmente, pedia uma torrada, aparada, e um leite com chocolate Ucal. Fresco. Depois um café. Uma água. Os empregados já a conheciam, reagiam quase automaticamente à sua entrada, mas não havia espaço para conversas. Eram afáveis, ela sorria mas os olhos tristes de um castanho desiludido não concediam mais intimidade. 

Durante as horas que ficava, ora desenhava, ora lia, ora rabiscava ideias para um livro que nunca iria escrever, ora quedava-se apenas a observar a rua, os clientes oscilantes, a porta do hotel de design que abrira há menos de um ano, em frente ao seu casulo diário. 

A rotina instalara-se pouco depois do hotel ter aparecido na história. Antes ela apenas aparecia esporadicamente para um pequeno almoço rápido ou para comprar pão ao fim do dia, sempre com o uniforme formal de quem tinha uma carreira bem aceite aos olhos dos outros.

Às vezes, ao fim de semana, passava com roupa de jogging, ar relaxado e um cão por companhia. 

De repente, trocou as voltas e passou a marcar presença com a regularidade de um relógio suíço. Gostava daquela calma, de lhe respeitarem o silêncio, de lhe oferecerem um mini pastel de nata com o segundo café. 

Nesse dia folheava uma revista e contemplava as fotografias. Gostava de fotografias. Tinha perdido as suas todas numa mudança acidentada. Todo um passado, colorido, risonho, com pequenos traços de nada mas com a intensidade de uma grande onda, havia ficado nesses retratos. Nunca mais lhe haviam tirado uma fotografia que fosse. Nem deixaria. 

As horas passaram, arrumou a carteira quase vazia que arrastava no ombro, sentiu-se cansada demais para se  levantar. Queria ficar ali, pelo menos ali valia alguma coisa. Era uma peça que importava. Dariam pela sua falta se não voltasse.  Mais ninguém o faria. 

O peito apertou numa espécie de dor sem local certo, o nó na garganta quase a impedia de respirar. Não queria chorar, não ali. Onde conseguira ser alguém. Vivia remediada com aqueles fins de tarde. 

A custo, ergueu-se. Deu as "boas tardes" no modo desajeitadamente tímido, saiu devagar e não esperou que a chuva, que começara pouco a pouco para se transformar numa cadência consistente e fria, passasse. 

Seguiu caminho sem protecção e sem pressa. Já não sabia o que era a ansiedade do relógio, a pressão das horas e, mesmo assim, a vida passava-lhe num instante, como as portas rotativas do hotel. Cada volta, era uma fracção de vida. E as portas não rodavam ao contrário. 


Continuou adiante. Já não era pobre nem rica,  feliz ou triste, amável ou dura. Formara a sua própria categoria, de expectativas giratórias como as portas do hotel. A chuva ensopou-a por completo e os pensamentos cessaram. 

(2011)

Comentários

Mensagens populares deste blogue

gaja à beira da loucura

Isto pode paracer a demência absoluta mas já estou por tudo. A Alexandra Solnado (isso mesmo, este post vai por esse caminho...) dizia numa entrevista, há umas semanas, ao promover o seu mais recente "livro" que a maioria das pessoas que lhe aparecem para consultas, são pessoas doentes - jura?!
Agora, a sério, as pessoas padecem de doenças fisicas e, no seu desespero, que nem é discutivel porque cada um saberá o que se sente quando se chega a esse patamar, procuram ajuda ou conforto no projecto da Alexandra Solnado (é assim que se chama). Posto isto, explicava a Alexandra Solnado que as doenças são, não obstante, reflexos de outros problemas mais antigos ou e a outros níveis. Não me recordo dos exemplos que ela dava mas era algo como pessoas que tinham tido muitos desgostos e uma vida marcada pela tristeza, desenvolviam uma doença grave em especifico, localizada numa área do corpo em particular. 
Ora, e dando o beneficio da duvida a esta teoria (pois que temos a perder?), gosta…

Inesperadamente, a semana passada

Uns dias bons.
O  25 de Abril. Comer caracóis, os primeiros deste ano. Passear e trabalhar no Porto, deambular nos Clérigos. Diariamente, sessões de The Newsroom e Melhor do Que Falecer. O Pedro Mexia e os ferrinhos na emissão especial do Governo Sombra (e a banda sonora e a Manuela Azevedo e as citações certeiras de Salazar bem seleccionadas por Ricardo Araujo Pereira). O Benfica, tão grande! Opá, o Benfica ❤️

Organismos Unicelulares ...

"alimentam-se" de pequenos prazeres (no pouco tempo) quando não estão a trabalhar (como é o caso!).





Filme para incomodar, para gerar desconforto, que nos deixa sem conseguir estar sentados. Um filme que não é para quem não se gosta de ver ao "espelho".  A ultima cena, explica tudo. 


Por fim, TV Cine Séries. YES!



National Geographic, às 2ª F

A rever. O Original. Só este interessa. 



De volta. Gente estranha. Dia 25!