Avançar para o conteúdo principal

Das portas giratórias






Sentava-se todos os dias no mesmo café, quase sempre na mesma mesa, durante a tarde. Chegava mais cedo, ou não, dependendo do trabalho que tinha, feito em casa, ou da hora a que saía do cinema ou terminava a aula de História de Arte. 

Invariavelmente, pedia uma torrada, aparada, e um leite com chocolate Ucal. Fresco. Depois um café. Uma água. Os empregados já a conheciam, reagiam quase automaticamente à sua entrada, mas não havia espaço para conversas. Eram afáveis, ela sorria mas os olhos tristes de um castanho desiludido não concediam mais intimidade. 

Durante as horas que ficava, ora desenhava, ora lia, ora rabiscava ideias para um livro que nunca iria escrever, ora quedava-se apenas a observar a rua, os clientes oscilantes, a porta do hotel de design que abrira há menos de um ano, em frente ao seu casulo diário. 

A rotina instalara-se pouco depois do hotel ter aparecido na história. Antes ela apenas aparecia esporadicamente para um pequeno almoço rápido ou para comprar pão ao fim do dia, sempre com o uniforme formal de quem tinha uma carreira bem aceite aos olhos dos outros.

Às vezes, ao fim de semana, passava com roupa de jogging, ar relaxado e um cão por companhia. 

De repente, trocou as voltas e passou a marcar presença com a regularidade de um relógio suíço. Gostava daquela calma, de lhe respeitarem o silêncio, de lhe oferecerem um mini pastel de nata com o segundo café. 

Nesse dia folheava uma revista e contemplava as fotografias. Gostava de fotografias. Tinha perdido as suas todas numa mudança acidentada. Todo um passado, colorido, risonho, com pequenos traços de nada mas com a intensidade de uma grande onda, havia ficado nesses retratos. Nunca mais lhe haviam tirado uma fotografia que fosse. Nem deixaria. 

As horas passaram, arrumou a carteira quase vazia que arrastava no ombro, sentiu-se cansada demais para se  levantar. Queria ficar ali, pelo menos ali valia alguma coisa. Era uma peça que importava. Dariam pela sua falta se não voltasse.  Mais ninguém o faria. 

O peito apertou numa espécie de dor sem local certo, o nó na garganta quase a impedia de respirar. Não queria chorar, não ali. Onde conseguira ser alguém. Vivia remediada com aqueles fins de tarde. 

A custo, ergueu-se. Deu as "boas tardes" no modo desajeitadamente tímido, saiu devagar e não esperou que a chuva, que começara pouco a pouco para se transformar numa cadência consistente e fria, passasse. 

Seguiu caminho sem protecção e sem pressa. Já não sabia o que era a ansiedade do relógio, a pressão das horas e, mesmo assim, a vida passava-lhe num instante, como as portas rotativas do hotel. Cada volta, era uma fracção de vida. E as portas não rodavam ao contrário. 


Continuou adiante. Já não era pobre nem rica,  feliz ou triste, amável ou dura. Formara a sua própria categoria, de expectativas giratórias como as portas do hotel. A chuva ensopou-a por completo e os pensamentos cessaram. 

(2011)

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Da alegria

Gosto desses olhos que se iluminam e que pausam em mim como se nada mais existisse naquele longo momento. Esse olhar decidido, seguro, revelador de um modo de estar ciente do que se quer e descomplicado.
Fazes-me rir. Como se o mundo fosse fácil. Como se salvar-me das trevas não fosse uma missão mas sim manter-me saciada, livre, às gargalhadas, serena e em silencio, a ler com as pernas esticadas sobre ti.

Gosto das madrugadas de surf, mesmo ao frio. Dos beijos salgados e daquele teu cheiro misturado com água gelada. O cheiro que ainda hoje me faz ficar apreensiva, receosa, quando acordo a meio da noite e te ouço a respirar devagarinho e aquele cheiro está encostado a mim. E como aquele cheiro me apareceu e inundou de alegria.

A importância de se chamar Candidato

Numa altura em que as empresas recorrem cada vez mais às redes sociais para procurar candidatos a postos de trabalho (89%) e que 65% por cento é bem-sucedida, conseguindo contratações satisfatórias (Fonte: PR Comunicácion) convinha que as empresas de recrutamento e de executive search pensassem um bocadinho mais sobre o seu modus operandi.


Falo por experiência, por conhecimento e por não ter conseguido efectivar mudanças. 

O headhunter da velha guarda, armado em doutrina maquiavélica, que nunca leu, perspectiva o candidato como um meio para atingir um fim: facturar.  O candidato só serve enquanto servir os interesses do projecto. A satisfação do cliente é posta à frente de tudo e todos. Esta sobranceira linha de raciocínio,  a frio, tem alguma razão de ser. Quem paga as contas são os clientes. Como metodologia, é um erro crasso.
Num mercado concorrencial, um factor claramente diferenciador é a relação que se estabelece entre um consultor e os seus candidatos, pelo menos com aqueles que a…

I shine

Kiss me before you break my heart. There is still room to be damaged for every breath I take on myself and for myself. I regain confidence on me on every touch of you, even those that will be lost. 
The shivers running down on my spine awaken me and allow me to make you feel stronger, bolder, in love with life. 
I expand my senses while you will torn my world apart. We are under the same sky but I am meant to be a trail of light rather than a guiding star. 
I will burn your soul and you will break my heart. Yet I shine. So, kiss me and let's pretend.