Avançar para o conteúdo principal

E, hoje, foi assim!

Andei de saltos, o dia inteiro. Pumps peeptoe cinza com 10cm de salto, Mango, colecção SS 2010. Estou, pois, que não posso. 

Mas hoje não houve politica (ainda se discutiu um bocadinho, porque com o António Moura é sempre um gosto!), não houve trânsito, não houve futebol (ok, ok, ainda houve picardia com umas pessoas do FCP), não houve chuva, e, raramente, Facebook. 

Hoje estive a acompanhar o lançamento da nova colecção BEE MY BABY da Chaumet, em apresentação exclusiva em Portugal na Machado Joalheiro de Lisboa. 

Lá estive a acompanhar a festarola. O catering ... muito bom! Os barquinhos de caril, deliciosos! Os mini duchesse, de babar! A salada, os morangos, os raviolli (que eram outra coisa que não me lembro!) de rucula molhados em molho de iogurte... FAB! Chá de menta, sumo de abacaxi com hortelã e o champanhe, bom, muito, muito catita.

Da colecção (ai, maravilhosas alianças!) amanhã falarei com mais calma e dados detalhados. Para já, c'est ça suffit! Porém, queria agradecer à Machado Joalheiro e à OMoura (António Moura & Fernanda Lamelas) a oportunidade de ver as peças em primeira mão e ter assistido à dinâmica de um evento destes (Media, Vips, amantes de coisas bonitas!). 

Durante o dia, conheci uma pessoa girissima. Daquelas que nos entram pela tv, há já alguns anos  e que se impõem pela beleza, tornando-se quase irreais. 

Ora, pois que não é que a estrela de tv é uma porreira? Simples, divertida, acolhedora, uma bem disposta. E não é que ate gostamos muito de farturas de Viseu que, sim, são mesmo diferentes? 

Fiquei encantada. Além de podre de boa, é uma pessoa hiper acessível e boa onda. Daquelas pessoas que, famosa ou anónima, é um prazer conhecer. 
Também lá passou a Monica Lice do blog Mini Saia. Foi óptimo finalmente falar com ela. É giro ver alguèm que se lê diariamente ganhar forma à nossa frente e ser tão simpática. Com uns óculos de sol Prada que lhe gabo a coragem pela utilização.

Acresce que a Fernanda Lamelas ainda me "apresentou" o Blog The Blonde Salad. Estou a gostar!!!

Foi, de facto, diferente e surpreendente. 

Aqui ficam amostras: 




Sónia, o anjo da guarda da Machado Joalheiro Lisboa.



Fernanda, sexy lady. 

Atrás, equipa Machado Boys.



Ainda ía o sofrimento no inicio.


Comentários

Mensagens populares deste blogue

Das pequenas coisas

Talvez sejam as pequenas coisas. Como uma música que se ouve por acaso e se torna uma descoberta que nos marca um trânsito. Como um gelado fora de horas e com o sabor simplesmente certo de caramelo tal qual na nossa infância. Como aquele instante rápido entre fazer-nos à onda e o mar que nos toma por completo, nos restitui a energia e nos devolve ao mundo.
Terão que ser as pequenas coisas. A partir delas, tudo se enreda e o equilibro pesa para o complicado. Sinuosos os caminhos para que nos encontremos. Doloroso o andamento que faz que nos afastemos mais do que estejamos próximos mesmo quando tudo aponta para que haja uma cumplicidade e uma ligação súbita mas forte e consistente.
O toque é denunciador. Desmantela as forças e faz sucumbir com tamanho ardor. O beijo que transporta silêncio, paz, meta. O abraço que acolhe uma gargalhada e o estranho sentido de que tudo está bem.
São estas pequenas coisas. Que são fáceis e leves e perenes. Tão frágeis. Acabam tão depressa. Nada há-de ser …

Dos maldiitos

via boudoir photography

Agora acordo com mensagens que iluminam o telemóvel e em que dás conta de como pensas em mim antes de dormir. E que o queres partilhar comigo porque agora sentes saudades minhas. Agora recebo telefonemas sem hora nem expectativa e a voz é meiga e quente. Não ouço nada do que dizes, as palavras apenas são ditas mas há muito que já não têm peso ou impacto.
Antes foi a indecisão. O jogo dos que não se comprometem, que querem atalhos facilitados para um espaço confortável de repouso, salvação emocional momentânea, ilusão de pertença. Egoísta forma de ser que suga o querer dos outros para se sustentar, para sentir uma rede rápida de carinho e abraço mas que reclama para si a indisponibilidade de reciprocidade. Para quê? Se vos é dado grátis um sentimento para que serve o esforço de lutar por ele, qual o propósito de envolvimento, de estar, dar a mão, partilhar silêncios e perder a possibilidade de ter mais e mais, melhor, diferente, sempre mais, outras.
Era assim, ante…

Do acosso

Este calor que se abateu com uma força agressiva consome qualquer resistência. O suor clandestino esbate vergonha e combate qual sabre as dúvidas. 
A noite feita à medida de libertinos cancela as vozes interiores que alertam para mais uma queda dolorosa. A brisa quente atordoa, embriaga no contacto com a pele. O tempo pára, as palavras suspendem entre olhares que sustentam no ar tórrido toda a narrativa; qual pornografia sem mácula, mas plena de pecado. A lua cheia transborda e dá luz à ausência de sanidade que percorre no corpo. Tudo parece possível, uma corrente de liberdade atravessa-nos com o sabor do quente esmagado.
E, mesmo assim, pulsa algo mais intenso. Mais derradeiro. Mais dominador. Mais perverso que o toque dos dedos. Mais agressivo que a temperatura irrespirável. O freio da impossibilidade. 
A intuição luta com o medo e na arena o medo mesmo que picado tem sempre muita força. O medo acossa-nos.