Avançar para o conteúdo principal

Filosofia de Blogues II

Não sou expert em design, moda ou aconselhamento personalizado sobre o que vestir.

Tenho o meu próprio gosto, acompanho tendências e devoro revistas em busca de novos cremes, vernizes, carteiras. Não tenho nem budget nem corpo para grandes produções mas posso admirar e partilhar. E gosto mesmo de roupa. Adoro trapos.

O meu "cantinho blogueiro" não é patrocinado. Porque não quero. Tudo o que recomendo, e eu possua, paguei (ou o cartão de crédito pagou) ou são coisas que experimentei e gostei ou fui bem atendida ou são coisas de amigos. Apesar da sua modesta visibilidade, mas com visitantes muito estimados, já podia ter cá posto uns anúncios. Recuso-me. Nada contra, mas não é esse o meu objectivo. 

O meu "canto" é multitemático e mantem-se fiel àquilo que gosto, penso e digo, a bem ou a mal, sm grandes filtros. Goste quem goste, não comprometo os meus disparates para não ferir a imagem de marcas que cá estivessem publicitadas. 

Mais uma vez, nada contra. É só uma opção (PS: Prada, Gucci, Vuitton, Chanel, Marchesa, Dior, Uterque, Bimba y Lola, pra' voces, mi casa, su casa).

Divirto-me à brava a vaguear por blogs de pseudo-fashionistas, nos quais há ANÚNCIOS (!!!), e ver as coisas giras que aparecem.

Hoje deliciei-me com um blog em que a autora, super doutorada em conselhos de moda, aparece a mostrar os seus looks, com (e vamos por partes...):

- unhas dos pés, amarelo L'Oreal;
- unhas das mãos, rosa (laranja?);
- pulseiras Virgencitas (não há cu que aguente!!!) misturadas com Pandora (no fuckin' comments);
- relógio Eletta com brilhantes;
- top de folhos rematado com o pendente do sapato Blanhick da Tous (pessoalmente, acho possidónio mas sou só eu!).


Há outro elemento comum e fascinante a esta malta... A obsessão pela H&M (ok, tem coisas giras e bem em conta mas a qualidade das peças, na mão, deixa muitas vezes a desejar) e pela Blanco. Neste ultimo caso, acho mesmo caro para o que é, sobretudo caro para o estilo vulgarucho. 

Uma última consideração: quando um blog publicita o ultimo gel de banho de pêssego do Lidl, 5 ou 6 também o publicitam. E é sempre a ultima coca-cola do deserto.

Eu acho mesmo piada... Relógios Eletta Vilamoura... P'loamordasanta.



Comentários

Anónimo disse…
kakakakakaka. I clap my hands. Mt, mt mt bommmmm!

beijinhos, M.P do norte.
Dulce disse…
Bem, a julgar pela tua descrição... que combinação medonha!!! :$

Sigo alguns blogues do género, sobretudo para estar a par de novidades (promoções, lançamentos, etc) não tanto de tendências (essas são do domínio da Bíblia, leia-se, Vogue). E a verdade é que quando me cruzo com fotos do que vesti ontem, hoje e no baile da terrinha... irrita-me um bocadinho... haja pachorra para tanto narcisismo!!

Mensagens populares deste blogue

Do acosso

Este calor que se abateu com uma força agressiva consome qualquer resistência. O suor clandestino esbate vergonha e combate qual sabre as dúvidas. 
A noite feita à medida de libertinos cancela as vozes interiores que alertam para mais uma queda dolorosa. A brisa quente atordoa, embriaga no contacto com a pele. O tempo pára, as palavras suspendem entre olhares que sustentam no ar tórrido toda a narrativa; qual pornografia sem mácula, mas plena de pecado. A lua cheia transborda e dá luz à ausência de sanidade que percorre no corpo. Tudo parece possível, uma corrente de liberdade atravessa-nos com o sabor do quente esmagado.
E, mesmo assim, pulsa algo mais intenso. Mais derradeiro. Mais dominador. Mais perverso que o toque dos dedos. Mais agressivo que a temperatura irrespirável. O freio da impossibilidade. 
A intuição luta com o medo e na arena o medo mesmo que picado tem sempre muita força. O medo acossa-nos.

Dos maldiitos

via boudoir photography

Agora acordo com mensagens que iluminam o telemóvel e em que dás conta de como pensas em mim antes de dormir. E que o queres partilhar comigo porque agora sentes saudades minhas. Agora recebo telefonemas sem hora nem expectativa e a voz é meiga e quente. Não ouço nada do que dizes, as palavras apenas são ditas mas há muito que já não têm peso ou impacto.
Antes foi a indecisão. O jogo dos que não se comprometem, que querem atalhos facilitados para um espaço confortável de repouso, salvação emocional momentânea, ilusão de pertença. Egoísta forma de ser que suga o querer dos outros para se sustentar, para sentir uma rede rápida de carinho e abraço mas que reclama para si a indisponibilidade de reciprocidade. Para quê? Se vos é dado grátis um sentimento para que serve o esforço de lutar por ele, qual o propósito de envolvimento, de estar, dar a mão, partilhar silêncios e perder a possibilidade de ter mais e mais, melhor, diferente, sempre mais, outras.
Era assim, ante…

Das pequenas coisas

Talvez sejam as pequenas coisas. Como uma música que se ouve por acaso e se torna uma descoberta que nos marca um trânsito. Como um gelado fora de horas e com o sabor simplesmente certo de caramelo tal qual na nossa infância. Como aquele instante rápido entre fazer-nos à onda e o mar que nos toma por completo, nos restitui a energia e nos devolve ao mundo.
Terão que ser as pequenas coisas. A partir delas, tudo se enreda e o equilibro pesa para o complicado. Sinuosos os caminhos para que nos encontremos. Doloroso o andamento que faz que nos afastemos mais do que estejamos próximos mesmo quando tudo aponta para que haja uma cumplicidade e uma ligação súbita mas forte e consistente.
O toque é denunciador. Desmantela as forças e faz sucumbir com tamanho ardor. O beijo que transporta silêncio, paz, meta. O abraço que acolhe uma gargalhada e o estranho sentido de que tudo está bem.
São estas pequenas coisas. Que são fáceis e leves e perenes. Tão frágeis. Acabam tão depressa. Nada há-de ser …