Avançar para o conteúdo principal

Não deixa de ser irónico



No Benfica, o Nuno Gomes que vestia verdadeiramente o Manto Sagrado, foi "empurrado" pra' fora sem glória, depois de anos de dedicação e de humilhação à boca dos adeptos. Mea culpa, também muito o amaldiçoei porque não marcava golos e andava pra' ali aparentemente perdido. A verdade é que ele fazia falta onde andava disperso e sofreu com a incapacidade de treinadores de jeito que o soubessem "ler" (credo, pareço um escriba da bola) e lhe dessem espaço de manobra para ele fazer o que fazia de melhor: assistências e organização de jogo. E, já agora, bons marcadores / pontas de lança que lhe terminassem a empreitada.

Quando finalmente tinhamos equipa e um treinador lutador, puseram-no no banco, à espera, á espera. Sempre que entrava, marcava. Mantorras, em bom, portanto.

Mesmo assim, não escapou a um tratamento enxovalhante. E olhem que sou perita nestas coisas de ser mal tratada pelas entidades patronais. Já cá cantam 2 medalhas de alvo da real filha da putice.

No extremo oposto (em tudo o que seja concepção de clube, do jogo, de futebol no geral, de comportamento, de atitude, de arrogância, de vida), no FCP o treinador revelação, a maravilha que superava a Coca Cola no deserto, um aristocrata (eximio na mais vulgar "arte" da cuspidela e coça tintins) que amava o clube, um adepto oriundo da claque que ensinou Robson a potenciar Domingos, aceita, de bom grado, abandonar o clube em troca das milionárias condições que o puseram a salivar.

Se fosse eu, iria? Londres fala mais alto, poder viver em Kensigton ou Belgravia, idem. Mas se isso fosse uma hipótese, dado o sucesso instantaneo que o Andrézinho colheu, não me teria deixado enredar nas juras de amor ao clube e àquela personagem que o dirige. Não daria esperanças aos adeptos. No final, o amor aos andrades era uma treta.

Não deixa de ser irónico que no seio dos andrades haja consternação e quasi quasi violência e no lado "bom"(bonito e perfumado da 2ª Circular) ninguém conteste comme il faut a saida do Capitão.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Dos maldiitos

via boudoir photography

Agora acordo com mensagens que iluminam o telemóvel e em que dás conta de como pensas em mim antes de dormir. E que o queres partilhar comigo porque agora sentes saudades minhas. Agora recebo telefonemas sem hora nem expectativa e a voz é meiga e quente. Não ouço nada do que dizes, as palavras apenas são ditas mas há muito que já não têm peso ou impacto.
Antes foi a indecisão. O jogo dos que não se comprometem, que querem atalhos facilitados para um espaço confortável de repouso, salvação emocional momentânea, ilusão de pertença. Egoísta forma de ser que suga o querer dos outros para se sustentar, para sentir uma rede rápida de carinho e abraço mas que reclama para si a indisponibilidade de reciprocidade. Para quê? Se vos é dado grátis um sentimento para que serve o esforço de lutar por ele, qual o propósito de envolvimento, de estar, dar a mão, partilhar silêncios e perder a possibilidade de ter mais e mais, melhor, diferente, sempre mais, outras.
Era assim, ante…

Das pequenas coisas

Talvez sejam as pequenas coisas. Como uma música que se ouve por acaso e se torna uma descoberta que nos marca um trânsito. Como um gelado fora de horas e com o sabor simplesmente certo de caramelo tal qual na nossa infância. Como aquele instante rápido entre fazer-nos à onda e o mar que nos toma por completo, nos restitui a energia e nos devolve ao mundo.
Terão que ser as pequenas coisas. A partir delas, tudo se enreda e o equilibro pesa para o complicado. Sinuosos os caminhos para que nos encontremos. Doloroso o andamento que faz que nos afastemos mais do que estejamos próximos mesmo quando tudo aponta para que haja uma cumplicidade e uma ligação súbita mas forte e consistente.
O toque é denunciador. Desmantela as forças e faz sucumbir com tamanho ardor. O beijo que transporta silêncio, paz, meta. O abraço que acolhe uma gargalhada e o estranho sentido de que tudo está bem.
São estas pequenas coisas. Que são fáceis e leves e perenes. Tão frágeis. Acabam tão depressa. Nada há-de ser …

Do arrebatamento

O vestido caiu facilmente. Estava apenas preso pelas alças nos ombros magros e deslizou com vontade declarada pelo corpo, até ao chão, enquanto ela acendia uma única luz de presença.

Beijou-lhe o ventre. Sentiu-o a tremer. Antecipação. Expectativa. Sentia-lhe o calor sem sequer tocar. Era como uma fonte inesgotável de desejo prestes a desmoronar-se com um toque. Os dedos enfiaram-se entre a pele e a linha das cuecas de renda fazendo-as sair com mestria. Estava liberta, da máscara de tecidos, não das demais camadas de protecção. Tal não a impedia de arfar baixinho e com satisfação sob um rosto que perdia vergonha a cada caída da cabeça para trás.


Nua, encostada à parede fria, costas arqueadas, totalmente exposta viu-a a desmontar-se com cuidado ao primeiro beijo que se colou à boca como dali não houvera saída. Era intenso, forte, penetrante o modo como ela o arrastava para si com a língua e uma perna em torno da cintura.


Todo aquele momento era primário, selvagem, sem travões ainda que, e…