Avançar para o conteúdo principal

O dia em que Nadal fez história e o Ken de Massamá ganhou

Eu não votei. 

Consta que o PR ontem tentou convencer-me mas eu estava sonolenta e como não estou habituada a que ele fale (ou diga qualquer coisa de jeito) não lhe prestei puto de atenção. Só o farei quando ele explicar a cena das acções e da casa da coelheira. Até lá, nada feito!

Sim, faço parte desse grupo de pessoas más que alimentaram a abstenção. Apesar de não me preocupar muito com o que me possam chamar (isto de não ter auto estima associado ao "who cares?" é uma maravilha), em minha defesa asseguro que não fui à praia, que me informei antecipadamente de onde teria que votar e que, mesmo estando algo indisposta, foi opção e não desinteresse.

Não fui capaz em consciência dar o meu voto a pessoas em que não acredito, que defendiam politicas com as quais não concordava e a quem não reconheço nem capacidades reais, nem equipas com valor, nem credibilidade (o pior mesmo). 

Se me vou queixar no futuro? Não, não posso. 

Mas também não fui capaz de assinar a sentença de morte do pais ou, em alternativa, votar no "mal menor" ou no "voto útil". Não acredito em votar assim: neste momento do país, devíamos votar em pessoas convictas, decididas e de mãos na massa em dar a volta à coisa. Só me apareceram "gold diggers".

E não tenho vergonha nenhuma de assumir: ninguém se deu ao trabalho de me explicar como ou com que politicas se vai governar com as prescrições do Memorando. Ninguém se deu ao trabalho de falar "connosco" para lá dos gritos, insultos e queixinhas.

Nadal ganhou em Roland Garros. Ken de Massamá, o Africano Aprumadinho, também.

Os meus sinceros Parabéns ao primeiro.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Das pequenas coisas

Talvez sejam as pequenas coisas. Como uma música que se ouve por acaso e se torna uma descoberta que nos marca um trânsito. Como um gelado fora de horas e com o sabor simplesmente certo de caramelo tal qual na nossa infância. Como aquele instante rápido entre fazer-nos à onda e o mar que nos toma por completo, nos restitui a energia e nos devolve ao mundo.
Terão que ser as pequenas coisas. A partir delas, tudo se enreda e o equilibro pesa para o complicado. Sinuosos os caminhos para que nos encontremos. Doloroso o andamento que faz que nos afastemos mais do que estejamos próximos mesmo quando tudo aponta para que haja uma cumplicidade e uma ligação súbita mas forte e consistente.
O toque é denunciador. Desmantela as forças e faz sucumbir com tamanho ardor. O beijo que transporta silêncio, paz, meta. O abraço que acolhe uma gargalhada e o estranho sentido de que tudo está bem.
São estas pequenas coisas. Que são fáceis e leves e perenes. Tão frágeis. Acabam tão depressa. Nada há-de ser …

Dos maldiitos

via boudoir photography

Agora acordo com mensagens que iluminam o telemóvel e em que dás conta de como pensas em mim antes de dormir. E que o queres partilhar comigo porque agora sentes saudades minhas. Agora recebo telefonemas sem hora nem expectativa e a voz é meiga e quente. Não ouço nada do que dizes, as palavras apenas são ditas mas há muito que já não têm peso ou impacto.
Antes foi a indecisão. O jogo dos que não se comprometem, que querem atalhos facilitados para um espaço confortável de repouso, salvação emocional momentânea, ilusão de pertença. Egoísta forma de ser que suga o querer dos outros para se sustentar, para sentir uma rede rápida de carinho e abraço mas que reclama para si a indisponibilidade de reciprocidade. Para quê? Se vos é dado grátis um sentimento para que serve o esforço de lutar por ele, qual o propósito de envolvimento, de estar, dar a mão, partilhar silêncios e perder a possibilidade de ter mais e mais, melhor, diferente, sempre mais, outras.
Era assim, ante…

Do acosso

Este calor que se abateu com uma força agressiva consome qualquer resistência. O suor clandestino esbate vergonha e combate qual sabre as dúvidas. 
A noite feita à medida de libertinos cancela as vozes interiores que alertam para mais uma queda dolorosa. A brisa quente atordoa, embriaga no contacto com a pele. O tempo pára, as palavras suspendem entre olhares que sustentam no ar tórrido toda a narrativa; qual pornografia sem mácula, mas plena de pecado. A lua cheia transborda e dá luz à ausência de sanidade que percorre no corpo. Tudo parece possível, uma corrente de liberdade atravessa-nos com o sabor do quente esmagado.
E, mesmo assim, pulsa algo mais intenso. Mais derradeiro. Mais dominador. Mais perverso que o toque dos dedos. Mais agressivo que a temperatura irrespirável. O freio da impossibilidade. 
A intuição luta com o medo e na arena o medo mesmo que picado tem sempre muita força. O medo acossa-nos.