Avançar para o conteúdo principal

VCP*

Acabei de tomar a decisão de, por uns tempos, pelo menos, não voltar a hipermercados

Ou é a PdI ou são mesmo as grandes superfícies que me levam a soltar o meu lado Charles Manson. Eu apostaria mais na 2ª hipótese. A PdI só nos tira paciência para aguentar e dá-nos o discernimento de ver as coisas por um prisma mais normal.

São luzes fortes que quase cegam uma pessoa; as prateleiras cheias de produtos, com tanta marca e sem se perceber onde começa uma categoria e acaba outra; os barulhos das máquinas, os anúncios das promoções, os clientes em ataques de "disparatis profundis" num crescente de ruído insuportável;  manadas de pessoas; um calor terrível; a violência visual com excessos de cartazes pavorosos.

Mesmo o Bonjour não tendo uma grande oferta (aliás, é muito básica) e o Sá, apesar de mais diversidade, ainda ficar aquem (e sendo mais carote), acabaram-se estas torturas. Dei por mim a cantar para acalmar o stress e ansiedade de andar no Jumbo, em sofrimento.

Viva o comércio de proximidade.




*VCP = vou cortar os pulsos, termo "roubado" à aeromoça marta

Comentários

Anónimo disse…
Aposto, mas aposto mesmo que essa aventura tenha sido à tarde :) Comércio de proximidade, por aqui, não dá. Até porque, o mais próximo é um hipermercado. Além disso, por motivos logísticos, as compras acabam por ter carácter semanal. Sugestão: Sábado ou Domingo de manhã, aí por volta das 9:30. Calmo, sem stress, fresquinho (por vezes demais) e com todo o tempo e paciência para escolher o produto mais competitivo

Mensagens populares deste blogue

Dos maldiitos

via boudoir photography

Agora acordo com mensagens que iluminam o telemóvel e em que dás conta de como pensas em mim antes de dormir. E que o queres partilhar comigo porque agora sentes saudades minhas. Agora recebo telefonemas sem hora nem expectativa e a voz é meiga e quente. Não ouço nada do que dizes, as palavras apenas são ditas mas há muito que já não têm peso ou impacto.
Antes foi a indecisão. O jogo dos que não se comprometem, que querem atalhos facilitados para um espaço confortável de repouso, salvação emocional momentânea, ilusão de pertença. Egoísta forma de ser que suga o querer dos outros para se sustentar, para sentir uma rede rápida de carinho e abraço mas que reclama para si a indisponibilidade de reciprocidade. Para quê? Se vos é dado grátis um sentimento para que serve o esforço de lutar por ele, qual o propósito de envolvimento, de estar, dar a mão, partilhar silêncios e perder a possibilidade de ter mais e mais, melhor, diferente, sempre mais, outras.
Era assim, ante…

Das pequenas coisas

Talvez sejam as pequenas coisas. Como uma música que se ouve por acaso e se torna uma descoberta que nos marca um trânsito. Como um gelado fora de horas e com o sabor simplesmente certo de caramelo tal qual na nossa infância. Como aquele instante rápido entre fazer-nos à onda e o mar que nos toma por completo, nos restitui a energia e nos devolve ao mundo.
Terão que ser as pequenas coisas. A partir delas, tudo se enreda e o equilibro pesa para o complicado. Sinuosos os caminhos para que nos encontremos. Doloroso o andamento que faz que nos afastemos mais do que estejamos próximos mesmo quando tudo aponta para que haja uma cumplicidade e uma ligação súbita mas forte e consistente.
O toque é denunciador. Desmantela as forças e faz sucumbir com tamanho ardor. O beijo que transporta silêncio, paz, meta. O abraço que acolhe uma gargalhada e o estranho sentido de que tudo está bem.
São estas pequenas coisas. Que são fáceis e leves e perenes. Tão frágeis. Acabam tão depressa. Nada há-de ser …

Do arrebatamento

O vestido caiu facilmente. Estava apenas preso pelas alças nos ombros magros e deslizou com vontade declarada pelo corpo, até ao chão, enquanto ela acendia uma única luz de presença.

Beijou-lhe o ventre. Sentiu-o a tremer. Antecipação. Expectativa. Sentia-lhe o calor sem sequer tocar. Era como uma fonte inesgotável de desejo prestes a desmoronar-se com um toque. Os dedos enfiaram-se entre a pele e a linha das cuecas de renda fazendo-as sair com mestria. Estava liberta, da máscara de tecidos, não das demais camadas de protecção. Tal não a impedia de arfar baixinho e com satisfação sob um rosto que perdia vergonha a cada caída da cabeça para trás.


Nua, encostada à parede fria, costas arqueadas, totalmente exposta viu-a a desmontar-se com cuidado ao primeiro beijo que se colou à boca como dali não houvera saída. Era intenso, forte, penetrante o modo como ela o arrastava para si com a língua e uma perna em torno da cintura.


Todo aquele momento era primário, selvagem, sem travões ainda que, e…